Connect with us

ACRE

“Seu” Chagas Madeiro tem 80 anos e, esbanjando saúde, continua sendo o mais requisitado para construir embarcações, o que faz há 63 anos

Publicado

em

Evandro Cordeiro

Os barcos são uma invenção do homem há milhares de anos, mas seu aperfeiçoamento só ocorreria cerca de 15 séculos antes de Cristo, por meio dos fenícios, pioneiros dos transportes fluviais, mesmo sob controversas. A sua exploração apressou o processo de civilização da humanidade. Aqui no Acre, sua utilização tem importância histórica, para não fugir à regra. A partir do primeiro ciclo da borracha, por exemplo, por volta de 1880, a economia dependia das nossas bacias hidrográficas. Assim, construir os bateis para levar e trazer o progresso era uma necessidade. E tivemos grandes artífices, construtores desse modelo de transporte. O Acrenews encontrou um remanescente, talvez um dos mais antigos, pelo menos em atividade. É um sujeito por nome de Francisco das Chagas Madeiro de Souza. Aos 80 anos, ele ainda é considerado o melhor fabricante de barcos do Norte do Brasil, requisitado em toda a região. Gabado por “Deus” e o mundo.

A história desse homem, que vem colaborando com o progresso do Acre por mais de seis décadas, “seu” Chagas, como é abordado carinhosamente no bairro onde mora atualmente, o Mocinha Magalhães, em Rio Branco, com a construção de barcos, certamente é a mais longa, daria uma ode. Senão vejamos: ele começou nessa atividade aos 17 anos, depois de perder um irmão assassinado, com o qual dividia uma colocação de seringa no seringal Atenas, alto rio Tarauacá, onde nasceu. Desiludido, decidiu fabricar um barco para mudar de ramo, deixando a seringa para trás. “Botei na cabeça que ia ser dono de embarcação”, vai contando. Como não tinha dinheiro para pagar um artífice, nem experiência nenhuma com a construção, teve a ideia de pedir ajuda a quem sabia, um vizinho considerado um ás no ramo, cujo nome era Nonato Neri, que vem a ser o pai da ex-prefeita de Rio Branco, Socorro Neri, atual secretária de Educação do Estado. “O Nonato prometeu me ajudar a fabricar meu primeiro barco, mas não apareceu no dia combinado. Só chegou lá em casa três dias depois, quando eu tava com a embarcação pronta. Ele perguntou quem tinha feito. Eu disse: eu. Ele não acreditou. Mas tinha sido eu mesmo. Ele ficou admirado. E daí por diante não parei mais. Era muita encomenda, uma atrás da outra”, conta seu Chagas.

Filho de uma família de 13 irmãos, o artífice do rio Tarauacá ganhou uma profissão meio sem querer e não largou nunca mais. Bem dizer, criou a família fazendo isso. Mesmo aos 80 anos, já aposentado, Chagas esbanja saúde e, naturalmente, disposição para ainda continuar fazendo o que gosta, construir esses troços que deslizam sobre as águas. E melhor: ganhando dinheiro. Sem tanto esforço, em três dias ele constrói uma canoa de cinco metros a qual não entrega por menos de R$ 1,5 mil. Houve um tempo, diz ele, em que uma embarcação como essa ele fazia em um dia de serviços. “Uma vez o Chico Sombra (ex-deputado) chegou lá em casa e perguntou se eu tinha como fazer uma canoa para ele em dois dias. Eu disse a ele: venha hoje à tarde. Quando ele chegou eu tinha terminado. Já tava até pintada. Ele não acreditou. Me disse: rapaz, tu ainda é o Chagas de Tarauacá mesmo”, conta com muito bom humor.

Chagas Madeiro conta que da colocação Parasim, no seringal Atenas, em Tarauacá, onde nasceu, até o bairro Mocinha Magalhães, em Rio Branco, sua residência atual, tem história que não tem livro que conte. Com sua compleição física de dar inveja em lutadores de MMA, sem nenhum cabelo branco na cabeça e uma disposição cavalar, seu Chagas é pai de 22 filhos, distribuídos em dois casamentos, dos quais apenas 14 são vivos. Patriarca de uma turma bem educada, alguns bem sucedidos, seu Chagas fez história e ainda parece disposto a continuar fazendo. Aliás, história e muitos barcos. Disposição não falta. O homem é tão duro que acaba de vencer a Covid-19 sem muito esforço. Teve a doença praticamente sem sintomas e, obviamente, sem nenhuma sequela. Está no lucro, no saldo, costuma dizer enquanto brinca com os amigos, se referindo a saúde e a vida longa. Por fim, abarca, católico fervoroso como poucos: “Vou longe ainda se Deus permitir”. Pelo visto Deus quer.

AS BARCAÇAS CONSTRUÍDAS PELO SEU CHAGAS

As seis décadas e meia construindo barcos deu a seu Chagas uma experiência medonha, o clássico know-how. Primeiro ele construiu embarcação de todo tamanho, tudo sempre com acabamento gabado pela freguesia. Segundo, sabe escolher a madeira certa para o barco certo. As canoas de pequeno porte são feitas de cedro, açacu e guariuba, diferentemente das maiores, cuja prioridade é usar madeira mais maneira, como a itaúba, o bálsamo, a massaranduba, o pequi e o gramixó.

Para erguer suas obras de arte ainda hoje o “mestre” Chagas se utiliza da forma mais artesanal possível. Ainda usa, por exemplo, a velha suta, uma espécie de esquadro capaz de assegurar as curvas em graus absolutamente iguais de um lado e outro do barco, o que é fundamental para a navegação segura. Outra ferramenta da qual não abre mão é a plaina manual, um objeto pesado feito de muito ferro com lâminas afiadas sob sua “barriga”. A tecnologia não é prioridade no estaleiro dele. “Uso pouco instrumento elétrico. Minhas ferramentas são praticamente o que eu usava há 50 anos”, conta com muita vantagem e com toda a razão, uma vez que não falta encomenda. Mal termina um trabalho e já tem outro na agulha. “Não falta freguês”, conta, entre uma piada e outra, sua principal diversão.

O estaleiro do seu Chagas é ao lado de sua casa, na rua Melancia, uma das principais do bairro. O lugar é pouco atrativo, simples, mas bem melhor que os estaleiros dos seringais. “Eu cheguei a fazer barragem em Igarapés para poder contribuir batelões e depois ‘despejar o bicho n’água’”. As condições eram mais difíceis que as atuais. Os detalhes do endereço dele não são muito importantes, segundo ele mesmo, por uma razão relembrar: nosso artífice é famosíssimo na região. Em qualquer lugar do bairro que se pergunta pelo “seu Chagas”, o construtor de canoas, dificilmente alguém não vai saber quem é.

Continuar lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ACRE

Família fará homenagem hoje à primeira grávida vítima da Covid na região Norte há um ano, uma acreana

Publicado

em

Por

A família e amigos da primeira grávida vítima da Covid-19, há um ano, a acreana Patydan Épafras, se encontrarão às 17h desta quarta-feira, 23, no Lago do Amor, em Rio Branco para homenageá-la. Além da Patydan, seu bebê, José Aquilan, também perdeu a vida. Ela era esposa do vereador da capital e médico Raimundo Castro (PSDB) e filha da jornalista Rachel Richard.

“Já não temos o teu sorriso mas temos a tua história, legado que segue”, disse a mãe da Patydan, Rachel, ao AcreNews. Ela lembra que foram exatamente 23 dias que Patydan e o filho lutaram contra o Covid-19. “A luta foi grande, mas eles não sobreviveram. Resultado: estou há um ano sem ela. Vacinem-se, usem máscara e evitem aglomerações, por favor. Muita saudade dela”, lamentou a mãe.

Continuar lendo

ACRE

Forças de Segurança receberão auxílio temporário de saúde até dezembro

Publicado

em

Por

Agência AC

O governador do Acre, Gladson Cameli, anunciou nesta terça-feira, 22, a continuidade do pagamento do auxílio emergencial temporário de saúde (ATS) aos profissionais da Segurança que estão trabalhando na linha de frente e em contato direto com a população durante este período de pandemia.

O valor individual, de R$ 325, será pago por mais seis meses e beneficiará diretamente um total de 5.639 servidores efetivos e temporários atuantes nas instituições Polícia Militar (PMAC), Polícia Civil (PCAC), Corpo de Bombeiros Militar (CBMAC), Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) e Instituto Socioeducativo (ISE). O investimento com o pagamento do auxílio de julho a dezembro será de aproximadamente R$ 12,8 milhões.

O auxílio foi instituído pela lei nº 3.631 e prorrogado por meio do decreto nº 7.363. A iniciativa foi do governo do Estado, como forma de reconhecimento e de amenizar os gastos excepcionais e emergenciais decorrentes da exposição desses profissionais no cumprimento das suas funções.

“Tenho acompanhado o esforço dos nossos policiais e dos demais profissionais da Segurança Pública durante esta pandemia e nada mais justo que reconhecê-los por sua bravura e importante missão de proteger a sociedade. Eles sabem da minha admiração e do esforço que temos feito para ajudar a categoria, e esta é mais uma prova do nosso compromisso em valorização do servidor”, destaca o governador.

Continuar lendo

ACRE

Primeira dama e chefe do Imac doam madeira para cozinheira que perdeu tudo em incêndio no Habitar Brasil

Publicado

em

Por

A cozinheira Cheila Maria da Silva Gonçalves, de 46 anos, dois filhos, perdeu a casa na rua São Marcos, bairro Habitar Brasil, nas proximidades do Atacadão, durante incêndio há 25 dias. Sobrevivendo de entrega delivery de comida, o caso dela foi parar nas redes sociais, causando um clamor social. Na tarde desta terça-feira, 22, a primeira dama do Acre, Ana Paula Cameli, acompanhada do presidente do Imac, André Hassem, entregou a madeira para reconstruir a casa.

A madeira doada para a reconstrução da casa da cozinheira Cheila é proveniente de apreensões. “Ao invés de apodrecer, o governador pediu para a gente doar. Tudo de forma legal”, diz o presidente André Hassem. Em governos anteriores essas madeiras apreendidas apodreciam.

A primeira dama Ana Paula desejou a dona Cheila um feliz recomeço e disse que à doação não é nenhuma ação extraordinária. Segundo ela, as pessoas e o Estado precisam dar às mãos, principalmente diante de uma tragédia como viveu a dona Cheila. A cozinheira se emocionou e agradeceu a primeira dama e ao Imac. “Vou retomar minha vida graças a Deus e a atitude de vocês”, falou, emocionada.

Continuar lendo

Trending

www.acrenews.com.br é uma publicação da Acrenews Comunicação

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Endereço: Área rural, 204, Setor Barro Vermelho - CEP 69.923-899

Os artigos assinados não expressam a opinião deste site.

contato@acrenews.com.br

Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia