Connect with us

ESPORTE

Amarildo – Jogador fez história nos gramados e nas quadras

Publicado

em

Por Na Marca da Cal/Imagem: Reprodução

O cidadão Amarildo Henrique Rosas da Cruz Veras veio à luz no dia 6 de junho de 1962, na cidade acreana de Tarauacá. Poucos anos depois, ele mudou com a família para Cruzeiro do Sul, onde deu os primeiros chutes numa bola de futebol, em peladas nas praias formadas nos períodos de seca do rio Juruá. Um futuro brilhante apontava para as pernas do então menino.

A habilidade, a velocidade e o jeito de jogar sempre de modo vertical definiram logo que ele deveria ser atacante. E foi assim que ele chegou aos times mirins do Náuas e do Juruá. A posição o acompanharia depois que ele se mudou para a capital Rio Branco, em 1975, e jogou, sucessivamente, nos dentes de leite da Rodoviária, do professor Rivaldo Melo, e do Juventus.

O ex-atacante disse não lembrar qual o adversário ou o placar da sua estreia em um time adulto. O que ele afirmou com certeza foi que ainda era adolescente quando vestiu a camisa do Vasco da Gama nessa categoria, depois de ter participado de uma “peneira”, no Campo da Fazendinha (sede campestre do Almirante), e foi selecionado pelo presidente Almada Brito.

“Eu não cheguei a jogar em times de juvenis ou juniores. Pulei direto da categoria infantil para a de adulto. Na época, o professor Almada resolveu formar um time só de garotos, porque o clube andava com o caixa baixo para fazer contratações. Já comecei como titular. Era tudo menino bom de bola, que não tremia quando enfrentava os times grandes”, contou Amarildo.

Juventus – 1979. Em pé, da esquerda para a direita: José Francisco, Dantinha, Álvaro Curu, Amarildo Veras, Richard e Carlos. Agachados: Fugiwara, Pereira, Viana, Cirênio, Mundoca e Elísio. Foto/Acervo Álvaro Melo.

Outros clubes e carreira nas quadras

Depois da temporada no Clube da Cruz de Malta, o futebol incisivo do Amarildo Veras chamou a atenção dos cartolas e ele, até o fim da carreira, no início da década de 1990, acabou vestindo as camisas dos seguintes times: Andirá, Floresta, Amapá, Brasil do Buldogue, Atlético, Juventus e Independência. “Eu jogava onde me chamassem”, explicou o ex-atacante.

Brasil do Buldogue – 1980. Em pé, da esquerda para a direita: Franco, Amarildo Veras, Alberto, Roque, Carlinhos Magno e Mário Kempes. Agachados: Assis, Guto, Afonso, Elísio, Careca e Cleber. Foto/Acervo Alberto Lima.

Paralelamente à atividade nos gramados, ele disputou, também em alto nível, campeonatos de futebol de salão e futsal. “Quando acabava o campeonato de campo, eu migrava para o futebol de salão. Eu era ala. Nessa modalidade, eu disputei competições por Andirá, Teleacre, Assermurb, Banacre, Juventus, Independência e Amapá”, garantiu Amarildo Veras.

Seleção Acreana de Juniores – 1981. Em pé, da esquerda para a direita: Carlos Augusto, Mário Jorge, Gilmar, Jaime, Tonho e Erivaldo. Agachados: Amarildo Barata, Roberto Ferraz, Gil, Pingoncinha e Amarildo Veras. Foto/Acervo Francisco Dandão

Desse tempo de bola, Amarildo considera inesquecível um jogo pelo Amapá, contra o Rio Branco. De acordo com o ex-atacante, ele teve que deixar o campo aos 15 minutos do segundo tempo, depois de levar uma entrada violenta. O Diabo Laranja (Amapá) havia esgotado as substituições. Então, apesar da dor, ele voltou e marcou os dois gols da virada do seu time.

Atlético Acreano – 1986. Em pé, da esquerda para a direita: Carlinhos Magno, Pompeu, Jaime, Pintão, Ricardo e Xepa. Agachados: Amarildo Veras, Neném, ,Zito, Manoelzinho e Anísio. Foto/Acervo Francisco Dandão.

A propósito de entradas violentas, Amarildo citou dois zagueiros que costumavam jogar na base do pontapé: Lécio e Deca. Mas, apesar da pancadaria, nenhum dos dois lhe assustavam, porque, segundo ele, mesmo quando era escalado para jogar pelos lados do campo, dava sempre um jeito de levar a bola pra dentro da área, onde qualquer pancada podia virar pênalti.

Pagamento em quilos de carne e destaques

Amarildo contou divertido que não ganhou praticamente nada com o futebol. “Eu jogava por puro prazer. Quando eu estava no Atlético, o pagamento era um quilo de carne por semana, dado por um fazendeiro/torcedor. No Amapá, eles pagavam o aluguel de um quarto. E no Juventus, o que eu ganhei foi dois braços quebrados”, afirmou gargalhando.

Quanto a figuras consideradas de destaque no esporte acreano, Amarildo Veras citou o dirigente Elias Mansour (Juventus), os técnicos Elden Guedes Fuzarca (futebol de campo) e Álvaro Melo Curu (futebol de salão) e o árbitro Wagner Cardoso de Lima, a quem ele chama carinhosamente de Esfola Gato. “Todos excelentes”, garantiu o ex-atacante.

No quesito seleção de campo, o ex-craque se incluiu na lista e escalou o seguinte time: Xepa; Antônio Maria, Neórico, Paulão e Duda; Emilson, Mariceudo, Carlinhos Bonamigo e Dadão; Amarildo e Paulinho Rosas. Já o quinteto perfeito de futebol de salão/futsal, no qual ele também teria presença certa, formaria com: Lauro; Viana, Tião Nemetala, Mundoca e Amarildo.

Prestes a completar o seu tempo como funcionário público, Amarildo disse que sonha com uma aposentadoria numa praia. Fora isso, ele garantiu que não pensa mais em futebol como atividade. Só quer seguir torcendo pelo seu Fluminense. Mas não se omitiu em dar um conselho para os garotos que queiram brilhar no esporte: “não ter nenhum vício e respeitar o próximo”.

Banacre – 1986. Em pé, da esquerda para a direita: David Abugoche, Braña, Jorge, Amarildo, Nande, Nelsinho e Paulo Facão. Agachados: Medeirinho, Altair, Bé, Dô e Casquinha. Foto/Acervo Celso Ronaldo.
AJ Juventus master – 1999. Em pé, da esquerda para a direita: Davi Abugoche (técnico), Hudson, Dadão, Carlinhos Bonamigo, Nande, Zito e José Pinto (Diretor). Agachados: Amarildo, Pedrinho, Venícius Martins, Jorge Carlos e Mário Jorge. Foto/Arquivo Pessoal Manoel Façanha.
Fac símile do Jornal Opinião de 08 de maio de 2021
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ESPORTE

FUTEBOL FEMININO São Francisco atropela o Andirá; Assermurb vence na estreia

Publicado

em

Por

Na Marca da Cal por Manoel Façanha

A Assermurb estreou com vitória na disputa do primeiro turno do Campeonato Acreano de Futebol Feminino. Na noite desta quarta-feira (22), no estádio Florestão, com um gol a cada tempo de jogo, a equipe sindical derrotou o Vasco da Gama por 2 a 0. Lorena abriu o placar no jogo aéreo para o time da Assermurb, após escanteio na direita. Mari deu números finais ao confronto na etapa complementar.

Com a vitória, a Assermurb divide a liderança da competição ao lado de São Francisco, Vasco da Gama e Rio Branco. Os quatro times somam três pontos ganhos, mas o primeiro e o quarto jogaram apenas uma partida.

Na abertura da segunda rodada, o time católico do São Francisco deu um verdadeiro passeio em cima do frágil time andiraense por 14 a 0.

O passeio começou ainda nos primeiros minutos de partida e foi para o intervalo com o placar favorável ao time católico por 9 a 0.

Na etapa complementar, o São Francisco marcou outros cinco gols e o placar ainda poderia ter sido bem maior, mas algumas jogadoras do morcego alegaram problema clínico e deixaram o gramado, assim com o número de atletas andiraense não sendo suficiente para a partida prosseguir. O árbitro Ruan Santos cumpriu a regra e encerrou a partida aos 33 minutos.  

Continue lendo

ESPORTE

Galvez toma dois gols no segundo tempo e está eliminado da série D, em jogo disputado esta tarde no Ceará

Publicado

em

Por

O Guarany de Sobral é o último clube classificado para as oitavas de final do Campeonato Brasileiro Série D. O Cacique do Vale venceu o Galvez por 2 a 0, na tarde desta segunda-feira (20), no estádio do Junco, em Sobral, no interior do Ceará, e garantiu a vaga entre os 16 que seguem na briga pelo acesso à Série C.

Os gols da partida foram marcados no segundo tempo. Aos 14, Daniel Passira abriu o placar de cabeça. Nos acréscimos, aos 50, quando o Galvez estava todo no ataque buscando o empate, João Gabriel aproveitou contra-ataque para fechar o marcador e selar a classificação cearense.

Continue lendo

ESPORTE

Galvez enfrenta Guarany de Sobral por vaga nas oitavas da série D, nesta segunda, 19, no Ceará

Publicado

em

Por

Bem longe de casa, na cidade de Sobral, interior do Ceará, o Galvez decide hoje seu futuro na série D. O time do Acre enfrenta os donos da casa, o Guarany por uma vaga na próxima fase da série D.

Na semana passada em Rio Branco, as equipes empataram sem gols e uma vitória por qualquer placar coloca o “Imperador” nas oitavas da competição.

O técnico Célio Ivan não tem desfalques para o confronto e aposta na qualidade do seu ataque para trazer a classificação.

A partida será disputada no estádio do Junco, às 15h (de Brasília). Quem se classificar vai encarar o Campinense-PB nas oitavas de final.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia