Evandro Cordeiro para AcreNews

O cantor acreano Sérgio Souto, uma das maiores expressões do Norte brasileiro no contexto nacional, vira setentão neste sábado, 11. Nesse dia, em 1950, ele nascia em Sena Madureira, Acre, para ser nossa alegria em todo o território brasileiro. Sérgio foi simbora nos anos 1970 para o Rio de Janeiro e lá suas músicas foram parar em novelas da rede Globo. Eu o chamo carinhosamente de “boy”, “bicho”, “cara”, porque Serginho esteve naquela fervência cultural carioca e paulista dos anos 1970, com predominância da bossa nova, surgimento da tropicalia, em meio a tantos outros “bichos” dos movimentos culturais da época. Sua mulher, a advogada Socorro Rodrigues, o definiu assim em sua página do Facebook, por ocasião de seu aniversário: “O Acre hj está em festa!!! É o aniversário do seu grande filho, o cantor e compositor Sérgio Souto. Ele que canta e encanta essa “terra da graça sol da Amazônia”, hoje convida a setentar com ele puxando a cadeira onde estiverem “conversando com um velho amigo” sobre a “saudade atroz” de um “tempo que caiu num sonho eterno” Que o “imantado diamante” possa ser cantado sobre as águas do “rio da vida” que “serve a todos e não pertence a ninguém”. Filho que não nega sua filiação e eleva, com sua música e poesia, a beleza da terra. Ao grande expoente da música, que a maturidade setentona reine por mais tempo, nos brindando com a beleza das palavras e a criatividade que toca a alma. Salve Sérgio!!!!!!”.

SUCESSOS DE SERGIO SOUTO

Falsa Alegria (com Amaral Maia)

Minha Aldeia (com Amaral Maia)

Navegante (com Jota Maranhão)

Circo Brasil (com Aldir Blanc)

Diamante (com Paulo César Pinheiro)

Correnteza (com Daphnis Souto)

Meu Lamento (com Sergio Napp)

Tempo (com Sergio Napp e Jorge Melo)

Picadeiro (com Sergio Napp)

O Arco e a Flecha (com Marina Silva)

Homem Grande (com Jorge Vercillo)