Connect with us

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO: Ex-chefe da Casa Civil de Bocalom pode estar voltando para o governo Gladson

Publicado

em

O ex-chefe da Casa Civil da prefeitura de Rio Branco, Artur Neto, cujo cargo deixou de forma ainda não bem explicada, pode voltar ao governo Gladson nas próximas horas, segundo fontes da coluna. Assim como a campanha de Bocalom, Artur também foi um dos coordenadores da campanha de Cameli.

Irmão do Henrique

Artur Neto, que foi coordenador da campanha de Tião Bocalom, e da de Gladson, estava no gabinete da senadora Mailza. Ele é irmão do atual vice-prefeito de Cruzeiro do Sul, o ex-deputado federal Henrique Afonso (PSD).

Levante no PSL

Um grupo ameaçou não aceitar o secretário de Saúde Alysson Bestene no PSL, mas o levante durou só o final de semana. Nesta segunda, na livraria Paim, acontece a filiação dele.

Provas robustas

As provas juntadas contra a prefeita de Tarauacá, Néia Sérgio (PDT), que podem derrubá-la, animou o segundo colocado na disputa de 2020, o Abdias da Farmácia, do DEM. Dizem que as provas são fatais.

Mais dois

Depois de MDB, Republicanos e Solidariedade, vem aí mais dois partidos importantes para debaixo do sovaco dos Bittar. Eles chegam em 2022 com um grupo sem tamanho.

Quem disse?

Tem uns quatro outdoors na cidade em que políticos aparecem dizendo que são os melhores nisso e naquilo. Vamos ver se nas urnas, ano que vem, eles são os melhores.

Alto Acre

Três candidatos fortíssimos vão bater chapa pelo Alto Acre em 2022, numa briga por cadeiras na Assembleia Legislativa. Tadeu Hassem, irmão da prefeita de Brasileia, Fernanda, o empresário Everton Soares, que por pouco não ganhou a prefeitura de Epitaciolândia, além do ex-prefeito André Hassem, hoje diretor do Imac.

Convocação

Como o governador Gladson Cameli (Progressistas) tem interesse em eleger ao menos dois deputados federais em 2022, alguns figurões vão ser convocados para compor a chapa, inclusive vereadores da capital, entre eles N. Lima, Rutênio Sá e Samir Bestene. No caso de Samir, a família ainda não decidiu se José Bestene vai para federal, ou se o próprio Samir.

Vai cumprir a promessa

Tião Bocalom prometeu ao governador Gladson Cameli que não deixará o Progressistas, mesmo não o apoiando em 2022. Deu a primeira prova de que vai cumprir. Acaba de ser eleito vice-presidente estadual da sigla. A senadora Mailza Gomes é a presidente.

Reeleição

Tem um frenesi nos bastidores com os primeiros sinais de início das grandes obras do governo Gladson. Tem quem esteja, inclusive, repensando se disputa a eleição contra o governador.

Pesquisa duvidosa

Com raríssimas exceções, nem os petistas acreditam nessas pesquisas que dão como certa a eleição de Lula. Não há manifestação nas redes sociais nesse sentido.

Volta dos Cadaxo

Esses dias quem andou reaparecendo foi a ex-vereadora por Rio Branco, Ariane Cadaxo, de tradicional família política. Pode até pintar nas eleições do ano que vem.

Convite

José Augusto Pinheiro, presidente da Assermurb, o sindicato dos servidores da prefeitura de Rio Branco, está sendo convidado para disputar as eleições ano que vem. Disse que vai pensar muito primeiro. Foi bem votado em 2018, mas sofreu o que maioria dos candidatos que não tem dinheiro, a bola nas costas do partido.

Tanta espera pra nada

O vereador Francisco Piaba, do DEM, lutou quase 15 anos para conseguir um mandato. Em 2020 conseguiu, mas até agora não se manifestou. Pode ser que seja essas sessões virtuais que estejam “matando” ele e outros também sumidos.

Adversária a altura

Se não puxar a ex-secretária de Educação do Quinari, Adriana Rogéria, para seu lado, a prefeita Rosana Gomes (Progressistas) poderá ter uma adversária quase imbatível em 2024. A casa da Adriana, que também lidera a associação dos autistas no município, virou um ponto de romaria política.

Bem discreta

A rigor, a gestão da prefeita Rosana Gomes até agora está discreta por demais. Ainda não imprimiu um ritmo, uma marca dela.

Sem rumo ainda

Não aproveitado nem pelo governo, nem pelo prefeito da capital, Tião Bocalom (Progressistas), o ex-vereador Sargento Vieira espera ver para onde vai seu principal conselheiro político, o empresário Adem Araújo, para segui-lo.

Continuar lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | Indústria se anima com volta dos empregos no Acre, mas Fieac ainda se preocupa com trabalhadores informais

Publicado

em

A notícia mais recente sobre a volta dos empregos no Brasil, segundo o Caged, reserva uma nota especial para o Acre, onde houve um dos maiores crescimentos de novas ocupações. Os empresários José Adriano e Marcelo Moura, que lideram Fieac e Fecomércio, respectivamente, não são um poço de empolgação, mas admitem que a notícia é alvissareira.

Informais

Segundo o presidente da Fieac, José Adriano, “esses dados do Caged refletem um crescimento do emprego formal no Acre desde o início do ano, e isso é sempre uma informação positiva e animadora porque mostra que a economia vem reagindo, porém o que nos preocupa é a velocidade dessa recuperação em relação aos empregos informais, autônomos e empregos domésticos. Essa parcela da sociedade continua amargando um índice de desemprego muito alto, o maior da região norte, em torno de 16%”.

Candidatos da igreja

Muito bem votado na eleição de 2020, o obreiro da Assembleia de Deus ministério Rio Branco, Alex Souza, ligou para informar o seguinte: ele não disputará as eleições em 2022, quando a igreja terá pelo menos dois candidatos a estadual. “Vou apoiar o deputado Cadmiel Bomfim (PSDB)”, afirmou.

No altar não

A despeito da política dentro das igrejas, maioria das lideranças evangélicas está evitando expor políticos em seus altares. O passado recente, com muitas decepções, recomenda cautela.

Voto impresso

Pouca gente prestou atenção em uma fala do ministro Luiz Roberto Barroso no Acre, por meio da qual ele admite, talvez inadvertidamente, que os votos eletrônicos podem não bater com os impressos. O vice-governador Major Rocha viu e está usando a fala para chamar a atenção das pessoas em favor do voto auditável.

Retrocesso?

Essa questão do voto impresso, contra o qual a esquerda tem horror, está escancarando certo mau-caratismo. Já pensou uma deputada federal dizer que o voto impresso é retrocesso. O eleitor apaixonado tudo bem, mas eleito pelo voto ser contra é bem esquisito.

Cercado

O empresário Everton Soares, liderança política emergente do Alto Acre, está cercado pelo Progressistas. Ele já vinha conversando com o representante do governo na região, o ex-vereador Joelson Pontes, mas hoje ele recebeu a visita do deputado estadual José Bestene. Ficou a meio passo de assinar a filiação.

Maurício do Chalé

O empresário Maurício do Chalé, suplente de deputado estadual no PDT, já se prepara para as eleições de 2022. Por duas vezes bateu na trave. Ano que vem é para arrebentar o cadeado, segundo ele. Terá três vereadores que ajudou a eleger em 2020.

Boas Novas

Hoje estive no programa Novidade de Vida, na rádio e TV Boas Novas, apresentado pela Gabriela Câmara. Em pouco tempo ela apresenta um dos maiores complexos de comunicação do Acre, dentro da nova proposta de imprensa. Foi uma honra.

Continuar lendo

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | “O Jorge Viana sabe que mente”, diz senador ao comentar novo comportamento do petista que tenta votar ao poder

Publicado

em

A nova roupagem com a qual o ex-senador Jorge Viana, do PT, tem se apresentado ao povo, para tentar voltar ao poder, agora com fala mansa, e insistindo na ideia de que os acreanos estão infelizes, foi questionada pelo senador Márcio Bittar (MDB) nesta quarta-feira, 28. Bittar enxerga nesse “personagem” pré-moldado um novo meio para “enganar” os acreanos, como da primeira vez.

À coluna, Márcio Bittar disse o seguinte sobre o petista: “O Jorge Viana teima em fingir que não conhece a realidade. Ele sabe muito bem que mente. Ele é inteligente o suficiente para saber que o que foi feito no Acre ao longo de mais de 20 anos, porque, como eu venho dizendo várias vezes, antes mesmo deles assumirem o primeiro mandato, a política ambiental, o exagero da legislação ambiental, patrocinada, incentivada, defendida por eles, já era o que reinava no Acre e na Amazônia e depois vieram 20 anos de poder quase que absoluto. Então, ele é inteligente o suficiente para saber que o Acre de hoje é o Acre que eles nos deixaram e o Gladson, com apoio irrestrito do presidente Bolsonaro, tem uma longa caminhada pela frente, com meu apoio, para destravar ou para reconstruir as pontes da prosperidade que eles dinamitaram. Essa que é a verdade.

Eles nos entregaram depois de tanto tempo, de sugarem tanto o Acre, do Acre dar tanto para eles, eles nos entregaram o Estado mais pobre, muito mais violento e desesperançado. O povo acreano, povo nordestino, valente, corajoso, que veio para essas terras enfrentando tudo que é tipo de bicho, malária, beira de rios, seringal, mulheres que pariram filhos na mata, enfim, uma história de bravura, de povo valente que já veio do Nordeste enfrentando a seca, quem dobrou de certa forma a espinha deles foi o PT, porque era um povo que queria trabalhar, não queria viver de favor de Governo, dependendo do Estado. O povo acreano, hoje, que depende quase que exclusivamente do Governo, o que é obra deles. Isso é uma vergonha. Eu já disse isso não sei quantas vezes em quantos comícios, em quantos debates. Um bom governo é aquele que ao final de quatro anos pudesse dizer que pegou o estado com 100 mil famílias dependendo de ajuda do Bolsa Família e entregou só com 10 mil, que diminuiu a quantidade de pessoas dependentes. O retrato do Acre hoje é o que eles pintaram”.

Flaviano: “Estou feliz”

O deputado federal Flaviano Melo (MDB) também questiona a nova “pele” que Jorge Viana vem usando para tentar uma reaproximação com os eleitores, sempre alegando que o povo está infeliz e que o Acre precisa voltar a sorrir. Sarcástico, Flaviano diz não estar enxergando essa infelicidade que Viana apregoa. “Eu, por exemplo, estou feliz”, afirma.

Jenilson federal

Notícia quentinha, vinda do PSB, assegura que o deputado estadual Jenilson Leite está aproveitando a onda que está levando seu nome às praias, enquanto ele se declara candidato a governador. No final, principalmente se passar o voto distritão, ele vai fazer o que a nacional está pedindo: disputar uma vaga na Câmara Federal.

Outros preocupados

No PSB, não apenas o deputado Jenilson Lopes tem se preocupado com as eleições em 2022, sob nova regra, sem coligações. Manoel Moraes, que vem de três vitórias seguidas, só disputaria se passar o voto distritão.

Regra dura

Sem coligação, apenas alguns partidos terão chance de eleger deputados em 2022. Entre estes acredito que Progressistas, MDB, PDT e PT. O restante vai ter que lutar muito.

Blefe

Quando um grupo anuncia que terá uma candidatura a qualquer custo, isso é blefe brabo. Candidatura majoritária, principalmente, não funciona assim.

Nem confiança

O governador Gladson Cameli ignorou totalmente as insinuações feitas pelo senador Sérgio Petecão (PSD) segundo as quais alguém teria oferecido dinheiro para ele desistir.

Sem lógica

Não faz sentido um candidato favorito, no topo em todas as pesquisas, oferecer grana para adversário desistir da disputa.

Candidata da igreja

Na Assembleia de Deus Rio Branco, presidida pelo pastor Luiz Gonzaga, está praticamente batido o martelo que a ex-secretária de Saúde da prefeitura da capital nas gestões de Marcus Alexandre (PT) e Socorro Neri (PSB), Jesuíta Arruda, será a candidata da denominação a deputada federal. Faltaram alguns poucos ajustes.

Três estaduais

Informações dão conta de que, para deputado estadual, a Assembleia de Deus não baterá martelo. Pelo menos três nomes se levantarão naquele ministério, os do atual deputado Cadmiel Bomfim (PSDB), do ex-vereador Ismael Muniz, e do pastor Alex Souza, bem votado para vereador, em 2020.

Destaques?

Em decorrência das sessões virtuais não dá para avaliar performance de ninguém da nova safra de vereadores em Rio Branco, mas dá para se ter ideia. Da atual legislatura devem se destacar Michelle Melo (PDT), Samir Bestene (Progressistas), Fábio Araújo (PDT), Adailton Cruz (PSB) e Rutênio Sá (Progressistas). Pelo menos nas redes sociais são os mais vistos.

Cobrar para disputar

Sem a possibilidade de coligações e os partidos tendo obrigação de formar chapas competitivas, tem muita gente se preparando para cobrar por candidatura. Para ajudar eleger os cabeças, endinheirados, alguns só vão na grana antecipada. Certa razão.

Diária não é crime

Difícil o prefeito de Epitaciolândia, Sérgio Lopes (PSDB), entrar em carrumbamba. Pense em um sujeito sério, durão. Diária por diária todo gestor belisca. Está amparado na lei.

Bocalom no Guinness

O prefeito Tião Bocalom (Progressistas) terminará sua gestão para ser, ato contínuo, registrado no Guinness Book. Será o primeiro executivo do mundo a governar sem nenhum acordo com o legislativo.

Aposentadoria

Quem está arrumando as malas para encerrar a carreira no Judiciário é o desembargador Pedro Ranzi. Aliás, belíssima carreira. Sem uma mácula. São três décadas e meia de dedicação à magistratura.

Continuar lendo

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | Voto ‘distritão’ deve passar em Brasília e eleição 2022 será dos mais votados; deputados do Acre contra e a favor

Publicado

em

A possibilidade de o voto “distritão” ser aprovado em Brasília antes de outubro, portanto para virar regra das eleições em 2022, é grande. Na Câmara Federal é certo que passará. A bancada federal do Acre está dividida. Ao menos entre os ouvidos pela coluna, a regra tem seus defensores e detratores.

O que é voto “distritão”?

Voto distritão é uma regra eleitoral que assegura vitória aos mais votados. É uma espécie de salvação para quem não tem partido, e vive o sério risco de disputar sem chances em 2022.

Flaviano é contra

Da bancada do Acre, Flaviano Melo (MDB) diz que é contra o voto “distritão”. Segundo ele, essa regra põe fim aos partidos. “Quem quer esse voto é quem não consegue montar chapa de candidatos. Esses partidos do eu sozinho. Que se elegiam em coligações. Eu não acredito em política sem partidos”, diz.

Alan Rick rebate

“Eu espero que passe. Na Câmara vai passar. O distritão é simplesmente o respeito ao voto do eleitor. Quem tiver mais votos ganha a eleição. Com o fim das coligações partidárias esse é o único caminho pra montagem das nominatas”, afirma o líder do DEM no Acre.

Não contar com esse apoio

O Artur Neto, ex-chefe da Casa Civil de Tião Bocalom, agora de volta ao Governo Gladson, havia dito à coluna que seu irmão, Henrique Afonso, vice-prefeito de Cruzeiro do Sul, não apoiaria o atual governador em sua reeleição. Henrique é do PSD, do senador Sérgio Petecão e deve apoia-lo. “Ele sempre foi muito leal”, diz Artur.

Iapen é exemplo

Bom administrador e um policial exemplar, Arlenilson Cunha mudou o Iapen no Acre. Ao invés de ser um setor de desgaste para o Governo, o Iapen é exemplo do quanto as coisas têm dado certo.

Suplência do Senado

A corrida pelo Senado, em 2022, ainda não tem um favorito, de fato. As pesquisas atuais dão uma dica, apenasmente. Mesmo assim nos bastidores já existe disputa pelas suplências. O nome do médico Carlos Beirute, por enes razões, é um dos mais badalados.

Candidato a suplente

Uma vez que está decidido na casa dos Beirute que ninguém lá será candidato, nem Rodrigo, filho, tampouco dona Ana, esposa, ele não nega que estará nas eleições de 2022, apenas como suplente de senador. 

Intimidade com o público

As imagens do governador Gladson Cameli em Plácido de Castro, no domingo, 25, são as inequívocas expressões do quanto ele goza de popularidade. Não bastasse os adultos, as crianças são apaixonadas pelo Cameli.

Aproximação

Um grupo de artistas reclamava esses dias à coluna que não conseguiram ainda se aproximar do governador Gladson Cameli. O sonho deles é tomar um café com o homem.

Conselho e caldo…

Depois de dispensar um conselho um dia desses de um “aliado”, Tião Bocalom justifica que não é cem por cento o correto, o inerrante, mas não gosta de ouvir bobagens travestidas de conselho.

Trabalho silencioso

Moisés Diniz continua trabalhando nos bastidores a formação de chapas no Solidariedade. Como na maioria dos partidos menores, lá também não aceitará ninguém com mandato.

Os adversários

Quando se pergunta dentro da prefeitura de Rio Branco quem são os adversários da secretaria de Saúde do município, o dedo aponta fino e rápido para o rumo da Câmara Municipal e na direção dos gabinetes dos vereadores Michelle Melo (PDT) e Adailton Cruz (PSB).

Nanicos e seus senadores

Os partidos considerados nanicos não vão abrir mão de seus candidatos a senador. O PSOL está trabalhando nas redes sociais o nome do advogado Sanderson Moura e o Cidadania está tratando a pão de ló seu pré-candidato, o bacharel em Direito Leandro Costa. Ambos não se importam com resultado de pesquisas.

Empáfia

Tem uns ex-integrantes da Frente Popular, derrotada em 2018, que ainda arrotam pelas redes sociais com uma empáfia medonha. Não seguem sequer o líder deles, Jorge Viana, que resolveu mudar o estilo de andar e até o tom de sua fala.

Povo com depressão

Jorge Viana, a rigor, descobriu que os acreanos estão em uma depressão sem precedentes. Nas postagens dele não fala em outra coisa, senão em levantar o astral do povo, voltar a ser feliz…

Novos tempos

Políticos remanescentes dos anos 1990 ainda não absorveram os novos tempos, onde reina a informação. Hoje em dia todo mundo é jornalista, colunista e apresentador de TV. Ninguém mais cai em contos, como nos anos 1990.

Sumidão

Alguém dá notícia do deputado estadual Luiz Tchê (PDT)? Ele sumiu do noticiário como nenhum outro político do Acre.

Continuar lendo

Trending

www.acrenews.com.br é uma publicação da Acrenews Comunicação

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Endereço: Área rural, 204, Setor Barro Vermelho - CEP 69.923-899

Os artigos assinados não expressam a opinião deste site.

contato@acrenews.com.br

Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia