Connect with us

CULTURA

O soldado poeta da Revolução Acreana

Publicado

em

Por Edinei Muniz

Qualquer tentativa ou esforço biográfico que se faça para descrever a trajetória de João Barreto de Menezes que não o qualifique já nas primeiras linhas como um personagem extremamente polêmico, por certo, não estará sendo fiel à história de vida do biografado. João Barreto era muito polêmico. Um polemista talentoso, intrépido, irreverente e muito inteligente.

O João era filho do escritor Tobias Barreto. Mas não precisava de carteirada genealógica. Tinha luz própria!

Já foi descrito por gente grande da literatura brasileira. Foram muitos! E quem melhor o fez foi o escritor Luis da Câmara Cascudo, um velho amigo, dele e do pai. Colega da Faculdade de Direito.

João Barreto era Imortal da Academia Pernambucana de Letras. Um modernista! Sempre foi matéria em ebulição no meio político e social. Sua tradição de luta lhe rendeu o codinome de “Leão do Norte”.

Jurista, poeta, jornalista, orador estridente e arrebatador de multidões, João Barreto foi uma das maiores culturas filosóficas do seu tempo e marcou toda uma geração, segundo dizem os críticos. E não se trata de qualquer crítico. Dele falavam os melhores. Era um metro e setenta de ebulição, ardência e inquietação ambulatorial, conforme dizeres de Câmara Cascudo.

Dono de uma oratória de deixar Cícero de queixo caído, falava andando, girando, com paradas bruscas entre os períodos, momento em que se tivesse uma mesa ao alcance, esmurrava com todas as suas forças. Quando não, a vítima era o vento ou a palma da mão vizinha. Falava combinando contundência irada com suavidade! Decisão e tempestividade! Sabia modular o tom recorrendo a apelos retóricos mais suaves quando o tema assim exigia. Era definido como um orador popular. Se o espírito polemista era a sua sombra, o dom da oratória respondia pela sua alma.

João Barreto era um fogo corredor a incendiar ideias por onde passava. E estava em todas. Tocou fogo no mundo. Não carregava consigo o vício do recuo e se tinha medo de algo, esse algo era não lutar pelo que acreditava.

Em 1889, ainda no império, com a morte do pai (Tobias Barreto) talvez para fermentar o espírito inquieto – iludido por este – e também movido pela necessidade financeira, ainda muito jovem, ingressou no exército.

Em setembro de 1892 é visto de fuzil na mão ao lado de Floriano Peixoto e em 1897 foi parar no Arraial de Canudos. Mas não era um soldado padrão. Agia como uma espécie de Assessor de Comunicação do conflito. Figurava como um intelectual perdido em meio à barbaridade da revolta, que tingiu de sangue a terra árida do Sertão Baiano, naquele que, ao lado da Guerra do Paraguai, foi um dos episódios mais tristes da nossa história.

Três anos depois, já fora das fileiras do exército, talvez para apagar a mácula de Canudos, horror que nem nos seus piores pesadelos imaginou que chegaria a tanto, veio para o Amazonas e juntamente com o também jornalista Orlando Lopes, optou por preencher com traços poéticos os primeiros ensaios da Revolução Acreana.

João Barreto ajudou a fermentar a chamada Expedição dos Poetas, iniciativa que visava devolver Luis Galvez ao poder. O levante fracassou. O ex-soldado, juntamente com os outros, dispersou tão logo ouviu os primeiros tiros dos canhões dos patrícios.

Voltou a Manaus e daí em diante passou a ser um dos cérebros da Revolução Acreana. Seu papel, ao lado de Orlando Lopes e outros, era a usar a pena para escrever e telegrafar as notícias da insurreição para os jornais do Brasil e do mundo.

Dizem alguns, por maldade ou reconhecimento, que boa parte das falas heróicas, supostamente atribuídas a Plácido de Castro, carregavam consigo as digitais do grande João Barreto de Menezes. O soldado das letras da Epopéia Acreana!

Tem mais! Muito mais! Deixo aqui apenas uma amostra grátis do personagem. Eu volto!

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CULTURA

Vem aí na Rádio Gazeta o programa mais completo do Estado: Recordar é Viver na FM 93.3

Publicado

em

Por

Amazonoticias

Está de volta no seu rádio neste próximo domingo o Recordar é Viver “O passado de volta em forma de música” , agora todos os domingos de 19h00min às 21h00min a Rádio Gazeta 93.3 FM apresenta um programa diferente com muita música diversão e entretenimento na Apresentação de Nonato Gomes e Nonato Gomes! Convidamos você a ser um parceiro do programa RECORDAR É VIVER. São duas horas de uma programação contagiante, música, esporte, jornalismo, saúde, interação com o ouvinte, promoções! Dicas de emprego, carta do ouvinte e nosso Anjos de plantão onde ajudamos o próximo! 

Conheça nosso programa Ligue seu Rádio na Gazeta FM 93,3 MHz – Todos os Domingos de 19h às 21h.

Estamos na internet e no Rádio e em todas as plataformas Digitais

Continue lendo

CULTURA

Live SAMBA: SEU LEGADO, NOSSA HISTÓRIA

Publicado

em

Por

Eanes Henrique Enes / Fotos: Reprodução

Um projeto que visa consolidar a imagem do samba como patrimônio cultural brasileiro e movimento de resistência que conta história do nosso país.

Dia 23 de setembro/2021: Live Samba: Seu Legado, Nossa História que será um bate papo descontraído entre amigos sobre o samba e sua construção permeado por sambas do repertório do Grupo Moças do Samba que irão surgindo durante a conversa.

Elenco: Carol Di Deus, Narjara Saab, Sandra Buh, James Fernandes e João Gabriel.

Dia 24 de setembro/2021: Live Show Pretas do Samba que consistirá em uma homenagem da moça Narjara Saab à 3 mulheres pretas compositoras, intérpretes e figuras importantes na construção do samba: Clementina de Jesus, Dona Ivone Lara e Leci Brandão.

Elenco: Carol Di Deus, Narjara Saab, Gigliane Oliveira, James Fernandes, Denilson Carneiro, Romenig, João Gabriel e Marcone Potta.

Dia 26 de setembro/2021: Live Show Um Samba Pra Falar De Amor que trará o samba canção cantado pela Moça Carol Di Deus com grandes clássicos que embalarão corações apaixonados.

Elenco: Carol Di Deus, Narjara Saab, James Fernandes, Nilton Castro, Romenig, João Gabriel e Marcone Potta.

Realização: Grupo Moças do Samba.
Produção: Acreativa Produções
Financiamento: Governo do Estado do Acre através da Fundação Elias Mansour com recurso do Governo Federal (Lei Aldir Blanc).

A transmissão será através das redes sociais do Grupo Moças do Samba:

Instagram, Facebok e Youtube.

Continue lendo

CULTURA

Exposição (a)gosto delas chega à Escola de Gastronomia na Cidade do Povo

Publicado

em

Por

Assessoria de Imprensa – FEM / Fotos: Hannah Lidya

“(A)gosto delas” é uma iniciativa do Governo do Acre por meio da Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM) com curadoria da Usina de Artes João Donato. A exposição teve sua primeira edição no Memorial dos Autonomistas e contou com 23 artistas, além de outras artistas que contribuíram com sua realização. A mostra reúne expressões de diferentes técnicas, expressões e linguagens.  As obras foram pensadas de forma individual e coletiva e trazem uma perspectiva única sobre o assunto. Cada uma delas é carregada de autenticidade e discutem diferentes questões sobre o feminino, trazendo não só a beleza, mas as diversas “mulheridades”, expressões e denúncias.

A exposição é a extensão de outra que foi pensada no ano de 2020 ” Nascer mulher” que buscava aproximar mulheres de todos os lugares e seguimentos, porém, devido a pandemia da COVID-19, o projeto foi interrompido. A ideia é abranger o diálogo, ver o que cada uma está produzindo e colocar em evidência a sua produção.

Flaviane Rodrigues estava em um curso na Escola de Gastronomia e aproveitou para prestigiar a exposição. Aos 28 anos, ela disse que nunca tinha ido a uma exposição de arte, especialmente apenas de mulheres “Eu acho que deveria ter mais exposições assim, porque agrega na cultura, além de ser uma experiência única e nova.” Disse.

Simone Pessoa é coordenadora da Usina e participou da montagem da exposição e falou de sua importância.

“A cultura é feita pelo povo e para o povo e a gente sabe e tem consciência de que boa parte dos bairros e comunidades não tem acesso, porque isso não está democratizado. A partir do momento em que nós trazemos os artistas, é uma forma de que esta comunidade posso ter acesso e se sinta parte disso.”

Simone Pessoa

A Usina e a escola de gastronomia fazem parte do Instituto de Desenvolvimento da Educação Profissional Dom Moacyr Grechi (IEPETEC). Francisco Weider é o Coordenador de aprendizagem e falou sobre a dificuldade que há em viabilizar o acesso à arte no local devido ao estigma de marginalidade. “É importante que nós comecemos a dar voz a quem necessita dar voz.”. Para o professor, o conhecimento nos torna mais humanos e com maior compreensão, principalmente se relacionadas às temáticas como a da exposição. As obras são uma denúncia, mas elas também acalentam o coração e o espírito.”

Atualmente, a exposição conta com 19 artistas e a pretensão é que as obras visitem outros municípios do estado. A exposição fica disponível no hall do 1° piso da escola, até o dia 30 de setembro. 

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia