Connect with us

ESPORTE

Flamenguinho e Colégio Ame conquistam a 6ª Copa Arasuper

Publicado

em

Na Marca da Cal / Foto: Manoel Façanha

Na presença de um bom público, ocorre na noite desta segunda-feira (22), no Centro Iniciação aos Esportes (CIE), as finais da 6ª Copa Arasuper de Futsal Sub-13 e Sub-15. Flamenguinho e Colégio Ame venceram no tempo normal de partida as equipes da Escolinha do Metal e Furação do Norte, respectivamente, e levaram o título da temporada.

Resumo das finais

O primeiro campeão saiu na categoria sub-13. O invicto Flamenguinho fez um jogo bastante eficiente diante da Escolinha do Metal e venceu por 2 a 0. Os gols da vitória do Flamenguinho foram marcados pelo jogador Ângelo Henrique.

O time rubro negro durante a partida não somente mostrou melhor organização tática, como também, criou as melhores oportunidade de gols.

Jogadores do Flamenguinho comemoram o título invicto da Copa Arasuper Sub-13. Foto/Manoel Façanha.
Jogadores do Colégio Ame vibram com a conquista do pentacampeonato da categoria sub-15 da competição. Foto/Manoel Façanha
Flamenguinho 2 x 0 Escolinha do Metal – Sub-13. Da esquerda para a direita: Roseane Amorim, Artur Lykawka, Marcos Venícius e Erisberto Mendonça. Foto/Manoel Façanha
Flamenguinho conquista o título invicto da Copa Arasuper de Futsal Sub-13. Foto/Manoel Façanha
Escolinha do Metal perde a chance de conquista mais um título da categoria. Foto/Manoel Façanha
A Escolinha do Metal tinha dificuldades na saída de bola contra um adversário mais bem postado. Foto/Manoel Façanha.
Flamenguinho finalizou mais ao gol e mereceu o placar de 2 a 0. Foto/Manoel Façanha.

Colégio Ame supera o Furacão e conquista o pentacampeonato

A árbitra Roseane Amorim fez excelente trabalho durante as duas finais da Copa Arasuper de Futsal. Foto/Manoel Façanha
Colégio Ame entrou na quadra disposto a conquistar o pentacampeonato do Sub-15. Foto/Manoel Façanha.
O Furacão do Norte fez uma boa competição, mas não superou o Colégio Ame na decisão. Foto/Manoel Façanha.

Na outra decisão, essa válida pelo sub-15, o Colégio Ame confirmou o pentacampeão da competição ao superar o Furacão do Norte por 2 a 0.

Os dois times fizeram um jogo muito igual, mas o time colegial apresentou mais conjunto e frieza na hora de colocar a bola na rede.

O primeiro gol do triunfo do Colégio Ame saiu ainda no primeiro tempo de partida, numa finalização de Lucas.

O time do Colégio Ame foi mais incisivo diante de um adversário que vendia caro a derrota. Foto/Manoel Façanha

Na etapa complementar de partida, o jogo seguiu bem disputado, mas o time do Colégio Ame era mais incisivo diante de um adversário que vendia caro a derrota, mesmo após levar o segundo gol, assinalado por Cauã.

O capitão Eduardo, do Colégio Ame, comemorou bastante pentacampeonato, juntamente com o pai Marcelo Holanda. Segundo ele, essa edição da competição se superou e a boa cobertura da mídia esportiva valorizou ainda mais os jogos das finais.  

Veja os números da competição

Copa Arasuper de Futsal Sub-13 e Sub-15 fechou sua sexta edição com 30 jogos. Foto/Manoel Façanha

Copa Arasuper de Futsal Sub-13 e Sub-15 fechou sua sexta edição com 30 jogos disputados e 145 gols marcados, totalizando média de 4,83 por jogo.

Wesley Victor, atleta da Escolinha do Metal, foi o terror dos goleiros adversários na categoria sub-13. O artilheiro terminou a temporada com 12 gols. Por outro lado, o goleiro Mário (Flamenguinho) foi paredão da competição e eleito o melhor da categoria.

Wesley Victor, atleta da Escolinha do Metal, fechou a competição na artilharia do sub-13. Foto/Manoel Façanha
O goleiro Mário (Flamenguinho) foi o paredão do sub-13. Foto/Manoel Façanha

Na disputa da categoria sub-15, o vice-campeão Furacão do Norte emplacou o artilheiro do torneio. Fernandinho foi as redes adversárias por 11 oportunidade e terminou na liderança da classificação de artilheiro. Na véspera da partida, a coordenação havia passado para a imprensa que a artilheira pertencia ao jogador Cauã Victor, do Colégio Ame, mas houve uma falha na computação dos dados.

O técnico da base, Paulo Modesto (Paulão) entrega o troféu de artilheiro para Fernandinho (Furacão do Norte). Foto/Manoel Façanha.
O jornalista Antônio Muniz entregou a premiação de melhor goleiro para o atleta Venícius (Furacão do Norte). Foto/Manoel Façanha.

Adem Araújo feliz com o desfecho da Copinha Arasuper

O empresário Adem Araújo durante entrevista para o jornalista esportivo Deyse Leite. Foto/Manoel Façanha

O empresário Adem Araújo, do grupo Arasuper, não somente prestigiou as finais da 6ª Copa Arasuper de Futsal Sub-13 e Sub-15, mas também ajudou a coordenar a entrega de premiação aos melhores da temporada, juntamente com a equipe de desporto da Fundação Garibaldi Brasil, liderada pelo professor Edson Maria (Som).

Solenidade de entrega de premiação da Copa Arasuper. Da esquerda para a direita: Paulo Modesto (Paulão), Klowsbey Pereira, Antônio Muniz, Auzemir Martins, Adem Araújo e Edson Maria (Som). Foto/Manoel Façanha.

Feliz com o desfecho do torneio, o empresário explicou que a competição é mais uma ferramenta importante para a inclusão de crianças e adolescentes no meio esportivo local, isso sem falar na possibilidade de “garimpar” talentos nesta faixa etária de idade.

Adem Araújo fez questão de agradecer os dirigentes de equipes, atletas, coordenação, na pessoa do desportista Auzemir Martins, assim como à imprensa esportiva. “Foi mais uma edição de sucesso da Copa Arasuper de Futsal Sub-13 e Sub-15. Estamos muito felizes da forma como fechamos o torneio”, pontuou o empresário.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ESPORTE

Jornalista e historiador Manoel Façanha coleciona mais de 1 mi de imagens e elege o top10

Publicado

em

Por

O cronista esportivo acreano Manoel Façanha, 51 anos, é dono de um acervo milionário de imagens inéditas que retratam boa parte da história do esporte acreano. Com mais de 25 anos de carreira, o jornalista e historiador é um desses apaixonados pela profissão que exerce e até criou uma espécie de minimuseu no escritório da casa dele.

Em uma conversa longa e descontraída com o GE, Manoel Façanha contou detalhes de sua trajetória na crônica esportiva e elegeu as 10 fotografias preferidas, seja pela plasticidade e técnica envolvida, ou pela representatividade do momento.

O gosto pelo esporte surgiu quando ainda era criança. O primeiro contato pelo futebol foi por meio do rádio e álbuns de figurinhas.

Na adolescência, o acreano passou a organizar eventos e competições amadoras ao lado de amigos. Manoel Façanha chegou a estagiar como chargista no jornal impresso Folha do Acre, mas a mãe dele não deixou que exercesse a função. Os estudos eram prioridades.

No início da década de 90, tornou-se diretor de esportes, cultura e lazer do Sindicato dos Bancários do Acre. O então presidente João Roberto Braña o incentivou a começar escrever página esportiva para o tabloide da entidade, chamado “Manifesto Bancário”.

– Eu já fazia história e lia bastante, isso facilitava – conta.

Manoel Façanha entrou definitivamente na crônica esportiva acreana em 1996, no jornal impresso O Rio Branco. Ele foi convidado pelo radialista e jornalista Raimundo Fernandes.

O cronista esportivo acreano deixou o jornal impresso O Rio Branco em 2015 e atualmente trabalha no também jornal impresso Opinião. Ele também tem um site próprio de notícias esportivas.

Acervo milionário

Escritório do cronista esportivo Manoel Façanha — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Escritório do cronista esportivo Manoel Façanha — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Manoel Façanha tem um cômodo da casa dele dedicado exclusivamente a preservação de memórias do esporte acreano. As paredes são decoradas com jornais e quadros de clubes de futebol do Estado que marcaram épocas. É como uma viagem no tempo.

Com a modernidade dos equipamentos, Manoel Façanha trocou os antigos CDs e DVDs por armazenamentos em HDs. Contando todas as imagens – impressas e digitais –, são mais de 1 milhão de fotografias inéditas de diversas modalidades esportivas, mas boa parte de futebol.

– Com certeza tenho mais de 1 milhão. Não só fotos digitais, também tenho em papel, mas são poucas. Eu comecei a guardar desde 2003. Eu sempre gostei de preservar a memória.

As imagens são momentos tanto de competições oficiais como não oficiais. Também há registros de treinamentos de clubes de futebol e do cotidiano de outras modalidades como vôlei, handebol, basquete e atletismo, por exemplo.

– Eu sempre tive essa noção de guardar e comecei a fazer pastas. Foi natural, mas ou mesmo tempo pensada – completa.

O cronista também contribuiu positivamente na Associação dos Cronistas Esportivos do Acre (Acea). Ele exerceu dois mandatos como presidente (2004-2007 e 2012-2016). Transparência e legitimidade das ações foram suas principais virtudes à frente da Acea.

Manoel Façanha foi responsável pela criação do estatuto da Acea e reorganizou a entidade em 2003. Ele também foi vice-presidente da Região Norte da Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

– Com certeza um dos momento mais importantes que nos acreanos conseguimos foi que um governo viesse construir um estádio. A gente era chacota quando clubes das Séries A e B vinham jogar aqui em Copa do Brasil. Tínhamos o José de Melo (atualmente CT do Rio Branco-AC), mas era pequeno – afirma.

Como escritor, o cronista esportivo tem quatro livros publicados, três deles em parceria com os jornalistas Augusto Diniz e Francisco Dandão. Manoel Façanha prepara mais um livro com 100 crônicas esportivas já publicadas. A obra está quase pronta e será lançada em 2022.

Manoel Façanha viu muita coisa mudar no esporte acreano ao longo do tempo, mas nem tudo foi positivo. O cronista esportivo conta que os dirigentes dos clubes de futebol precisam ser mais profissionais em suas respectivas gestões.

– Na década de 70 e 80 as personalidades da politica e empresários, quem tinha poder aquisitivo, se aproximavam muito dos clubes, davam suporte. As pessoas que tinha importância na sociedade acreana estavam muito presentes dentro dos clubes. Hoje em dia os empresários e políticos estão pouco presentes dentro dos clubes. Os políticos abrem as portas, principalmente aqueles que tem compromisso pelo esporte, conseguem abrir portas para investimentos. Futebol requer essa estrutura, da presença de políticos e empresários dentro dos clubes para buscar parceria, projetos positivos e botar em si dinheiro, porque o futebol não vive sem recurso – opina.

1. Goleiro Weverton (2004-2019)

Montagem mostra goleiro acreano Weverton no inicio da carreira na base do Juventus-AC e na Seleção Brasileira — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Montagem mostra goleiro acreano Weverton no inicio da carreira na base do Juventus-AC e na Seleção Brasileira — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– Pela história de vida do Weverton. É um goleiro da periferia da nossa cidade, que cresceu no meio futebolístico, teve oportunidade, agarrou com unhas e dentes, e conseguiu prosperar. Mostra justamente isso. É uma montagem que até ele me solicitou essa foto, mostrando o início até à Seleção Brasileira que é o auge de qualquer profissional da bola.

2. Rio Branco-AC na Série C (2007)

Ex-meia Testinha perde pênalti em jogo decisivo da Serie C, que posteriormente eliminaria o Rio Branco-AC — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Ex-meia Testinha perde pênalti em jogo decisivo da Serie C, que posteriormente eliminaria o Rio Branco-AC — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– Essa foto talvez tenha sido a tarde/noite mais triste do futebol acreano, se levamos em conta as últimas décadas. O Rio Branco-AC entrava em campo na Série C de 2007, embalado por uma boa campanha. Dentro da Arena da Floresta era imbatível. O Rio Branco sempre conquistava bons resultados. O ABC era um time de qualidade e estava classificado para a próxima fase, veio para o Acre com o time praticamente misto ou reserva, e o torcedor se empolgou que naquela tarde teria tudo para fazer um resultado satisfatório e eliminar o Bahia, que jogava no mesmo dia. O Rio Branco começou em cima do time potiguar, quase consegue marcar os gols e, inclusive, teve o pênalti que o Testinha desperdiça. A bola bate na trave em uma infelicidade. Nesse jogo tínhamos mais de 16 mil pagantes, o maior público do futebol acreano, o jogo termina 0 a 0 e o Bahia faz um gol nos acréscimos e se classifica. O Rio Branco fica fora. Todo mundo fica com a sensação de “Maracanaço”, em referência a derrota do Brasil para o Uruguai na decisão da Copa do Mundo de 50.

3. Polêmica do Atlético-AC (2007)

Manifestantes protestam contra venda de parte do patrimônio do Atlético-AC em 2007 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Manifestantes protestam contra venda de parte do patrimônio do Atlético-AC em 2007 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– O presidente José Humberto tinha dificuldades de conseguir parceiros para tocar o clube e nesse momento de buscar recursos teve a ideia de vender parte do patrimônio do clube para uma igreja evangélica e aquilo não foi visto com bons olhos pelo torcedor, parte da diretoria, conselheiros e a imprensa também. Houve uma grande articulação no dia para se fazer uma manifestação pra chamar a atenção da sociedade do que estava sendo feito no Atlético-AC. Surtiu efeito positivo. A igreja evangélica que tinha comprado a terra e já estava construindo, desistiu de fazer e devolveu a terra.

4. Verônica Severino (2019)

Assistente de arbitragem Verônica Severino em ação durante partida do Campeonato Acreano — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Assistente de arbitragem Verônica Severino em ação durante partida do Campeonato Acreano — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– Eu passei por ela nesse dia e ela sorriu e eu disse: “Hoje vou pegar uma foto bacana sua”, disse mais ou menos isso e ela sorriu de novo. O jogo correndo e em certo momento tive a felicidade de pegar uma foto de forma estilosa, várias sequências e peguei ela tipo flutuando, levitando e a foto ficou bastante legal, bastante plástica. É valorizar e incentivar a presença mulher na arbitragem acreana.

5. Técnico Cuca no Acre (2008)

Técnico Cuca comanda treinamento de apronto do Botafogo no estádio Florestão, na capital acreana, antes de entrar o Rio Branco-AC pela Copa do Brasil de 2008 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Técnico Cuca comanda treinamento de apronto do Botafogo no estádio Florestão, na capital acreana, antes de entrar o Rio Branco-AC pela Copa do Brasil de 2008 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– A foto ilustra vários aspectos. A Copa do Brasil, o torneio mais democrático do país e a oportunidade do futebol periférico, que nunca teve oportunidade em ir em um grande estádio de futebol, assistir um craque da atualidade. A foto tem o Cuca, considerado um dos melhores técnicos do país e o Botafogo. Era um treino recreativo e estavam batendo aquela bolinha. Era Botafogo e Rio Branco.

6. Copa Floresta, o futebol raiz (2003)

Decisão da Copa Floresta, em 2003, no município de Sena Madureira, no interior do Acre — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Decisão da Copa Floresta, em 2003, no município de Sena Madureira, no interior do Acre — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– Essa foto mistura vários aspectos e um dos aspectos era a amizade que tinha com o coordenador dessa competição que era o saudoso Hermano Filho, de Sena Madureira. Ele tinha uma grande sacada, era um político inteligente e fez essa competição para os ribeirinhos. Vinha times de várias localidades. Era uma grande festa, dois ou três dias de torneio até conhecer o campeão. Essa foto é uma decisão por pênaltis, o futebol raiz mesmo com o jogador descalço, no estilo mais força do que qualidade e a torcida atrás do gol vibrando. Era um espetáculo.

7. Alecsandra Camargo (2008)

Alecsandra Camargo durante treinamento em piscina da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), em Rio Branco (AC), em 2008 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Alecsandra Camargo durante treinamento em piscina da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), em Rio Branco (AC), em 2008 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– Ela se preparava para Copa Amazônica de Natação e as Olimpíadas Colegiais. A foto tem uma beleza plástica, que e a questão das cores, água, a cor morena dela, a cor da piscina, a água transparente e o olhar dela. Um olhar quem está com rosto não dentro da agua, mas fora com a boca aberta. Tem a questão da plasticidade da foto.

8. Defesa aérea (2016)

Goleiro Ramon, do Rio Branco-AC, durante partida do torneio Acre/Rondônia, em 2016 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Goleiro Ramon, do Rio Branco-AC, durante partida do torneio Acre/Rondônia, em 2016 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– O que mais gostei é a plasticidade. O goleiro parece que está voando. Ele dá um salto tentado pegar a bola. Existe alguns elementos que caracterizam o goleiro, que é a luva. Um jogador de linha não vai dar um salto desses. Existe a questão da percepção, treinamento e elasticidade para dar um salto desse.

9. Pai e filho na Copa do Mundo (2014)

Imagem de pai e filho em partida do Brasil na Copa do Mundo de 2014 é um dos registro preferidos de Manoel Façanha — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Imagem de pai e filho em partida do Brasil na Copa do Mundo de 2014 é um dos registro preferidos de Manoel Façanha — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– É mostrar a paixão brasileira pelo futebol e à Seleção Brasileira. Essa paixão é de pai para filho. O pai beirando os 40 anos e o filho com menos de 10 anos de idade. Ambos bem vestidos pra participar da festa de uma partida da Copa do Mundo. Ao fundo existe à Seleção Brasileira e torcedores de Brasil e México. Era a solenidade de abertura.

10. Goleira baiana – Olimpíadas Colegiais (2006)

Goleira baiana defende bola no ar durante Olimpíadas Colegiais, em 2006 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Goleira baiana defende bola no ar durante Olimpíadas Colegiais, em 2006 — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

– Ia jogar a escola acreana, acho que era Divina Providência de Xapuri, contra uma equipe paulista, que tinha jogadora que parecia o Falcão, a menina jogava muito. Esse jogo era preliminar, um jogo muito pegado, muito equilibrado entre Bahia e Rio de Janeiro. Essa é uma goleira baiana. O Rio de Janeiro estava pressionando para empatar o jogo e a goleira muito boa, tinha estilo. A jogadora mete o chute e ela encaixa a bola no ar, como uma performance de um goleiro de grande estilo. O grau de dificuldade pra homem já é difícil fazer uma pose dessa no ar, quanto mais para uma mulher.

Com informações GE Acre.

Continue lendo

ESPORTE

Galvez, Atlético, Andirá e Náuas vencem na abertura do returno do Sub-17

Publicado

em

Por

Na Marca da Cal /  Foto: Manoel Façanha

Com uma média de quase quatro gols por partida, a bola rolou na manhã e tarde do último domingo (5) pela disputa do returno do Campeonato Acreano Sub-17. Os quatro jogos foram realizados no estádio Florestão.
Na abertura da rodada, em jogo pelo grupo B, o Galvez superou o Vasco-AC por 1 a 0. Na sequência, o Atlético-AC atropelou o Humaitá por 6 a 2, em jogo válido pelo grupo A.

No período da tarde, o Andirá manteve os 100% de aproveitamento e derrotou o Independência por 2 a 1, pelo grupo B. O tricolor teve dificuldades e compareceu com apenas 10 jogadores e ainda perdeu o goleiro Paiva durante a etapa complementar e nos dez minutos finais outros três jogadores também apresentaram problema clínico e a partida foi encerrado pelo árbitro Djailton Santos. No Fechando a rodada, o Náuas enfiou 3 a 0 no São Francisco em confronto do grupo A.

Segunda rodada
O returno do Campeonato Sub-17 prossegue na quarta-feira (8), com dois jogos no estádio Arena da Floresta. Às 14h, pelo grupo A, jogam São Francisco x Humaitá. A partir das 16h, pelo grupo B, o Independência encara o Galvez.

Classificação

Grupo A
1° Atlético-AC – 3 pts
2° Náuas – 3 pts
3° São Francisco – 0
4° Humaitá – 0

Grupo B
1° Andirá – 3 pts
2° Galvez – 3 pts
3° Independência – 0
4° Vasco-AC – 0

Continue lendo

ESPORTE

Estadual de Futebol 2022 começa dia 15 de fevereiro com 11 clubes na disputa

Publicado

em

Por

Na Marca da Cal / Foto: Sérgio Vale

Remodelado e com a inclusão de mais dois clubes (Independência e Adesg) entre os participantes, o Campeonato Acreano 2022 vai começar dia 13 de fevereiro com dois duelos no estádio Florestão. O jogo de abertura vai envolver o campeão Rio Branco diante da Adesg. Na partida de fundo, o Humaitá pega o Independência. Os últimos detalhes foram definidos na última sexta-feira (3), na sede da entidade, anexa ao estádio Florestão.

Os grupos foram definidos por meio de critério técnico – regra essa decidida também por votação. As chaves ficaram definidas da seguinte maneira: Rio Branco-AC, Atlético-AC, Vasco-AC, Náuas, Plácido de Castro e Adesg (Grupo A); Humaitá, Galvez, São Francisco, Andirá e Independência (Grupo B).

Na próxima temporada, as partidas serão realizadas às quartas-feiras e domingos. A presença do torcedor nas arquibancadas está ameaça pela presença de nova variante do novo coronavírus, mas tudo vai depender da classificação de risco para a pandemia.

Regulamento

O Campeonato Acreano 2022 será disputado em primeiro e segundo turno, sendo que o returno será com os seis melhores classificados. O título estadual será do clube que somar mais pontos ao término das rodadas do segundo turno.

1ª Rodada

13/02
Rio Branco-AC x Adesg
Humaitá x Independência

16/02
Galvez x Andirá
Atlético-AC x Pl. de Castro

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia