EXCLUSIVO No momento mais delicado da pandemia, Gladson abre o coração, inclusive sobre política: “Não me subestimem”

Evandro Cordeiro

O governador do Acre, Gladson Cameli (Progressistas), está há 10 meses trabalhando ininterruptamente, desde que o coronavirus deu as caras no Acre. A pandemia consumiu tudo dele em relação a vida social. Pior: nesse interim, foi obrigado a adiar alguns projetos que já deveriam estar em curso. Mesmo assim ele leva tudo – ou quase tudo – no bom humor. Raramente estar sisudo.

Mas, espiando ele bem de pertinho, da pra notar nele um homem bem mais maduro que aquele do início da gestão. Ele esconde o cansaço. Pelo menos faz de tudo para não demonstrar fadiga, nem fragilidade. Tem conseguido. Sua entrega tem lhe garantido uma recompensa sonhada por todo político: é adorado pela população. A popularidade dele anda nas nuvens.

Nesta segunda-feira, 8, enquanto esperava o “desembarque” de mais um lote de vacina no aeroporto de Rio Branco, Cameli conversou conosco com o coração bem aberto. Falou sobre quase tudo, inclusive reeleição, apesar de não achar o momento adequado. Aos prováveis futuros adversários, fez um pedido: “Não me subestimem”.

Veja o que ele disse mais numa entrevista dividida em três partes:

Mais Lidas