Connect with us

CULTURA

“Depois de Dora” é atração no Acre com o Grupo Candeeiro, cujo protagonista é acreano

Contemplado pelo edital nº 001/2020 da Lei Aldir Blanc (LAB) no Acre, a Associação Teatro Candeeiro apresenta a peça Depois de Dora.

Publicado

em

Na peça, Dora é interpretada por Jaqueline Chagas – Foto: Mag Araújo/Reprodução

De volta aos palcos para sua segunda temporada de 2021, o espetáculo tem sua estreia marcada para o dia 9 de julho às 19h30, no teatro da Usina de Arte João Donato, em Rio Branco.

A Associação Teatro Candeeiro foi criada na capital do estado no ano de 2016, fruto do professor da Universidade Federal do Acre (Ufac), Micael Cortês, e do artista e escritor Nolram Rocha. Este último é formado em Gestão de Pessoas pela Universidade do Paraná e seguiu seus estudos na Licenciatura em Teatro pela Ufac e em Direção Teatral na SP Escola de Teatro.

Escrita e dirigida por Nolram, a peça conta a história de um grupo de jovens universitários na jornada que rodeia a morte de uma mulher chamada Dora. Algumas escolhas “podem resultar em erros irreversíveis dos quais nenhum de nós é isento”, anuncia a sinopse da peça. O modo como ocorreu a morte de Dora é uma das grandes surpresas do espetáculo.

Nolram conta um pouco mais da peça. “Um acontecimento, fora do planejamento de Dora, a submeteu a uma rotina diferente da que estava acostumada e isso a abalou completamente. A partir daí, houve um encadeamento de decisões não acertadas que levaram jovens universitários a refletirem ludicamente sobre a sua história”, revela.

“Dora não é mocinha e nem vilã, ou é os dois, mas o que sabemos é que ela carrega em sua biografia a complexidade que temos em existir. O espetáculo em si nos faz emergir, com certa apreensão e muito humor, na nossa própria condição de seres finitos”, descreve o diretor.

Outras peças do grupo Candeeiro que foram trabalhadas por Nolram incluem “O Baile”, adaptação do filme homônimo de Ettore Scola; “O mambembe”, de Arthur de Azevedo, e “Uma lição longe demais”, de Zeno Wilde.

Por meio da LAB, administrada pelo governo do Estado por meio da Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM), várias peças do Candeeiro foram contempladas e financiadas. “A Lei Aldir Blanc foi difundida no meio cultural de todo o país. Fundamental para a sobrevivência dos artistas, a articulação no Acre feita pela FEM e pela Fundação Garibaldi Brasil abriu as portas para muitos sonhos saírem do papel. Temos outros projetos, além de ‘Depois de Dora’, por esta lei emergencial. Aguardem ‘Afluentes Acreanas’, de Jaqueline Chagas e ‘Uma lição longe demais’, de Zeno Wilde”, conta Nolram.

“Depois de Dora” tem a classificação indicativa de 14 anos. O espetáculo segue com apresentações durante todos os sábados e domingos do mês de julho. A entrada é gratuita e o uso de máscaras é obrigatório; o limite de ocupação do espaço é de, no máximo, 60 pessoas.

Ficha Técnica

Escrito e dirigido por: Nolram Rocha

Elenco

Isadora | Jaqueline Chagas

Enrico | Jhony Carvalho

Caetano | Hysnaip Moura

Lúcia | Lonara Teixeira

Marília | Netty França

Narciso | Bel Gabs

Genetriz | Beatriz Araújo

Contrarregragem atuante

Beatriz | Beatriz Araújo

Bianca | Bianca Cabanelas

Elias | Elias Silva

Henrique | Henrique Queiroz

Jonathan | Jonathan Torres

Rick | Rick Santos

Wesley Silva | Wesley Silva

Arte Gráfica | Pedro Daher

Assistência de direção e produção | Elias Silva

Cantores solistas | Bel Gabs, Eyshila Cristine e Beatriz Araújo

Fotografia | Mag Araújo e Bianca Cabanelas

Iluminação | Jaqueline Chagas

Assistente de operação de luz | Enrique Queiroz

Direção musical e Sonoplastia | Gustavo Leles, João Gabriel Fonseca e Nolram Rocha

Operação de som | Enrique Queiroz

Piano | Eduardo Bibiano

Violão e Percussão | Eyshila Cristine

Tecido acrobático | Hysnaip Moura

Canção original | “Fiel soldado” – Compositor: Nolram Rocha

Arranjo: banda Laika e João Gabriel Fonseca

Patrocínio | Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM) por meio da Lei Aldir Blanc

Apoio | Funerária São João Batista, Morada da Paz e Recanto Food & Beer

Realização | Associação Teatro Candeeiro

Produção | Nolram Rocha

Com informações 3 de Julho Notícias.

Continuar lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CULTURA

Rio Branco ganha loja virtual de discos de vinil; tem do Roberto Carlos ao Vando

Publicado

em

Por

O farmacêutico bioquímico Thiago Lucena de Paula Afonso tinha tantos discos de vinil, sua grande paixão, que resolveu abrir uma loja para compartilhar com outros apaixonados e, claro, vender exemplares. Administrador de um laboratório da família, Thiago se apresenta como um fissurado por música. Sempre colecionou mídia física, diz ele. Mas até abrir a loja virtual, cujo endereço nas redes sociais vamos deixar no final da matéria, teve uma longa caminhada.

Há dez anos, Thiago Lucena ganhou um lote de discos de vinil de um tio. Empolgado com o presente, comprou um toca discos, imediatamente. Foi paixão à primeira vista aquele negócio. “Nunca mais parei. Brinco com meus amigos dizendo que adoro quando um álbum só se encontra em LP”, conta, bem-humorado. E se não encontrar a música em nenhum aplicativo de streaming, nem youtube, ele acha melhor ainda, porque só restará a velha bolacha preta, como nos diskjoqueis chamavam o vinil.

Parte da atual geração ainda comprou discos na Discardoso e algumas poucas outras lojas de discos que fizeram história em Rio Branco. Era uma época em que as plataformas digitais eram impensadas. Só existiam os toca discos. Isso estabelecia que o único meio de acessar a boa música era indo pessoalmente à discolândia. Algumas mais avançadas já dispunham, nos anos 1980, por exemplo, de fones de ouvido para o cliente testar seu disco discretamente. Aquilo era um luxo, chique demais. O tempo passou e o mundo aderiu à era virtual. Mas isso não significa dizer que não viu o disco antigo não verá mais. O Thiago pensou nisso. Para facilitar o acesso aos vinis, ele pensou em uma loja virtual, a qual vive quase sempre “lotada”. Uma das portas de entrada dessa loja é o Instagram Bosque Discos. Entre e fique à vontade. Tem para todos os gostos. Se por acaso não tiver na hora, ele faz por encomenda. O importante é o apaixonado sair satisfeito, segundo o Thiago.

Continuar lendo

CULTURA

Cartunista acreano se reinventa na pandemia e hoje vende desenhos para o Brasil e o mundo pela internet

Publicado

em

Por

O cartunista acreano Daniel Cabral, um dos melhores do Brasil na atualidade, conseguiu um feito nos últimos 12 meses, período mais cruel da pandemia do coronavírus: se reinventar. Depois de conhecer vários países por meio de suas obras de arte, Daniel teve que ficar em casa, enquanto a doença se alastrava pelo mundo. Foi aí que veio a brilhante ideia de negociar seus trabalhos pela internet. Hoje, além do Brasil, Cabral vende suas artes até para O Japão.

Daniel Cabral é um artista consolidado. Com seu traço inconfundível, garantiu seu espaço entre tantos artistas do Acre. Com muita ousadia, o garoto da periferia de Rio Branco ganhou o mundo. Antes da pandemia já tinha conhecido parte da América do Sul. Além de excelente cartunista, Cabral é também grafiteiro. É um artífice completo.

Para seu trabalho chegar em outras regiões do Brasil e até fora do Brasil, Daniel Cabral recorreu à internet. Ainda tentou enviar trabalhos pelo Sedex, mas o preço alto obrigou ele a buscar alternativa. Atualmente ele usa um programa por meio do qual o cliente recebe por scaner e manda imprimir. O Acrenews publica, com autorização, pessoas que viraram seus clientes no Japão, inclusive acreanos que moram lá, entre os quais a Samila e o Marcelo Ikeura.

Os trabalhos do nosso artista podem ser acessados por meio dos seguintes endereços:  Facebook, Instagram e telefone 99601 5628.

Continuar lendo

CULTURA

Sem eventos no Acre, peruanos vão ter programação especial para comemorar bicentenário da independência

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução

A República do Peru completa no próximo dia 28 de julho seus 200 anos de independência e por causa da pandemia do novo coronavírus, os ‘hermanos’ que vivem no Acre não vão realizar as tradicionais festas para comemorar a data. Por vários anos, os peruanos e descendentes que vivem em Rio Branco aguardavam com muita expectativa o feriado para relembrar a cultura ancestral dos Andes e reverenciar a sua pátria. No entanto, haverá uma programação online oferecida pelo Governo do Peru a todos os compatriotas espalhados pelo mundo.

Por causa da relação cultural e geográfica do Acre com o Peru, muitos peruanos escolheram viver no nosso estado onde enxergaram novas oportunidades de crescimento. De acordo com a Embaixada do Peru no Brasil, cerca de 300 peruanos possuem autorização oficial para morar no Acre, no entanto, o número é bem maior tendo em vista que muitos deles não realizaram os trâmites necessários para a regularização.

Em anos anteriores, a pequena comunidade peruana em Rio Branco realizou nesta data, eventos culturais em restaurantes ou em residências que servia para enaltecer os costumes e a gastronomia daquele país com destaques para pratos diversificados que fundem com as colonizações antigas peruana com a cozinha espanhola, africana, japonesa, chinesa e coreana, além de bebidas com ingredientes típicos dos altiplanos dos Andes.

“Era uma delícia participar dessas festas. Era o único momento para se lembrar do nosso país. Muitos não seguraram as lágrimas, a gente se sentia homenageado mesmo vivendo há quilômetros de distância. Infelizmente, a pandemia afastou e impossibilitou a organização desses eventos, pela segunda vez. Mesmo assim, não tem como não comemorar, mas no futuro bem próximo os brasileiros, os acreanos e os peruanos, todos juntos, faremos uma grande festança”, lembra e comenta Hector Padilha, comerciante e morador do bairro Cadeia Velha.

Para a data não passar em branco, a Embaixada do Peru no Brasil lançou uma programação online intitulada: “Unidos pelo Bicentenário – 200 anos de independência”. A partir das 15 horas (horário local) será transmitido simultaneamente a partir da “Praça Maior”, em Lima, apresentações folclóricas com coreografia de conteúdo cerimonial, visuais, musicais e linguísticas, que destaca valores, criatividade e diversidade dos povos do Peru.

“Infelizmente a gente não vai fazer programação presencial aqui no Acre por causa da pandemia, no entanto, os nossos compatriotas e cidadãos do mundo todo, inclusive os acreanos que são convidados, poderão assistir às apresentações culturais comuns em dias de festa lá do Peru. A programação foi pensada justamente para enaltecer a nossa cultura e dar um abraço nos nossos irmãos que estão espalhados pelo mundo, vivendo nesta pandemia. Ou seja, a gente convida todo mundo a conferir a programação, vai ser emocionante”, ressalta Ricardo Vargas, membro do Consulado em Rio Branco.

Para assistir a programação basta acessar o evento abaixo.

Em Rio Branco, o executivo acreano deve iluminar a fachada do Palácio Rio Branco, sede do governo, com as cores que predominam a bandeira do Peru: Vermelho e Branco. A singela homenagem foi realizada no ano passado, no período da pandemia, e deve ocorrer neste ano a pedido da embaixada.

Continuar lendo

Trending

www.acrenews.com.br é uma publicação da Acrenews Comunicação

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Endereço: Área rural, 204, Setor Barro Vermelho - CEP 69.923-899

Os artigos assinados não expressam a opinião deste site.

contato@acrenews.com.br

Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia