24 C
Rio Branco
sábado, janeiro 16, 2021

EXCLUSIVO – Bocalom avalia primeiros dias de mandato, se emociona, admite que errou em nomeações e prevê futuro lindo pra capital


Evandro Cordeiro para o Acrenews

O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (Progressistas), tem oito dias de serviços prestados ao povo da capital à frente da prefeitura. Tudo ainda é muito novo pra ele. A vida virou uma loucura, está sem hora pra comer, sem hora pra dormir, mas garante, de pronto: “Estou feliz, realizando um sonho”. Em entrevista exclusiva ao Acrenews ele avalia esses primeiros dias, se emociona, admite erros em nomeações de “petistas”, pede perdão, diz que vai corrigir, e fala de um futuro lindo para o município, quando seu projeto “Produzir para empregar” sair do papel. Reafirma não ser candidato a nada em 2022 e que vereador vai continuar sendo tratado com respeito, mas sem troca de favores. Veja a entrevista completa:

Acrenews – Como o senhor avalia esses primeiros dias como prefeito?

Bocalom – Evidentemente que ninguém chega num lugar e consegue resolver tudo como muita gente imagina, né? Nós pegamos um município que têm problemas de todas as ordens, na saúde, na infraestrutura, na educação. Muitos problemas e, é claro, nós estamos organizando ainda a casa, estamos montando a equipe e devagarzinho as coisas estão andando. Evidentemente que não é do jeito que muita gente imagina que deveria andar, mas está dentro do compasso que eu imagino, que é o que a gente deve fazer e se Deus quiser dentro de 90 dias a equipe estará toda montada e ajeitada. E aí as coisas começam a aparecer de forma mais contundente. O que a gente vê hoje é que as pessoas achavam que era chegando e resolvendo da noite para o dia e nós não temos uma varinha de condão, mas graças a Deus temos uma equipe que está se movimentando bem e se organizando bem, montando uma equipe e sempre olhando para a parte técnica. Eu acho que está indo bem esses primeiros dias. Não posso reclamar não.

Acrenews – Já deu para conhecer bem a estrutura da prefeitura?

Bocalom – Deu para conhecer um pouco mais da estrutura sim. Você faz uma transição assim como nós fizemos e ali é só algumas informações. Na transição ninguém fala. Agora quando se assume a gente começa a enxergar problemas. Nós temos muitos problemas, por exemplo, lá na saúde. Tem história lá de sumiço de uma quantidade enorme de geladeiras, televisão, tem um b.o. de produtos e coisas que desapareceram. São muitos problemas que tem, mas devagarzinho a equipe vai tomando parte de tudo e as coisas vão caminhando.

Acrenews – O senhor diz que conheceu pouco a estrutura, mas já anuncia que vai antecipar o pagamento dos servidores. De grana a prefeitura está bem?

Bocalom – Veja só! O nosso calendário nós baixamos para o dia 25 por que que se pagava dias 28, 29, 30, e nós baixamos para 25. Esse mês não sei se vamos conseguir fazer dia 25 em função de que está dando entrada ainda em toda documentação agora e o sistema também vai rodar só a partir do dia 20. Então vamos tentar pagar dia 25. Esse mês não sei, mas até o dia 28 acredito que nós vamos conseguir pagar, agora o calendário para frente tá todo definido para o dia 25. Quanto ao financeiro da prefeitura é verdade que é uma prefeitura que financeiramente está saneada, eu sei disso, né. Agora com muitos projetos parados. Por exemplo: ano passado a prefeitura contratou R$ 131 milhões de reais para fazer de obras e infelizmente só foram executados R$ 24 milhões Então a execução ficou muito abaixo daquilo que é, que precisava acontecer, mas vamos ver se a gente recupera a parte disso. Eu acredito que dentro de mais uns 90 dias a gente tem a noção exata de tudo que está acontecendo, que isso aqui é muito grande. A prefeitura de Rio Branco é muito grande, tem uma estrutura muito grande.

Acrenews – Como está, de fato, a sua relação com o governador Gladson Cameli?

Bocalom – O governador desde o primeiro dia tem sido muito sensível e a gente tem conversado muito porque nós precisamos trabalhar em parceria. O Estado tem diversas obras para serem feitas dentro de Rio Branco, então é assim: ele vai fazer e nós vamos fazer outras obras e precisamos de parceria, especialmente no setor produtivo junto com Emater, Cageacre, junto com a secretaria de Agricultura do município, para que a gente possa implantar o projeto “Produzir para empregar”, no município de Rio Branco.

Acrenews – o governador fala em agronegócio com o senhor?

Bocalom – Ele ganhou a eleição sob o tema do agronegócio e o agronegócio faz parte do projeto “Produzir para empregar”, pelo qual lutei a vida inteira. Então com certeza parceria não será só aí. Nós teremos parceria em muito mais coisas. Ontem mesmo o pessoa sa secretaria de Segurança esteve aqui com a gente para fazermos uma boa parceria para melhorar a segurança do nosso povo rio-branquense. A parte da infraestrutura tem muita coisa para ser feita e nós vamos fazer essa parceria. Enfim, vamos fazer muitas parcerias e quem ganha com isso? O povo.

Acrenews – O senhor é hoje a segunda maior liderança política do Acre, se for levado em consideração densidade eleitoral. Portanto, sua atuação política em 2022 vai ser fundamental para qualquer projeto. No palanque de quem o senhor estará ano que vem?

Bocalom – Eu não me considero a segunda figura política mais importante do Acre. Eu sou apenas uma engrenagem nesse conjunto. A minha vontade é só ajudar, independente se sou a segunda, terceira, quarta ou quinta figura em importância. Eu quero colocar minha experiência de tanto tempo como gestor público à serviço da prefeitura de Rio Branco e do nosso Estado do Acre, mesmo porque com esse compromisso maior agora assumindo como presidente da Amac nós vamos precisar discutir com os prefeitos o desenvolvimento que nós precisamos. Não tem condições, por exemplo, de lá em Santa Rosa o pessoal comprar arroz que vem do Rio Grande do Sul. Eu só tô dando um exemplo. Precisamos conversar com todos os colegas prefeitos e começar a produzir, principalmente produzir aquilo que a gente consome em cada local.

Acrenews – Sim, mas o senhor vai ajudar quem em 2022 ou o senhor já pensa em disputar a eleição?

Bocalom – Não, filhão! Quando eu fui candidato a prefeito todos já sabiam que eu seria candidato e ganhando eu faria os quatro anos e vamos sim fazer os quatro anos. Para 2022 ainda tem um bom tempo pela frente, mas com certeza eu não serei candidato. Evidentemente que tem um projeto pela frente que a gente precisa tocar, mas não irei deixar a prefeitura de nenhuma forma.

Acrenews – Prefeito a sua sala é bem aprazível, aconchegante, e apesar de simples, ainda não tem exatamente a sua cara. Cadê seu retrato na parede?

Bocalom – Evandro, filhão, me chama de Bocalom que é melhor. Prefeito passa. Não gosto muito dessa formalidade. Não tenho e não quero foto na parede porque não sou melhor que ninguém. O secretário tem a mesma importância que eu. Não tem que cultuar a minha imagem. A minha importância é a mesma da zeladora, do varredor de rua. Todos têm sua importância nesse conjunto, nessa engrenagem.

Acrenews – O senhor virou alvo de críticas porque nomeou petistas, exatamente o contrário do que dizia em campanha. O que aconteceu?

Bocalom – Olha, o que aconteceu foi o seguinte: realmente foi feito a nomeação aqui que precisava fazer para organizar a documentação ali naquele setor e acabou sendo feita nomeação sem observar direito que as pessoas que estavam ali, que tinha que dar continuação ao trabalho, tinha tanta relação forte com PT e deu no que deu. Mas imediatamente nós revogamos por que não é esse o caminho que a gente tem que seguir. Nós queremos trabalhar com as pessoas que realmente sempre ajudaram no projeto, acreditaram no projeto, mas evidentemente que nesse começo agora não tem só como colocar a gente nova, nós temos que mesclar gente nova com o pessoal da casa que é mais experiente. Eu considero isso como natural para mim não tem nenhum problema. É o que eu falo desde o começo: nós erramos, admitimos que erramos e acabou. Vamos consertar o erro. E foi isso que nós fizemos. Nós falamos pra sociedade que foi um erro, pedimos desculpas e vamos consertar.

Acrenews – O senhor vai insistir na idéia de não ter relação, aquela relação tradicional, com os vereadores, querendo os 17 na sua base e os 17 criticando se for o caso?

Bocalom – Graças a Deus existe um entendimento muito forte dos vereadores, no meio dos vereadores, que a função deles é como fiscais. Eles não podem ter a velha relação com o executivo. O principal do vereador é fiscalizar. Então graças a Deus não sofremos problema nenhum, pressão nenhuma dos vereadores, de ninguém. Todo mundo está entendendo que o projeto tem que ser nessa linha, para que possamos recuperar parte da credibilidade perdida ao longo do tempo em função de relações escusas que sempre existiram.

Acrenews – Obrigado e boa sorte, prefeito!

Bocalom – Eu que agradeço, filhão.





Mais Lidas