Connect with us

CULTURA

Exposição “Seringueira”, de Artes Visuais, acontece no Parque Capitão Ciríaco

Publicado

em

A Prefeitura de Rio Branco, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Esporte e Lazer Garibaldi Brasil (FGB), divulga a Exposição de Artes Visuais “Seringueira”. Nesta terça-feira, 20, a exposição foi inaugurada às 9h, no Parque Capitão Ciríaco e vai permanecer até 11 de maio.
Projeto aprovado através do Edital de Prêmios de Arte e Patrimônio Cultural 11/2020.

A exposição “Seringueira” mostra as digitais e a voz da força de trabalho feminino, suas dores, perigos e seu canto silencioso nos seringais amazônicos. Parte de uma pesquisa que busca compreender essa história de fato como foi vivida, considerando a participação da mulher nesse cenário tido como majoritariamente masculino.

“Em cores marcadas pelo respeito a minha história, entrego as páginas arrancadas de uma memória de luta que catei pelas estradas de seringa do cotidiano e varadouros da minha infância, enquanto brincava com as criativas sementes da árvore-mulher e ouvia os contos de minhas avós (falecidas Ozira Florêncio da Costa e Helena Ferreira Araújo), que tiveram sua dura lida experienciada nos seringais do Acre”, enfatizou a proponente do projeto, Roberta Marisa.

Sobre a Exposição

A instalação artística busca enaltecer e fazer com que o canto silencioso das seringueiras ecoe além das florestas, sendo delineada por uma narrativa que coloca a mulher à margem dos fatos e oculta o seu protagonismo nos árduos ofícios dos seringais na produção da borracha, quebra de castanha, plantio e cultivo para o sustento (agricultura de subsistência), além das diversas responsabilidades domésticas da família.
Nua, intensa, selvagem de folhas delicadas. Seringueira é a mulher piedosa que desempenha várias funções de sol à chuva, sem valorização, ocupando um espaço que apenas figura uma história protagonizada por “bravos” homens. As obras ilustram essa jornada da mulher com a sua natureza intimamente ligada à árvore dadivosa de seios fartos que jorra leite, alimentando os filhos desesperados que a ferem com incontáveis marcas. Que seu povo tenha ouvidos para escutar com o coração o choro de ouro calado das seringueiras que viveram para atender aos desejos ambiciosos de exploradores.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CULTURA

Curso de fotografia que será ministrado pelo jornalista Marcos Vicentti está com as últimas vagas disponíveis

Publicado

em

Por

O fotojornalista Marcos Vicentti está oferecendo um curso de fotografia em Rio Branco, a modalidade híbrida, entre os dias 06 e 07 de agosto. Os pré-requisitos são: ser maior de 14 anos e possuir uma câmera digital amadora ou profissional ou um celular.

O curso tem carga horária de 20horas: 8 EAD, 8 de aulas práticas e 4 de monitoria. O investimento será de R$ 250,00.

As últimas vagas estão disponíveis e para aqueles que se interessarem pelo curso podem entrar em contato através do número: 68 99221 4836 ou do LINK.

Continue lendo

CULTURA

Sesc realiza feira literária em Cruzeiro do Sul, a partir desta quarta-feira, 27

Publicado

em

Por

Evento começa nesta quarta (27) e se estende até sexta-feira (29), no Teatro dos Nauas em Cruzeiro do Sul com horários das 8h às 18h para escolas e 19h as 22h público em geral, com entrada gratuita; escritores, quadrinistas e grupos de literatura estarão presentes.

O Município de Cruzeiro do Sul sedia uma feira literária educativa nesta semana. O evento tem entrada gratuita com escolas agendadas e público em geral e ocorrerá no espaço do teatro do Nauas.

Estarão presentes na feira escritores independentes, poetas, músicos, grupos de literatura, escritores, recreadores e contadores de histórias. A feira foi organizada a partir de uma curadoria compartilhada entre a equipe do Sesc e participantes de iniciativas coletivas.

BiblioSesc presente na feira

Publicações variadas viajam o país por meio do BiblioSesc. Uma unidade móvel que circulam com o objetivo de incentivar o hábito de leitura, atendendo principalmente a localidades com pouco acesso a livros e bibliotecas. O caminhão, adaptado com estantes, transportam um acervo de 3,5 mil volumes criteriosamente selecionados e constantemente renovados.

Nas estantes do veículo, o público encontra romances, clássicos, poesias, contos de fadas, histórias em quadrinhos, biografias, livros de culinária, dicionários, livros didáticos e até audiolivros. Além dessa oferta de livros, são realizadas ações para engajar os leitores, como clubes de leitura, bate-papos com autores, contação de histórias e atividades lúdicas, que reforçam o prazer de ler.

Programação completa no site www.sescacre.com.br

Continue lendo

CULTURA

Festival Atsá mostra a força da retomada cultural do povo Puyanawa

Publicado

em

Por

Texto: Nelson Liano / Fotos: Marcos Vicentti

Exclusivo para o AcreNews

A quarta versão do Festival Atsá, a primeira depois da pandemia, tem atraído muita gente de todo o Acre e também de outras partes do Brasil e do exterior. Atsá significa mandioca que está na base alimentar e produtiva do povo Puyanawa. Mas também representa o renascimento cultural dessa nação indígena que, durante muitos anos, foi explorada por fazendeiros e teve a sua espiritualidade distorcida pela influência de missionários evangélicos e católicos.

Durante o Festival Atsá, que iniciou no dia 18 e vai até sexta, dia 22, os Puyanawa mostram aos visitantes a riqueza dos seus cantos, das suas músicas, do seu artesanato e das suas pinturas corporais, além da espiritualidade tradicional baseada nas medicinas da floresta e na sabedoria recebida de herança dos seus antigos pajés.

O cacique Joel Puyanawa revela a motivação que mobiliza toda a sua aldeia, no Ramal do Barão, no município de Mâncio Lima, para realizar o Festival Atsá.

“Estamos resgatando as memórias dos nossos antepassados. Oferecemos aos visitantes comidas típicas do nosso povo, que estão relacionadas a todo o nosso conhecimento ancestral que, durante o festival, são repassados também aos nossos jovens. Assim, celebramos a nossa cultura e a nossa espiritualidade por meio dos cantos, das danças, das pinturas corporais e dos nossos rituais”, afirmou Joel.

Fortalecimento econômico da aldeia

O cacique destaca, ainda, que todo esse movimento de visitantes ajuda a fortalecer a economia da comunidade.

“A venda das nossas comidas e do nosso artesanato gera renda para as famílias da aldeia. A gente vê um aquecimento da economia local, que acaba ajudando também os moradores de Mâncio Lima”, refletiu o cacique.

Apoio institucional do Estado

Um outro aspecto revelado por Joel foi a ajuda do Estado na reforma da Arena onde acontece o Festival Atsá. Ele também ressaltou que o Estado apoiou a comunidade Puyanawa na mecanização das lavouras de mandioca, que deverá refletir na maior produção de farinha da história da aldeia.

“As parcerias são fundamentais para o desenvolvimento social e econômico do nosso povo. Temos recebido apoio das nossas demandas”, revelou Joel.

Para encerrar, o cacique disse que todo esse movimento cultural dos povos indígenas traz uma mensagem para toda a humanidade.

“Temos que celebrar a vida e a natureza. É essa alegria que faz a gente transmitir as nossas cantorias e danças, criando um clima de harmonia e entendimento com todas as pessoas que vivem neste planeta, que, mais do que nunca, precisa de paz e amor, nesse momento de tantas dificuldades”, finalizou o líder Puyanawa.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Soluções Tecnológicas