Connect with us

ACRE

Como um homem de 22 anos, vendedor de quinquilharias, está conseguindo mudar a história de crianças no subúrbio de Rio Branco, onde todo mundo acha que reinam as facções

Publicado

em

Por Evandro Cordeiro

A capital do Acre, Rio Branco, tem 212 bairros, maioria absoluta habitados por famílias de baixa renda. Em alguns deles a pobreza predomina abaixo da linha de miséria. Nos últimos 20, 30 anos os governos não investiram praticamente nada nesse subúrbio imenso, uma boa parte resultado de invasões. Os indicadores sociais são cruéis nessas regiões. Com isso, os filhos desse bolsão, quase indigentes, acabam virando estatísticas. Alguns que não morrem de fome são exterminados pela violência, depois de se alistarem no crime. Ou seja: os números são desalentadores e um desestímulo à vida. Tem gente que nem sonha mais. A sorte é a existência de alguns abnegados, que acendem feixes de luz em lugares tão escuros.

Lucas Bonnatchelly é esse garotão em pé, o primeiro da esquerda para a direita; queríamos mais fotos dele, mas preferiu aparecer junto com todo mundo

O Acrenews achou um desses sujeitos que não param de sonhar, independentemente do tamanho da adversidade: o Lucas Bonnatchelly Pinheiro Almeida, um “senhor” de 22 anos, casado há sete. Isso mesmo. Ele casou aos 15 anos de idade e toma de conta de sua família com a dificuldade peculiar de quem sobrevive como autônomo. O Lucas vende quinquilharias, lucra pouco, mas desse pouco empresta para a vizinhança de sua comunidade, a do bairro Rosalinda, no segundo distrito da capital, mais precisamente às margens da BR-364, sentido Porto Velho, também conhecido pela violência.

Com seus 1,85m de altura e 155kg de muita gentileza, o “Luquinha”, ou “Lucão”, se for considerar o tamanho do homem, e como ele é distinguido carinhosamente naquela região, pode não mudar o mundo, mas pelo menos deixa acesa uma fagulha de esperança. Ao reparar as necessidades dos vizinhos, ele pensou no futuro daquele povo. Criou uma escolinha de futebol, mesmo não tendo sido jogador, nem sendo um craque da bola.

Lucas chegou no Rosalinda em outubro do ano passado em meio a pandemia do coronavírus. Ele e a esposa trocaram o conjunto Universitário, na saída da capital para Cruzeiro do Sul, pela saída da cidade rumo ao Estado de Rondônia. “Onde eu chego a criançada faz logo amizade comigo e aqui não foi diferente. Cheguei, fiz amizade com todos, e com dois adultos, chamados Geovani e Sabá.  Disse a eles que queira ajudar aquele monte de menino que vi soltando profeta pelas ruas do bairro. Saiu a ideia da escolinha. Deu certo, graças a Deus”, conta.

O projeto do Lucas deu certo mesmo, porque no primeiro dia de “aula” se alistaram 27 crianças. Seis meses depois eles somam 41 alunos. Os dias de treino são quinta, sábado e domingo. Antes de entrar em campo, um desses de chão de barro comuns das periferias, a meninada primeiro toma café da manhã. O pão, café, leite e manteiga o Lucas Bonnatchelly consegue no dia anterior. “Quando não tenho dinheiro eu peço”, diz ele, bem objetivo. Alguns comerciantes do bairro fazem questão de ajudar, segundo o “professor” Bonnatchelly. “Dia de sábado tem um comerciante que doa as frutas para o café”, conta.

O trabalho do Lucas e dos parceiros Geovani e Sabá é tão promissor que começa a alcançar até as meninas do bairro. Clientes da esposa do Lucas doaram bolas de vôlei para o projeto delas. A esposa de Lucas, a Isabela Carolina, junto com outro parceiro, Elvandio Venâncio, são responsáveis para buscar patrocínio para os sacolões, outra iniciativa social deles. De vez em quando as famílias em situação mais vulnerável são abençoadas por uma feira.

LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA EM CAMPO

A ideia do Lucas reacendeu a esperança de gente sem perspectiva e começa a materializar sonhos. Algumas famílias estão entusiasmadas com a ideia de ver os filhos dentro daquele campo de barro, driblando a fome e o crime. O coordenador do projeto, mesmo com pouca instrução do ponto de vista da educação física, da didática, faz o que pode, utilizando boa vontade. Dividiu a garotada por idade. Tem o time dos meninos de 5 a 12 anos, e dos 12 até os 18. Está dando super certo, segundo o empolgado Lucas.

Na hora certa, diz ele, chega todo mundo. Essa hora é às 7 da manhã. Depois do café, bola e sonho. A vestimenta para os treinos é um surrado material que o Lucas comprou há cinco meses, mas ninguém se incomoda com isso. O sonho fica bem acima de um colete surrado. “A coisa está tão legal que mais pessoas do bairro estão ajudando a gente. Muitos voluntários”, conta o Lucas.

O objetivo do Lucas e seus amigos é ousado. Ele pensa em trocar a fama do bairro, de violento, para um bairro conquistador de medalhas no esporte. Para isso conta com a solidariedade. Disse que não tem vergonha de pedir porque o que está em jogo é, no fundo, a vida de maioria daqueles meninos, que depois da linha divisória do campo só a sorte ou um propósito de Deus pode os salvar. “Peço mesmo. Peco pelas nossas crianças porque evito, assim, que estas entrem nas drogas, principalmente nessa época de pandemia, quando ninguém tem para onde ir, ficando ainda mais vulnerável”, diz.

O KIT DE NECESSIDADE DOS MENINOS DO ROSALINDA

O Lucas fez uma lista dos itens de primeira necessidade para tocar a escolinha do Rosalinda e ajudar Governo e Prefeitura a evitar a entrada de muitos daqueles meninos no crime.

VEJA

Bolas de futebol

Coletes

Bolas de vôlei

Rede de vôlei

Cones para os treinos

Pratos de plástico

Luvas para goleiro

Sacolões

Chuteiras com números entre 35 a 42

COMO AJUDAR O LUCAS

Caso a história do Lucas com a comunidade Rosalinda tenha tocado o coração de alguém, o contato dele é o (68) 98110-5768.

Continuar lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ACRE

Morre “Gouveão”, antigo servidor da Assembléia Legislativa e tio do ex-capitão Carlão, da seleção de vôlei

Publicado

em

Por

Um dos profissionais mais queridos da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) morre neste primeiro dia de agosto. Informações preliminares dão conta de que seu Cleomar Gouveia foi vítima de um câncer pulmonar.

Seu Cleomar deixa três filhos: Sandro, Sandra e Junior. A família, através das redes sociais, vai se pronunciando aos poucos. “Um segundo pai para todos os sobrinhos: assim era tio Gouveia”, publicou a sobrinha Naluh Gouveia.

“Tio, como eu te amo! Tá passando um filme na minha cabeça”, lamentou Ethiene Gouveia.

Centenas de mensagens com homenagens para seu Cleomar invadem as redes sociais. O velório acontece neste domingo (1) no Morada da Paz; o enterro acontece na segunda-feira (2).

Com informações ContilNet.

Continuar lendo

ACRE

Governador participa de carreata com o Club do Fusca neste domingo

Publicado

em

Por

O governador do Acre, Gladson Cameli, foi um dos convidados para o evento Fotos: Odair Leal/Secom

Agência AC

Criado há sete décadas, o carro que nasceu com a missão de ser popular, mesmo deixando de ser fabricado mundialmente, ainda ganha destaque com seus colecionadores. Neste domingo, 1º, vários exemplares e até versões melhoradas do fusca ganharam a BR-317 e fizeram um verdadeiro desfile, em uma carreata que arrancava olhares por onde passava.

Neste domingo, 1º, vários exemplares e até versões melhoradas do fusca ganharam a BR-317 e fizeram um verdadeiro desfile, em uma carreata que arrancava olhares por onde passava Fotos: Odair Leal/Secom

O governador do Acre, Gladson Cameli, foi um dos convidados para o evento. Ele participou conduzindo a liderança do passeio, dirigindo um dos exemplares do veículo cedido pela organização do evento. O grupo foi até o município de Xapuri.

“Fico grato pelo convite e vejo como uma forma de estar presente, perto das pessoas, prestigiando, acompanhando e estimulando eventos como estes, que acabam se tornando opções de entretenimento, não só estes como outros grupos e eventos. Eu particularmente gosto e por isso faço questão de participar”, disse o governador.

Atualmente com mais de 60 adeptos, a Associação Fusca Club Acre existe desde 2009, sendo fundada oficialmente em 2014. Segundo o presidente da associação, Genival Sombra, os passeios ocorrem costumeiramente aos fins de semana, como forma de entretenimento, exposição e conquistar novos adeptos.

Atualmente com mais de 60 adeptos, a Associação Fusca Club Acre existe desde 2009, sendo fundada oficialmente em 2014 Fotos: Odair Leal/Secom

“Nos entramos em contato com a equipe do governador durante um evento que anunciava a reforma de um fusca da Polícia Militar e resolvemos convidá-lo. Hoje está presente conosco aqui e é uma honra recebê-lo. Precisamos de estímulos como este, tornar nosso grupo reconhecido e trazer novos adeptos”, destacou Genival.

Amante de fuscas desde criança, acompanhando o mesmo gosto do pai, Rui Barros, de 28 anos, adquiriu seu exemplar há 5 anos. Para ele foi uma conquista que pretende passar por gerações.

“Comprei meu fusca através de um anúncio na Internet. Ele era de um padre que morreu e ficou muito tempo guardado numa garagem, até que a família decidiu vender. Comprei, reformei, mudei o motor, tapeçaria, pintura e hoje está aí, em pleno funcionamento. Cuido com maior amor e pretendo repassar essa paixão também para os meus filhos”, finalizou.

Continuar lendo

ACRE

Amigos pedem ajuda para Mestre Juca, intubado em estado grave com Covid

Publicado

em

Por

José Carlos Gomes Guimarães, o popular Mestre Juca, se encontra há mais de 10 dias entubado na UTI do INTO de Rio Branco. Portanto, a família de Juca está precisando de ajuda para custear algumas despesas de seu tratamento. Segundo o historiador e ex-aluno de Juca, Enilson Amorim, o Mestre, que é 7º DAM de Taekwondo, é tido como o precursor deste esporte olímpico em terras acreanas, já no início dos anos 90. “Ele chegou a ministrar aulas gratuitas de Taekwondo para crianças que viviam em situação de vulnerabilidade social e eu sou prova viva deste fato, considerando que eu também fui um destes garotos que entraram neste projeto maravilhoso”, conclui emocionado um dos mais importantes escritores de temáticas amazônicas e membro da Academia Acreana de Letras – AAL, Enilson Amorim.

“Este é um momento muito doloroso para a família, considerando que o estado de saúde de meu cunhado José Carlos é gravíssimo.  E está precisando de nossa ajuda. Pode ser com orações e também ajuda financeira, considerando que a esposa dele está tendo muitos gastos. Para isso, estamos fazendo uma rifa. Para participar, basta depositar 10 reais via PIX 68992143866 em nome de José Evandro e a pessoa concorrerá através de um sorteio pela cartela da sorte, um creme hidratante da boticário e duas travessas da marca Tupperware. Agora, quem quiser fazer doação para o Mestre de forma anônima, podem estar enviando para o PIX de sua esposa Josicleia Martins 95002456200”, finalizou a cunhada do Mestre, Marlizete Silva.

Continuar lendo

Trending

www.acrenews.com.br é uma publicação da Acrenews Comunicação

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Endereço: Área rural, 204, Setor Barro Vermelho - CEP 69.923-899

Os artigos assinados não expressam a opinião deste site.

contato@acrenews.com.br

Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia