Connect with us

SAÚDE

Posso pegar Covid-19 depois das duas doses da vacina? Por que alguns morrem? Entenda essas e outras questões

Publicado

em

Por Terra Brasil Notícias

Casos de pessoas que contraíram o coronavírus mesmo vacinadas contra a Covid-19 têm causado dúvidas acerca da eficiência das vacinas disponíveis. Afinal, estarei protegido contra a doença se tomar a vacina? Como explicar o caso de pessoas que foram internadas ou morreram mesmo após serem imunizadas?

Para entender essas e outras questões, é preciso saber, em primeiro lugar, que é possível contrair o coronavírus mesmo tendo tomado a vacina contra a Covid-19. Isso porque nenhum imunizante disponível no mundo atualmente tem eficácia de 100% contra o vírus Sars-CoV-2, o que significa que algumas pessoas podem ser infectadas mesmo depois de tomar as duas doses, afirma Flávia Bravo, diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

No entanto, grande parte das vacinas disponíveis previne casos graves e óbito por Covid-19, desde que tomadas as duas doses e que haja tempo para o organismo desenvolver a imunidade necessária. Não dá para esperar eficácia semelhante ao divulgado nas pesquisas com apenas uma dose ou antes do tempo sugerido pelos pesquisadores, explica o infectologista Rodrigo Mollina, professor da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

Um exemplo disso foi o experimento realizado pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana(SP), onde quase 98% da população foi vacinada com a Coronavac. Do total de 27.150 voluntários imunizados com as duas doses da vacina, um morreu em decorrência do novo coronavírus. Isso indicou um índice de mortalidade pela pandemia em vacinados de 0,004%. Estudos mais recentes mostram ainda que pessoas vacinadas contra Covid-19 apresentam casos leves da doença e um risco extremamente baixo de contrair a Covid-19.

Entenda outras questões:

1. É possível ter Covid-19 mesmo após tomar a segunda dose da vacina?

Sim. Estudos mostram que a proteção contra o coronavírus acontece somente entre duas e quatro semanas depois da aplicação da segunda dose. Por isso, quem tomou a primeira dose ainda não está imunizado e pode contrair o vírus. E se recebeu a segunda dose, o efeito da vacina será pleno apenas após um mês – mesmo assim não totalmente, porque nenhuma vacina é 100% eficaz contra o coronavírus.

Nesse cenário, pode parecer que a vacina não faz efeito, mas o fato é que não houve tempo para o organismo desenvolver a imunidade esperada para evitar a doença. Se levarmos em conta que a grande maioria da população vacinada no Brasil ainda não tomou a segunda dose, isso significa que essa população continua desprotegida contra a Covid-19, ou seja, pode pegar o vírus, desenvolver a doença, e inclusive, transmiti-la para outras pessoas.

2. Se eu tomei a vacina, estou imune contra o coronavírus? 

Ninguém fica imunizado com apenas uma dose da vacina, e algumas pessoas nem com as duas doses, porque os imunizantes disponíveis no mercado não são 100% eficazes. Mas o que se sabe é que, em ambas as vacinas disponíveis no Brasil, a garantia de eficácia conforme dita nos estudos só ocorre de duas a quatro semanas após a segunda dose.

Mesmo quem tomou a vacina Oxford-AstraZeneca, que conferiu eficácia de mais de 70% na primeira dose, precisa receber a segunda dose para garantir uma imunidade mais duradoura contra o coronavírus, conforme descrito na bula da vacina. O prazo entre as doses da vacina da AstraZeneca é de 12 semanas.

No caso da Coronavac, mesmo com uma espera menor entre as doses – de 14 a 28 dias -, ainda assim é preciso levar em conta que a imunização deverá ocorrer somente depois de duas ou quatro semanas. E que, como a eficácia comprovada é de 50,7%, uma pessoa vacinada ainda tem 49,3% de chance de contrair o vírus.

Ainda segundo o estudo da Coronavac, quatro semanas após receber a segunda dose, no entanto, a eficácia para casos graves da doença sobe para 100%. Isso quer dizer que um mês após tomar a segunda dose da vacina, a chance de ter a forma grave da doença, de ser internado ou morrer, praticamente deixa de existir.

3. Com a vacina, estou imune às variantes?

As vacinas que temos atualmente no Brasil têm mostrado proteção contra as variantes que já surgiram, mas não se sabe a duração dessa proteção. Isso porque podem surgir variantes resistentes à imunidade que as vacinas vão gerar.

Como o vírus ainda está se disseminando sem controle em várias partes do mundo, podem surgir outras variantes que não terão cobertura das vacinas. O que a Ciência já sabe é que o vírus precisa parar de circular para as variantes pararem de surgir. É por isso que a recomendação de manter distanciamento social e o uso de máscara se mantém mesmo para quem já tomou as duas doses da vacina.

4. Se eu peguei Covid, devo tomar a vacina? 

Sim.  Todo mundo que teve Covid-19 tem que se vacinar. A imunização não impede uma reinfecção. Mas o ideal é esperar quatro semanas após a infecção para tomar a vacina. Isso porque se a pessoa ainda estiver se recuperando da Covid-19, tomar o imunizante, e sentir alguma coisa, não se saberá se foi por causa da vacina ou da doença, o que atrapalha o controle e um possível tratamento. Outro ponto importante é que não há dados concretos sobre a duração da proteção dos anticorpos produzidos pela doença, nem dos anticorpos produzidos pela vacina. 

5. Há problema se eu tomar a vacina estando com Covid-19?

Não. Na pessoa que já está contaminada, o sistema imunológico está respondendo ao vírus. As vacinas disponíveis não são feitas com vírus vivos, por isso não há plausibilidade biológica que cause alguma interferência no organismo de quem já contraiu o coronavírus. Muito pelo contrário, a vacina vai promover mais anticorpos contra a doença.

6. Posso transmitir Covid-19 mesmo vacinado?

Sim, porque a vacina não previne a infecção, mas as complicações resultantes dela, pelo fato de contribuir com a produção de anticorpos. Como a eficácia de nenhuma vacina disponível é total, isso significa que nem todo mundo que a recebeu estará livre de contrair o vírus. Mas isso não invalida a vacina, porque estudos realizados com pessoas imunizadas e que se infectaram mostram que a grande maioria apresenta sintomas leves ou fica assintomática.

7. Por que alguns adoecem mesmo após serem vacinados?

Como a vacina não previne a infecção, as pessoas podem ter Covid-19 e adoecerem mesmo vacinadas, porque não houve tempo hábil do organismo responder à vacinação. E, apesar dos estudos apontarem que os imunizados podem ter sintomas mais leves, os casos graves que aparecem entre eles, geralmente, estão relacionados com pacientes idosos, cujas doenças prévias são pioradas com a Covid-19, ou entre doentes crônicos com diabetes, problemas cardíacos ou pulmonares, que têm seus quadros agravados enquanto a vacina ainda não fez efeito.

8. Como explicar a morte de pessoas imunizadas?

As mortes por Covid-19 relatadas após a vacinação geralmente têm relação com outras doenças ou comorbidades existentes antes do diagnóstico de Covid-19. Pessoas com comorbidades costumam ter o sistema imune debilitado. Por isso, em casos de óbitos entre pessoas que tomaram a vacina, deve ser levado em conta o histórico médico e de doenças, além do tempo de imunização. É importante avaliar cada caso, investigar as comorbidades e a faixa etária.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAÚDE

Estado pede que população faça o Cartão Fundhacre para agilizar atendimento

Publicado

em

Por

Agência AC / Foto: Danna Anute

A Fundação Hospital do Acre (Fundhacre) iniciou uma campanha, por meio dos setores da gestão, para que a população possa adquirir o Cartão Fundhacre. O objetivo é agilizar o atendimento em consultas dos pacientes que procuram a unidade.

Estado conclama população a fazer o Cartão Fundhacre para agilizar atendimento. Foto: Danna Anute

O presidente da instituição, João Paulo Silva, afirma que a prioridade é humanizar e melhorar cada vez mais o tratamento aos pacientes. “Pedimos que a pessoa venha à unidade, de segunda a sexta-feira em horário comercial, dirija-se ao primeiro balcão de atendimento na entrada principal e tire o seu cartão”, solicita.

A gerente do Ambulatório Médico, Rozangela Farias, enfatiza que o cartão da Fundação só é adquirido uma vez, pois o número fica registrado e por meio dele se tem o acesso ao prontuário e a toda a história clínica do paciente.

Para emissão do documento, é necessário trazer a carteira de identidade e o cartão do SUS. Foto: Danna Anute

“É importante que a pessoa ande com esse cartão, pois a sua função aqui na Fundhacre é a mesma do cartão SUS, sendo seu direcionamento voltado mais para o acesso ao paciente. Sem esse cartão não tem como ser realizado o atendimento, assim, caso a pessoa tenha perdido, ela pode emitir a segunda via na recepção”, afirma.

Para emissão do documento, é necessário trazer a carteira de identidade e o cartão do SUS. Após a retirada do cartão, o paciente passa a ter acesso a todos os serviços da Fundação.

Continue lendo

SAÚDE

Programa oferta vacinação em domicílio para idosos e deficientes de Rio Branco

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: PMJ / Reprodução

Pessoas acima de 60 anos e deficientes terão um benefício a mais em Rio Branco. A partir de agora, o município passará a oferecer vacinação domiciliar. O programa que fará esse tipo de serviço foi regulamentado por meio da Lei N° 2411/2021 publicada hoje (14) no Diário Oficial do Estado (DOE).

O documento assinado pelo prefeito Tião Bocalom (PP), prevê tal benefício a pessoas que comprovadamente estejam “impossibilitadas de se deslocar até o posto de vacinação e para pessoas com deficiência, principalmente as que tenham dificuldades em locomoção”.

Segundo o dispositivo, “a adesão ao programa depende de indicação médica e se dará mediante cadastramento”. Com isso, a solicitação da inclusão no programa ficará a cargo do paciente, de seus familiares ou de procurador.

As vacinas que serão aplicadas poderão ser, conforme o decreto de Lei: contra a gripe (influenza), vacina contra pneumonia pneumocócica, vacina contra difteria e tétano (dupla bacteriana do tipo adulto-dt), febre amarela, hepatite; tríplice viral, meningite meningocócica e doses de reforço e/ou vacinas eventuais e obrigatórias.

Em meio à pandemia do Coronavírus, a lei não cita a ofertada da vacinação contra a Covid-19.

Continue lendo

SAÚDE

Promotora abre investigação contra agências bancárias que estão descumprindo normas sanitárias

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução

A Promotora de Justiça de Defesa do Consumidor do Ministério Público do Acre, Alessandra Garcia Marques, abriu procedimento preparatório para investigar agências bancárias de Rio Branco que estariam descumprindo as normas de biossegurança contra a Covid-19.

Para amparar o procedimento que foi publicado na edição do Diário Eletrônico do MP desta segunda-feira (13), a promotora citou artigos da Constituição Federal e também do Código de Defesa do Consumidor que reconheceu como direitos básicos dos consumidores “a vida, a saúde e a segurança”.

Alessandra não citou, no documento, quais as agências que serão investigadas e também quais instituições bancárias elas representam na capital, no entanto, a apuração ocorre mediante denúncias que de as entidades “estariam descumprindo as medidas de proteção contra a Covid-19, dispostas na Lei Municipal n.º 3.653/2020”.

Na portaria, a promotora delegou uma equipe para fazer os primeiros procedimentos da investigação, como encaminhar ofícios pedindo explicações sobre as denúncias. Não foi citado um prazo para a execução dos trabalhos.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia