Connect with us

SAÚDE

Cientista descobre que algumas das primeiras sequências do coronavírus na China foram apagadas

Pesquisando sozinho, o bioquímico Jesse Bloom recuperou os arquivos eliminados, que sugerem que o vírus já circulava em Wuhan antes do surto de dezembro de 2019

Publicado

em

El País

Uma pesquisa solitária de um prestigioso cientista norte-americano provocou um pequeno terremoto na investigação sobre a origem da pandemia. O bioquímico Jesse Bloom, do Centro de Pesquisa Fred Hutchinson, em Seattle, notou que algumas sequências genômicas dos primeiros casos de covid-19 na cidade chinesa de Wuhan haviam desaparecido de uma base de dados internacional. Num trabalho de detetive, deduzindo o nome dos arquivos, Bloom conseguiu recuperar as informações excluídas porque elas também tinham sido carregadas na plataforma Google Cloud, um espaço virtual de armazenamento. “Parece provável que as sequências foram eliminadas para ocultar sua existência”, diz o pesquisador em um rascunho de suas conclusões publicado nesta terça-feira.

Bloom afirma que as 13 sequências parciais que conseguiu reconstruir apresentam mutações que sugerem que o vírus já circulava em Wuhan antes do surto de dezembro de 2019 no mercado de Huanan. Sua polêmica pesquisa, que ainda deve ser revisada por outros cientistas, destaca três mutações presentes nos coronavírus do mercado, mas ausentes das sequências resgatadas agora e nos vírus de morcego relacionados com o SARS-CoV-2. Alguns especialistas acreditam que essa nova informação é fundamental. O geneticista Rasmus Nielsen, da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA), afirmou nas redes sociais que “estes são os dados mais importantes sobre a origem da covid-19 em mais de um ano”.

Outros especialistas, como o geneticista Fernando González Candelas, são muito mais céticos. “[Bloom] faz muito barulho com poucas provas, tudo para concluir que a pandemia não começou no mercado de Wuhan, o que já sabíamos, e que o vírus circulava antes do que foi dito, como ocorre sempre numa nova epidemia”, afirma González Candelas, professor da Universidade de Valencia (Espanha). “Apagar sequências de uma base de dados não é habitual, mas será preciso ver por que isso foi feito. Se quiserem especular, essa é uma boa arma para qualquer teoria da conspiração.”

Os arquivos foram suprimidos da base de dados SRA, pertencente aos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos EUA. Em nota nesta quarta-feira, a agência governamental explicou que apagou as sequências em junho de 2020 a pedido de um pesquisador chinês que tinha direitos sobre elas. O cientista indicou que as informações haviam sido atualizadas, que queria enviá-las a outra base de dados e que desejava eliminar a primeira versão para evitar confusões.

As indagações de Bloom indicam que as amostras daqueles pacientes de covid-19 foram colhidas pelo farmacêutico chinês Aisi Fu no Hospital Renmin da Universidade de Wuhan. Na época, Aisi Fu e seus colegas não esconderam o material. Ao contrário: usaram as informações para desenvolver um teste de detecção do coronavírus e publicaram um rascunho de seus resultados em 6 de março de 2020. Há justamente um ano, eles publicaram suas conclusões definitivas na revista especializada Small —um estudo com informações parciais das sequências que, com um formato pouco habitual e numa revista minoritária, passou despercebido. Tanto Bloom como a revista Science tentaram obter sem sucesso a versão dos pesquisadores chineses. O bioquímico norte-americano não encontrou as sequências apagadas em nenhuma outra base de dados.

Jesse Bloom pertence ao grupo de 18 cientistas de primeira linha que, em 13 de maio, pediram “uma autêntica investigação” sobre a origem da pandemia. Na opinião desses especialistas, “continuam sendo possíveis tanto a teoria de uma fuga acidental de um laboratório como a de um salto natural de outros animais”. O Instituto de Virologia de Wuhan, cujos laboratórios trabalhavam com o coronavírus desde antes da pandemia, está a 14 quilômetros do mercado de Huanan.

Numa carta publicada na Science, os 18 cientistas foram muito críticos em relação ao relatório da missão conjunta da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da China, cujos autores afirmaram, em março de 2021, que a hipótese da fuga de um laboratório era “extremamente improvável”, ao passo que o salto natural de um animal era “provável ou muito provável”.

O próprio relatório da OMS detalha 168 casos de covid-19 em Wuhan em dezembro de 2019, dos quais 47 associados ao mercado de Huanan. Outros 38 doentes haviam estado em estabelecimentos similares, mas não tinham visitado o de Huanan. O virologista Robert Garry, especialista em vírus emergentes da Universidade Tulane (EUA), detectou duas linhagens diferentes de coronavírus nesses primeiros casos vinculados com mercados de animais selvagens. Sua hipótese é que um progenitor do vírus nos morcegos saltou a outra espécie, alguns animais infectados foram capturados e os exemplares afetados —já com diferentes variantes do vírus por mutações em fazendas abarrotadas— acabaram sendo vendidos em diferentes mercados de Wuhan. Esse processo poderia ter levado décadas.

Uma equipe de cientistas chineses revelou, há duas semanas, que a maioria dos mercados de Wuhan vendia animais selvagens vivos de forma ilegal antes da pandemia. Uma das espécies comercializadas era o cão-guaxinim, um carnívoro do tamanho de uma raposa criado aos milhões nas fazendas de peles da China. O coronavírus da síndrome respiratória aguda grave (SARS), que apareceu na China em 2002 e provocou a morte de quase 800 pessoas, foi detectado num mercado de animais de Guangdong na civeta-das-palmeiras, um pequeno mamífero, e também no cão-guaxinim. O próprio Jesse Bloom reconheceu na Science que sua investigação de detetive “não reforça nem a hipótese da origem em laboratório nem a de uma zoonose [um salto de outros animais].”

Continuar lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAÚDE

Acre é o estado com menos mortes por Covid-19, diz Ministério da Saúde

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução

Acre é o estado com menos mortes por Covid-19. É o que apontam os dados divulgados ontem (22) pelo Ministério da Saúde ao somar as mortes ocorridas em todo o país nas últimas 24 horas. Segundo a autarquia, o Brasil somou 1.412 novas mortes, alcançando mais de 547 mil óbitos.

De acordo com o boletim epidemiológico do MS, a pandemia do país já deixou a marca de 19,5 milhões de pessoas infectadas e 547.016 mil mortes.

Centro da maior letalidade da doença, São Paulo registrou 1.793 vidas perdidas para a Covid-19. No total, aquele estado acumula 136.466 mortes, o que faz dele líder no ranking das estatísticas.

Vale lembrar que as informações do Ministério ficam sujeitas a alterações constantes, em razão das informações inseridas a partir de cada município na plataforma específica para contabilizar a situação epidemiológica no país.

BOLETIM DA SESACRE

No último boletim epidemiológico da SESACRE publicado nesta quinta-feira, mais dois óbitos foram registrados, fazendo com que o número oficial de mortes por Covid-19 suba para 1.793 em todo o estado.

Foram registros 87 casos de infecção por coronavírus, sendo 24 casos confirmados por exames RT-PCR, e 63 por testes rápidos, fazendo com que o número de infectados saltasse para 86.844 nas últimas 24 horas.

Continuar lendo

SAÚDE

Prefeitura de Rio Branco e Governo do Acre fazem mutirão de vacinação contra a Covid-19 neste fim de semana

Publicado

em

Por

Dircom

Para dar ainda mais reforço às ações de imunização contra o coronavírus, a prefeitura de Rio Branco, por meio da secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e o Governo do Estado, por intermédio da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre), estiveram reunidos na manhã desta quinta-feira, 21, para traçar as estratégias da vacinação que ocorrerá durante o próximo fim de semana.

O alinhamento entre as duas Secretarias de Saúde vai desde as questões de acondicionamento das vacinas da Pfizer, que requerem ambiente refrigerado, manuseio e infraestrutura com sinal de internet, ao cadastro, para evitar que pessoas tentem burlar o sistema e queiram se vacinar mesmo já sendo vacinadas com algum outro imunizante ou, até mesmo, fora do prazo estipulado.

Segundo o secretário da Semsa, Frank Lima, essa parceria com a Sesacre vai fortalecer mais o processo de imunização que objetiva alcançar a meta de vacinar 70% da população estimada de 284 mil rio-branquenses com idade acima dos 18 anos.

“Estaremos sexta-feira, 23 e sábado, 24, em oito pontos de vacinação, das 8h da manhã às 16h e, agora, incluindo a Biblioteca Pública, que fica ao lado do Colégio Cerb, no centro da cidade que vai estar atendendo o público com idade de 20 anos ou mais, das 8h da manhã às 22h, voltando a vacinar com a primeira dose”, explicou Lima.

Outra novidade é que as equipes de saúde irão usar o espaço da Escola Cívico Militar Wilson Barbosa, na Cidade do Povo, para aplicar também a vacina. “No domingo, 25, a vacinação não será interrompida. Em parceria com a Universidade Federal do Acre, vamos vacinar das 8h da manhã até às 17h, no Centro de Convenções da instituição. Então não tem desculpa, fique esperto e não deixe de se vacinar”, recomenda o secretário da Semsa.

Segundo a secretária da Sesacre, Paula Mariano, essa parceria com a Prefeitura de Rio Branco ocorrerá também com todas as prefeituras do interior.

“Sabemos das inúmeras dificuldades que muitas prefeituras no interior, principalmente, estão enfrentando para imunizar as pessoas. As condições geográficas, locais de difícil acesso, rios, ramais, igarapés, etc. Nosso braço do governo dará esses apoios logístico e pessoal necessários para que cada vez mais pessoas sejam imunizadas e tenhamos um ambiente sanitário mais seguro”, pontuou a gestora.

A vacinação para quem precisa tomar a segunda dose de reforço, permanece normalmente em todos os postos de vacinação, sendo que no Drive-Thru é apenas para quem já tomou a vacina Coronavac, do Instituto Butantan.

Pontos de vacinação

Sexta-feira, 23, e sábado, 24:

• Biblioteca Pública –  8h às 22h
• Conjunto Habitacional Cidade do Povo – 8h às 16h
• Urap Cláudia Vitorino – 8h às 16h
• Urap Eduardo Assmar – 8h às 16h
• Urap Vila Ivonete – 8h às 16h
• Urap Roney Meireles – 8h às 16h
• Urap Hidalgo de Lima – 8h às 16h

Domingo dia 25

Centro de Convenções da Ufac – 8h às 17h

Continuar lendo

SAÚDE

Sesacre registra 2 mortes e 87 casos de coronavírus nesta quinta, 22

Publicado

em

Por

Agência AC

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), por meio do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS), registra 87 casos de infecção por coronavírus nesta quinta-feira, 22, sendo 24 casos confirmados por exames RT-PCR, e 63 por testes rápidos, fazendo com que o número de infectados salte para 86.844 nas últimas 24 horas.

Até o momento, o Acre registra 236.445 notificações de contaminação pela doença, sendo que 149.591 casos foram descartados e 10 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen) ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux. Pelo menos 83.022 pessoas já receberam alta médica da doença, enquanto 31 pessoas seguem internadas até o fechamento deste boletim.

Os dados da vacinação contra a Covid-19 no Acre podem ser acessados no Painel de Monitoramento da Vacinação, disponível no endereço eletrônico: http://covid19.ac.gov.br/vacina/inicio. As informações são atualizadas na plataforma do Ministério da Saúde (MS), ficando sujeitas a alterações constantes, em razão das informações inseridas a partir de cada município.

Mais 2 notificações de óbitos foram registradas nesta quinta-feira, 22 de julho, sendo uma do sexo feminino e outra do sexo masculino, fazendo com que o número oficial de mortes por Covid-19 suba para 1.793 em todo o estado.

Óbitos masculino:

Morador de Rio Branco, J. B. S., de 55 anos, deu entrada no dia 20 de julho no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into/Ac), vindo a óbito no mesmo dia.

Óbito feminino:

Moradora de Mâncio Lima, M. S. L., de 57 anos, deu entrada no dia 25 de maio, no Hospital Regional do Juruá, e veio a óbito no dia 16 de junho.

Sobre os casos de Covid-19 no estado, acesse:

BOLETIM_AC_COVID_ 22-07-2021

Sobre a ocupação de leitos no estado, acesse:

http://covid19.ac.gov.br/monitoramento/leitos

Continuar lendo

Trending

www.acrenews.com.br é uma publicação da Acrenews Comunicação

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Endereço: Área rural, 204, Setor Barro Vermelho - CEP 69.923-899

Os artigos assinados não expressam a opinião deste site.

contato@acrenews.com.br

Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia