25 C
Rio Branco
segunda-feira, janeiro 18, 2021

Pra fechar o ano, Gladson abre o coração ao Acrenews e entre outras diz que não tem medo de ninguém em 2022


Evandro Cordeiro para o Acrenews 

O governador Gladson Cameli (Progressistas) arrochou a agenda nesse final de ano. Está uma lançadeira, como diz minha mãe. Quando a gente pensa que ele está na capital, já vem um vídeo dele em Feijó, e mais tarde em Mancio Lima. Animado, nem se fala. O homem anda rindo a toa. Tirou um tempinho, pouco, mas tirou, para responder ao Acrenews 14 perguntinhas básicas. Falou quase de tudo, inclusive alguma coisa da vida pessoal. No papo descontraído, discorre sobre seu governo com tom crítico e flerta com o futuro. Afirma ser candidato em 2022 com um detalhe picante: não tem medo nem da mãe do sal torrado que quiser com ele disputar. Tanto faz Sérgio Petecão (PSD), Jorge Viana. O escambau. “Só tenho medo de Deus”, diz o governador.
Veja a entrevista na íntegra:

Acrenews – Governador tem alguma coisa que senhor não conseguiu fazer em 2020 e que pode fazer sua virada de ano não ser aquela festa completa?

Gladson Cameli – Toda noite eu coloco a cabeça no travesseiro com a certeza de que fiz tudo o que estava ao meu alcance. É claro que, como governo, ainda temos muito pra fazer. A máquina e a burocracia às vezes não deixam a coisa ser tão rápida quanto nós queremos e o estado precisa. Mas eu tenho fé em Deus que vamos encerrar esse ano difícil pra ter dias melhores em 2021.

Acrenews – O senhor parece que ouve muito seus pais. O que eles tem lhe pedido em relação ao seu governo, em relação a política?

Gladson Cameli – Meu pai e minha mãe, mais do que falar, me ensinaram pelo exemplo. E é esse exemplo que eu busco colocar no meu dia a dia: dar atenção as pessoas, tentar fazer mais do que é esperado e principalmente ser justo com todos sempre. Aprendi também com o meu tio na política a olhar sempre para quem mais precisa. Mas a verdade é que eles não interferem no meu governo. Eu é que busco os conselhos deles, que eu confio e sei que querem o meu melhor.

Acrenews – Seu sonho, o senhor já disse, era governar o Acre. E isso já está realizado. Não teve hora que já deu vontade de parar, recuar de uma reeleição e ir pra casa ajudar nas empresas da família?

Gladson Cameli – Não está realizado ainda, que eu não terminei (risos). Não é um sonho só de governar. Não é pelo poder, pela cadeira. O sonho é governar e mudar a vida das pessoas pra melhor. E eu estou me sentindo muito bem nessa missão que eu acho que é de Deus. Toda vez que eu vejo uma obra, uma ação que a gente faz e que melhorou a vida de alguém é um pouco desse sonho sendo realizado.

Acrenews – Quem é seu anjo da guarda nesse governo, aquela pessoa que o senhor descobriu ser a certa para ouvir quando surgem os problemas?

Gladson Cameli – Eu sempre digo que somos uma equipe, um time. Por isso, todos têm a sua importância. Desde os secretários até os servidores mais humildes. Muitas vezes são eles que me alertam para os problemas que não chegaram lá em cima. O segredo é esse: ouvir a todos.

Acrenews – Já faltou paciência com a Assembleia Legislativa alguma vez?

Gladson Cameli – Nunca! A Assembléia é uma grande parceira! Temos uma relação de respeito e de cooperação. Até mesmo aqueles deputados que são contra o meu governo prestam um grande serviço porque estão fiscalizando e alertando. E estão lá porque o povo quis.

Acrenews – E quando falam que o senhor protege ex-petistas isso lhe tira do sério?

Gladson Cameli – Não podem falar que o meu governo é corrupto. Não podem falar que o meu governo é incompetente. Então vão falar o quê? Vão inventar essas histórias. Isso não me afeta, não. Falam isso porque o meu governo não persegue ninguém. Fui eleito para ser o governador de todos.

Acrenews – 2021 seu governo sofrerá uma reforma nos primeiros dias. Quem será demitido dentre os secretários. Haverá troca na saúde, educação?

Gladson Cameli – Já disse que a minha intenção é manter a equipe. Mas é claro que se for necessário, vamos trocar, substituir, melhorar. Quero um time afinado em todas as áreas. Quero o máximo de comprometimento da nossa equipe.

Acrenews – O senhor está falando constantemente em montar um time para os últimos dois anos e, claro, para a reeleição. O que é preciso ter de qualidade para jogar nessa equipe?

Gladson Cameli – É só colocar em prática o que diz o posicionamento do nosso governo: visão de futuro e governo de todos. Pensar em programas que melhorem a vida das pessoas não por um momento para pela vida inteira. E trabalhar para todos, não para o seu partido político. Saber que nosso patrão é o povo. Além disso, ter humildade e saber trabalhar em equipe.


Acrenews – Qual a possibilidade de em 2022 o senhor estar com a mesma equipe com a qual foi disputada a eleição em 2018?

Gladson Cameli – Sinceramente, não estou pensando nisso agora. Estou pensando em ser um bom governador, que é pra isso que eu fui eleito. Coligações e apoios são consequência. Agora, só quero do meu lado quem estiver preocupado com o estado e não com a política.

Acrenews – Caso não consiga reunir todo mundo, numa suposta disputa em 2022 de quem o senhor tem mais medo entre Petecão, Jorge Viana e Marcus Alexandre?

Gladson Cameli – Temor só a Deus. Tenho medo, sim, de não conseguir fazer direito o meu trabalho, de não conseguir ajudar a quem precisa, de não melhorar a vida de quem confia em mim. O resto é da democracia. Quanto mais candidatos, melhor. Assim o povo tem mais opção de comparar e escolher. Se eu tivesse medo de enfrentar a política, não tinha sido candidato em 2018 enfrentando o PT com a máquina municipal e estadual em 20 anos de poder.

Acrenews – Para a disputa de 2022 o senhor conta com quais prefeitos da nova safra? Por que relação boa com eles o senhor tem e isso é fato.

Gladson Cameli – Para chegar em 2022 tem 2021. E a primeira coisa que eu pedi a todos os prefeitos foi para que terminada a eleição, desçam do palanque. Vamos trabalhar juntos agora para melhorar a vida das pessoas em cada cidade. 2022 a gente discute em 2022.

Acrenews – Márcio Bittar continua sem nada no governo desde a demissão de pessoas ligadas a ele no Depasa. Uma nova relação está sendo construída com ele?

Gladson Cameli – O Márcio é um dos senadores do Acre. Mais que isso, ele é o relator do Orçamento da União. Você sabe o que significa isso? Com essa responsabilidade e confiança do presidente, ele é um dos políticos mais poderosos em Brasília. Ele não precisa de nada do governo. Mas tem me ajudado imensamente porque sabe que o mais importante é colocar as pessoas acima das questões da política. Essa é a nossa relação. Tenho uma relação de respeito e parceria com ele.

Acrenews – O MDB deverá ser convidado para seu governo mais uma vez, o senhor tem dito. Eles sempre quiseram a educação para aderir ao governo. Eles vão ter, finalmente?

Gladson Cameli – Quem quiser ajudar o Estado sempre será bem vindo e vai colaborar com o que tiver de melhor. Como governador, minha função é discutir propostas e ideias. Não estou loteando o governo até porque, a responsabilidade é minha. Sempre disse, desde a campanha que vamos colocar as pessoas certas nos lugares certos.

Acrenews – Para fechar, governador, de forma descontraída, o senhor continua apaixonado por aviões, pelo Guilherme e pela bela primeira-dama Ana Paula?

Gladson Cameli – Sim, mas a ordem não é essa. O correto é: pela Ana Paula, pelo meu Gui-gui e pela aviação. E claro, pelas pessoas do meu estado. Sem falsa modéstia: não existe lugar como o Acre.

Acrenews – O senhor quer essa vida de política para o Guilherme quando ele crescer?

Gladson Cameli – Eu quero o que ele decidir e o que lhe fizer bem. Sendo correto, olhando para o lado e ajudando as pessoas, ele pode ser o que quiser, que terá sempre o meu apoio, da Ana Paula e será o nosso orgulho.





Mais Lidas