COLUNA DO EVANDRO Deputado Tchê perde briga com Calegario pela Umar

Os deputados Luiz Tchê (PDT) e Fagner Calegario (PL) travaram uma guerra nos últimos dias pelo combalido movimento comunitário de Rio Branco. Cada um apoiou um candidato a presidente da Umarb, a entidade maior das associações de moradores da capital, falida politicamente. Para se ter uma idéia, nunca mais elegeu ninguém sequer a vereador. Mas eles foram pra disputa, gastaram uma grana, e Calegario levou a melhor. O candidato dele, Wenderson Jorge, venceu Dje Cavalcante, ligada ao Tchê, e Oséias Silva, atual presidente, ligado ao MDB.


Deputados sumidos
A despeito de ter lembrado dos deputados Tchê e Calegario, vai um registro: um ou outro parlamentar deu as caras nessas tragédias naturais que assolam Rio Branco nos últimos dias. Nem um close sequer nas redes sociais.

Novo inimigo
Polêmico, sempre, mesmo apenas escrevendo artigos, o ex-deputado Luiz Calixto parece ter se afastado do senador Sérgio Petecão (PSD), pro quem era parido até recentemente. Ele nunca gostou mesmo foi de outro senador, Márcio Bittar (MDB), em quem desce a lenha de vez em quando.
Tudo isso, dizem, já faz parte das mexidas que visam o pleito de 2022.

Petistas acordaram
Ex-cargos comissionados das gestões petistas tentaram lacrar nas redes sociais contra o prefeito Tião Bocalom (Progressistas) e a vice, Marfisa Galvão (PSD), relembrando as fotos que o ex-prefeito Marcos Alexandre (PT) costumava fazer dentro d’água durante essas cheias. Parece que não colou. Nem mesmo a crítica do deputado federal Léo de Brito colou. Bocalom e Marfisa, é bom lembrar, nem sentaram em suas cadeiras.

Sem hipocrisia
Falei com o prefeito Tião Bocalom (Progressistas) sobre as críticas dos petistas por sua atuação na cheia dos igarapés. Ele foi laconico: “Primeiro fui pelo de surpresa quando tinha acabado de cirurgiar os olhos; segundo, não reparem hipocrisia de minha parte, com essa de ficar fazendo foto em meio de tragédia”.

Só gratidão
Fernanda Assem (PT), prefeita de Brasiléia, recebeu o governador Gladson Cameli (Progressistas) no último sábado, 6, em seu município, e a garantia de que as obras do anel viário começam assim que a chuva der uma trégua. Ela, claro, só agradeceu. “Essas obras vão dividir nossa história”, disse à coluna.

Tragédia anunciada
A briga política nos bastidores está em níveis jamais vistos. Muita pimenta pra pouco caldo. Algumas pessoas perderam o limite. Tomara que não, mas aguardem pra ver onde isso vai chegar.

Câmara Criminal
Pedro Ranzi, um dos desembargadores mais antigos do Tribunal de Justiça do Acre, inicia seu ciclo final de sua bela carreira. Vai assumir pela segunda vez a Câmara Criminal, onde são corrigidas ou confirmadas as condenações contra os criminosos mais perigosos.

Sem parar
Enquanto aliados e adversários se digladiam nos bastidores, o governador Gladson Cameli (Progressistas) trabalha que nem formiga. Chegou em casa domingo na hora do Fantástico. Passou o dia no Alto Acre.

Novas lideranças
Com a muchada política do deputado Manoel Moraes (PSB), que nem deve mais disputar a eleição, e o fraco desempenho do deputado Antonio Pedro (DEM), ambos representantes do Alto Acre, novas lideranças devem surgir em 2022 naquela região. Se aposta muito em Everton Soares (PSL), que disputou a eleição de prefeito em Epitaciolândia, ficando em segundo lugar, e Fernanda Assem (PT), prefeita de Brasiléia, cujo futuro é disputar a eleição para federal, com chance de emplacar.

Dor de cabeça
Os oito atuais deputados federais do Acre vivem o pior ano de seus mandatos, esse que antecede a eleição. A razão é matemática. Precisam formar chapa para garantir suas reeleições, uma tarefa que vai custar caro. Já ouvi neguim dizer que só vai disputar pra ajudar se a grana vier na frente.

Serenada
A chegada do experiente Normando Sales na prefeitura de Rio Branco melhorou as apostas em relação ao desempenho futuro do prefeito Tião Bocalom (Progressistas). A missão de Sales é fazer a política, desenrusgando a testa de Bocalom.

Quase impossível
Democrata, dificilmente o governador Gladson Cameli (Progressistas) vai pedir a esse ou aquele jornalista para não bater em fulano ou sicrano. Ele nunca reclamou nem em quem bate nele.

Doril
Passadas as eleições ninguém ouviu mais nem falar no empresário Jarbas Slater, que disputou a prefeitura da capital pelo Avante. Sumiu no cipoal.

Auxílio emergencial
“A gente precisa que o governo federal retome o auxílio emergencial para aliviar as medidas duras que tivemos que tomar”.
Frase do dia do governador Gladson Cameli.

Mais Lidas