Connect with us

POLÍCIA

Advogado que atropelou três na Avenida Getúlio Vargas é reincidente

Publicado

em

O advogado Antônio Djan Damasceno Melo, de 45 anos, preso após atropelar três motociclistas na Avenida Getúlio Vargas, já tinha passagem na polícia por crimes de trânsito.

De acordo com informações levantadas por nossa reportagem, na madrugada do dia 2 de março de 2020, Antônio Djan, que conduzia um veículo automotor, avançou a preferencial e atropelou um casal que trafegava em uma motocicleta.

Consta no relatório ainda que, após o acidente, o advogado fugiu sem prestar socorro, mas foi preso logo depois pela Polícia Militar quando chegava em casa. No boletim de ocorrência os militares relataram que Antônio Djan apresentava sinais sonolência, odor de álcool no hálito e agressividade ao falar.

Na época, o advogado foi indiciado na Delegacia de Flagrantes da Polícia Civil. No dia seguinte ganhou a liberdade durante audiência de custódia, mas foi estabelecida uma série de medidas cautelares, entre elas, o recolhimento noturno das 19 horas às 6 da manhã do dia seguinte, além de não ser envolver em crimes.

Em relação a este processo, em 5 de outubro de 2020, a Juíza Maria Rosinete dos Reis, aceitou a denúncia do Ministério Público do Acre contra o advogado, mas o processo ainda não foi finalizado.

Na tarde de sexta-feira, 7, o advogado Antônio Djan voltou a ser envolver em um acidente de trânsito. Depois de conduzir um carro pela contramão na Avenida Getúlio Vargas, ele atropelou três motociclistas, sendo que dois ficaram em estado grave. O veículo só parou após bater na estrutura metálica de locadora de veículos. O advogado, que apresentava sinais que teria ingerido bebida alcóolica, foi preso e conduzido à DEFLA. As vítimas foram encaminhadas ao Pronto Socorro.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

POLÍCIA

Caso Jonhliane: julgamento de Ícaro Pinto e Alan Araújo é suspenso após 11 horas de sessão e retorna nesta quarta-feira

Publicado

em

Por

O juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar, Alesson Braz, encerrou na noite desta terça-feira, 17, o primeiro dia de julgamento do processo que apura a morte de Jonhliane Paiva. Durante as quase 11 horas de sessão foram ouvidas todas as testemunhas de acusação e defesa. Um dos depoimentos mais marcantes foi o da mãe da jovem Jonhliane Paiva.

Jonhliane, vítima, e Raimunda Paiva

A dona de casa Raimunda Paiva, de 54 anos, disse que até hoje sofre por conta da morte da filha. Dona Raimunda acredita que Ícaro e Alan participavam de um racha. “Como explicar a velocidade numa rua onde só pode correr 40 quilômetros?”, indagou a genitora da vítima. A testemunha relatou ainda que não recebeu nenhum apoio ou assistência da família dos acusados.

A sessão será retomada nesta quarta-feira, 18. No segundo dia serão realizados os interrogatórios dos réus e, na sequência, começam os debates entre acusação e defesa.

Continue lendo

POLÍCIA

Jurados serão levados para hotel e ficarão incomunicáveis

Publicado

em

Por

Os sete jurados escolhidos para analisar o processo que apura a responsabilidade de Ícaro Pinto e Alan Araújo, na morte de Jonhliane Paiva, serão levados para um hotel em Rio Branco e ficarão incomunicáveis sob escolta policial. A confirmação foi feita pela assessora do Juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditória Militar, Alesson Braz. Segundo informações apuradas por nossa reportagem, os sete membros do corpo de jurados serão levados por uma van ao hotel.

Cada um dos jurados poderá fazer uma ligação para a família e depois terão os aparelhos telefones celulares recolhidos por um oficial de Justiça. Na manhã quarta-feira, 18, após o café, os sete serão levados de volta à 2ª Vara do Tribunal do Júri.

Continue lendo

POLÍCIA

Homem que matou adolescente por integrar facção rival é condenado a 23 anos de prisão

Publicado

em

Por

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio da 16ª Promotoria de Justiça Criminal junto à 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco e Auditoria Militar, obteve a condenação do réu Uerli de Oliveira Mota pela morte do adolescente Eliomar da Silva Barbosa, ocorrida em janeiro de 2017, às margens da Estrada Transacreana. Atuou no júri o promotor de Justiça Teotônio Rodrigues Soares.

Conforme a denúncia do MPAC, o adolescente estava em sua residência quando o réu chegou. No local, Uerli indagou se ali funcionava uma boca de fumo, dizendo ser integrante de uma organização criminosa, ao que a vítima respondeu que “colava” com a referida facção e que “aqui estamos em casa”. O réu então pediu um copo d’água a Eliomar, com o objetivo de afastar a possibilidade de resistência da vítima, que acreditou se tratar de um colega de ação delitiva.

Ainda do lado de fora da residência, ao devolver o copo, Uerli sacou um revólver e atirou na vítima, que ainda tentou correr, mas foi alvejada na nuca. O réu ingressou na casa e efetuou mais um disparo, agora com a vítima ao chão. De posse de uma faca, ainda riscou o tórax da vítima com as iniciais da organização criminosa à qual era filiado e, em seguida, fugiu do local em uma moto.

Preso, o réu confessou a autoria do crime e alegou que o motivo seria a guerra entre facções. O Júri acolheu a tese do MPAC e Uerli foi condenado a uma pena de 23 anos e 8 meses de reclusão, em regime inicial fechado, por homicídio duplamente qualificado e por integrar organização criminosa.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Soluções Tecnológicas