COLUNA DO EVANDRO CORDEIRO

Para ele não tem crise
O governador Gladson Cameli (Progressistas) é campeão em extingui-las. Os erros dele duram menos de 24hs. Ressurge das cinzas bem rapidinho. Quando a gente pensa que ele errou feio quando apoiou um candidato que não era do seu partido em 2020, ele acabou foi arrebanhando um eleitor que não tinha. No Progressistas continua sendo adorado. Os correligionários não veem a hora de fazer a festa da “volta dele”. Quando a gente pensa que ele tá brigado com o vice, ele já se acertou com todo mundo. Mas melhor que isso: é adorado pelas ruas. As pesquisas dizem isso e a gente percebe. Descobri um lugar na periferia da capital onde ele come quibe com refresco, rodeado da meninada fazendo fotos com ele. A pandemia também deu a Gladson um grupo de admiradora que ele não tinha, parte da esquerda, que se não vota nele, também não fala mal. Ele tem tratado a doença com a seriedade que todos esperavam. Por essas e outras é que acho difícil políticos experientes se levantarem contra ele nas eleições de 2022. Minha humilde previsão: vai juntar todo mundo ao redor dele e se reelege.

 

Nome Bittar
Fiz uma pequena lista de nomes fortes para a disputa de federal em 2022, mas esqueci alguns. Entre esses nomes, o da Márcia Bittar. Dizem que ela vem forte para um “cargo alto” ano que vem.

Timidez prejudicial
Se quiser voar alto na política o presidente da Assembleia Legislativa, Nicolau Júnior (Progressistas), precisa sair do escuro, botar a cara pra fora, ser ousado e, principalmente, meter a mão no bolso.

Xapuri sem procissão
Estranho um 20 de janeiro sem procissão em Xapuri. Tem muita gente lá hoje, mas as homenagens a São Sebastião vão acontecer com muitas restrições.

Padeiro debaixo do sovaco
Na chegada do governador Gladson Cameli (Progressistas) de São Paulo, segunda-feira, uma cena chamou a atenção. O prefeito de Bujari, João Padeiro (PSB), estava capiongo, de longe, espiando a fusarca, quando de repente foi arrastado pelo braço. Era o próprio governador. “Vem pra cá, Padeiro. Você é prefeito, não interessa de qual partido”, disse Cameli. No final, Padeiro apareceu em quase todas as fotos da festiva chegada.

Baixada sem representante
A Baixada da Sobral acabou sem nenhum representante na Câmara Municipal de Rio Branco. O vereador que mora lá, Railson Correia (Podemos), perdeu. Outros de lá que tentaram, também foram derrotados. Resultado: quem se elegeu adquirindo votos de forma duvidosa por lá só voltará à região na próxima eleição. E ninguém tem direito de cobrar.

Que pena


A bonitona Anna Stürmer, gaúcha criada no Acre, chegou a ficar confinada com os candidatos a BBB’s 2021, mas na hora “h” ficou de fora. Ficou triste, mas ainda esperançosa.

Barril de pólvora
O clima não é nada bom entre camelôs e os ex-vereador Juruna, por causa das conceções do novo Shopping. Ou o prefeito Tião Bocalom (Progressistas) entra de sola para tomar de conta, ou “vai feder” a coisa, disse um deles à coluna.

 

Eleito sem recurso


Joaquim Florêncio (PDT), eleito vereador de Rio Branco sem recursos, uma raridade, é a grande esperança do Conjunto Esperança. Ele, na verdade, quer apenas dar continuidade o que faz há anos: favores para a comunidade. Agora com mais qualidade, graças a força econômica do mandato.

 

Bênção do Bocalom
Olavo Francelino de Rezende, o Olavinho Boiadeiro (MDB), novo prefeito de Acrelândia, tem a bênção do prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (Progressistas). Não ganhou a eleição atoa. Mas precisa caprichar para quebrar em definitivo uma maldição que ronda aquele município desde a morte do ex-vereador Printe, há quase 20 anos. Todos os prefeitos de lá pra cá caíram ou não conseguiram mais se reeleger.

Vereador de férias
Quem anda tranquilo e calmo pelas ruas de Rio Branco só aguardando 2022 chegar para assumir uma cadeira de vereador é meu primo, James do Lacem (PDT). A razão é matemática: ele é primeiro suplente e o partido elegeu três vereadores, Michele Melo, Fábio Araújo e Joaquim Florêncio. A Michele, que é filha do empresário Nelson Brás, um dos homens mais ricos do Acre, é deputada federal de férias. Dizem que vem para ser a mais votada em 2022. Ou seja: a cadeira já é do James.
A menos que Deus não queira.

Mais Lidas