Connect with us

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | Semana decisiva: MDB quer Zamora vice de Mara e Jenilson candidato ao Senado no lugar da Jéssica; Gladson precisa decidir vice

Publicado

em

Essa semana é decisiva para a montagem de chapas. Até sexta-feira, 5 de agosto, cada partido terá que está com seus candidatos todos agasalhados nos seus devidos lugares. Com exceção de PSD e PSOL, os demais ainda estão espiando para anteontem, como dizia minha avó. O próprio governador Gladson Cameli (PP) ainda não tem um vice definido, uma vez que Alan Rick (UB) precisará esperar pela movimentação do presidente de seu partido, o Senador licenciado Márcio Bittar, assim como o MDB, que nem vice tem, muito menos candidato ao Senado. Fontes do partido confirmam que o desejo é ter o fazendeiro Fernando Zamora (PRTB) como vice de Mara Rocha e Jenilson Leite, do PSB, candidato a Senador no lugar de Jéssica Sales, que anunciou sua renúncia da briga pelo Senado, em razão de convalescer de um câncer. Nem Flaviano Melo, nem outras lideranças emedebistas querem falar sobre na manhã desta segunda-feira, primeiro de agosto. Os dedos estão cansados de ligar para eles. Só quem atende é o pessoal do andar de baixo. Há informações, contudo, segundo as quais faltaria pouco para o acerto com Zamora. A condição seria ele levar para chapa maioria do pessoal do agronegócio, o que não estaria sendo fácil em decorrência de parte deles está apoiando a reeleição do governador Gladson, além de outros acertos em relação a estrutura financeira. Fala-se até em valores. O caso do convite a Jenilson Leite é um tanto diferente. Está sendo tratado mais discretamente. Á coluna, Flaviano disse, no final de semana, quando me atendeu, que nada tratou foi com o Senador Márcio Bittar.

Que susto!

Pois é, a morte ainda nos dá sustos. Tão corriqueira como o verão, mesmo assim faz a gente desabar quando ronda numa circunferência em que a vista alcança. Neste domingo, 31 de julho, no início da tarde cai do sofá com a notícia da partida, sem barulho, do meu amigo e irmão Ely Alves, conhecido na praça esportiva do Acre inteiro como “Velho”. Partiu sem combinar com a gente, como diria Rolando Boldrin.

Ely Alves, o “Velho”, faleceu no domingo, 31, de infarto

O “Velho”, de velho, não tinha nada. Só aquelas passadas lentas lhe faziam parecer um antigo na vida. Ele era novo demais com seus sonhos. Partiu abruptamente, traído justamente por aquele órgão de seu corpo que, pelo que a gente sabe, não traia a ninguém, o inexplicável coração. Muitos têm morrido recentemente de forma equivalente e isso tem nos assustado de tal maneira. Corre até a boca miúda que, depois da Covid, a ocorrência de infarto virou rotina. Não tenho números, mas pelo noticiário oral é fato. Não há argumento, portanto. É um susto atrás do outro.

Mas quero centrar no susto que a partida do “Velho” Ely me deu. Foi danoso. Precisei ir na drogaria tomar alguma coisa para amenizar a pressão, espairecer. As minhas razões são muitas, como são as razões de centenas de pessoas que lamentam desde ontem a ‘passagem’ dele. De Mâncio Lima a Assis Brasil tem luto, porque o “Velho” foi diferente em vida e não poderia ser indiferente na morte. Tinha qualidades de saltar os olhos, embora humano com defeitos, também. Uma das virtudes desse moço: era a essência da empatia. Flagrei muitas vezes ele buscar de onde não tinha para socorrer um desvalido. Era o “Velho” do esporte e da vida. Ele adorava o desporto, mas se sacrificava por causas fora das quadras e dos campos, com igual desenvoltura. Um homem bom, que me deu a honra da amizade, da parceria honesta, sobretudo quando precisei. Em 2020, por exemplo, ao disputar as eleições para vereador, me socorri a ele, porque nele tinha muito daquilo que os políticos precisam e o “Velho” me emprestou o melhor, seu indiscutível prestígio.

De tanta convivência, eu não poderia ter estado longe horas antes do ‘desaparecimento’ dessa lenda. No sábado, 30, ficamos a tarde e início da noite juntos, numa alegria que só entendi quando recebi a notícia de sua baixa a campa fria. Era a despedida do nosso “Velho”. Nem ele, nem nós, desconfiávamos, como sempre acontece antes das partidas. Tenho orgulho de dizer que ele bebeu a última Coca-Cola da minha garrafa de vidro, um exemplar raro que encontramos na lanchonete mais improvável da Custódio Freire. Ele comeu a panqueca, bebeu a Coca e foi simbora. Simbora pra casa e menos de 24h depois, simbora dessa terra de desigualdade. Só tem um pitoresco detalhe: não foi sem deixar, a mim e a nossos colegas de futebol amador, e a todos que o admiravam, as lições mais incríveis.

Vai simbora, “Velho”, porque aqui tu deixou um legado de quem ama o esporte, as pessoas e a vida. A gente levou um susto, é bem verdade, mas as horas estão se passando e vai dando para entender que a gente começa a morrer no dia que nasce, impreterivelmente, só não sabemos quanto tempo durará essa morte. Tomara que eu possa, antes da minha partida, fazer pelos meus pariceiros ao menos um pouco daquilo que você fez, sempre pautado pelo amor de Cristo, sobre o qual nós falamos no último jogo.

Vai que é tua, “Velho” Ely! Deus é bom o tempo todo.

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | Gladson terá um coordenador de campanha que conhece o Governo e o governador como pouca gente; e fala pouco

Publicado

em

O coordenador da campanha à reeleição do governador Gladson Cameli (PP) tem os predicados suficientes para conduzir um processo que não é para amadores. É o Rômulo Grandidier, figura silenciosa, mas operacional no limite. Fala só o necessário. Grandidier chegou na metade da gestão e deu uma aprumada no rumo político, façanha reconhecida, inclusive, pela maioria esmagadora dos deputados estaduais e da bancada federal. Ele, principalmente, serenou a relação do Palácio Rio Branco com a classe política, sempre separada por um fio. Com todo respeito aos coordenadores dos demais candidatos ao mesmo cargo, com o ‘Francês’ o Cameli parte com uma quilometragem a mais, no que pese o dono do poder de reconduzir o governador ao cargo seja o eleitor. Nesse caso, Rômulo é só facilitador.

Primeira suplência

Só tem uma chance de o médico Carlos Beirute desistir de sua candidatura ao Senado pelo PSDB: oferecerem a ele uma primeira suplência.

Pastor Arnaldo

Conhecido por seu trabalho de receber arrependidos das facções, o pastor e vereador Arnaldo Barros (Podemos) anunciou oficialmente sua candidatura a deputado estadual. Como seu trabalho está chegando no interior, melhor não menosprezar o sonho dele de chegar a Assembleia Legislativa.

Vácuo do vice

Cesário Braga, presidente licenciado do PT e candidato a deputado estadual, está pegando o vácuo deixado pelo Marcus Alexandre, que foi ser vice de Jorge Viana (PT). Agora há pouco ele soltou uma notinha informando está colado no ex-prefeito que também já estava em campanha para estadual.

Bem-vindo

Nesta segunda-feira, 15, temos novo colega Colunista aqui no AcreNews, o publicitário Fredson Camargo. Fazendo boas análises nas redes sociais, convidamos ele para protagonizar pela plataforma de um site com quase 2 milhões de views mensais.

Embolado

Numa dessas enquetes de rede social a briga pelo Senado estava embolada até agora há pouco entre Ney Amorim (Podemos), Alan Rick (UB) e Vanda Milani (PROS). Mas isso é rede social. Tem pouco proveito científico, apesar de mostrar alguma coisa.

Pop star

Antes de ir à missa neste domingo, o governador Gladson Cameli deu uma passada pela praça em Cruzeiro do Sul. Resultado: por pouco não perde a missa. As pessoas queriam fazer selfie com ele.

Otimismo

Mesmo com os números de Petecão (PSD) emperrados nas pesquisas, a coordenação de campanha dele nem bate a passarinha. Está certa de que, nas ruas a partir desta terça, ele vira o jogo. É otimismo para mais de metro e que não deve ser desprezado.

Bolão

Orleilson Cameli, filho do ex-governador Orleir, está batendo um bolão nos bastidores, como candidato a deputado federal recém-anunciado pelo PDT. O trocadilho tem sentido, porque o apelido do empreiteiro é Zico.

Voto útil

A tendência começa a ser notada nos bastidores, com a candidatura do PT lançada de última hora. Nego que estava pensando em fazer aventura, vai logo cravar no governador Gladson Cameli para não correr risco. Melhor os convites dos demais candidatos aceitarem essa realidade.

Na espera

O Palácio Rio Branco continua apostando na prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem (PT). Ouvi agora há pouco.

Continue lendo

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | Pela primeira vez uma eleição no Acre vai ter nove pessoas disputando o Senado, exatamente quando só tem uma vaga

Publicado

em

O Acre, como todos os demais Estados da Federação, tem três Senadores, com mandatos de oito anos. A escolha acontece a cada quatro anos, sendo que numa vez escolhe dois, noutra um. Esse ano, é a vez de eleger só um. E é exatamente esse ano que estão na disputa o maior número de concorrentes da história. São nove, com pelo menos três meio embolados, ao menos segundo as últimas pesquisas. Na verdade, isso é bom para o eleitor, que tem a opção de escolher da forma como faz as compras no mercado. As alternativas são diversificadas, para todos os gostos, desde os mais liberais, até xiitas da esquerda.

Vejamos a lista: Alan Rick (UB), Jenilson Leite (PSB), Ney Amorim (Podemos), Márcia Bittar (PL), Vanda Milani (PROS), Sanderson Moura (PSOL), Dimas Sandas (Agir), Dr. Carlos Beyrute (PSDB) e Nazaré Araújo (PT).

Se para apenas uma vaga surgiram tantos concorrentes, vamos imaginar antecipadamente o cenário de 2026, quando haverá disponibilidade de duas vagas…O Senado, admitem os políticos, é o paraíso dos cargos eletivos. São tantas vantagens que o Senador Sérgio Petecão me disse um dia que passou um ano para descobrir tantos direitos que tem um Senador.

Traque

Informação quentinha, depois de uma pesquisa interna desta sexta-feira, 12, em que o pessoal do vermelho se decepcionou com os números, broxantes para quem se auto anunciou como tendo sido cobrado pelo povo para disputar a eleição: a coordenação da campanha vai sugerir o descolamento da campanha do Lula, para ver se melhora a performance.

Embolou

Klemer

O cenário político pós-convenções partidárias ainda está uma embuança, como diz o acreaníssimo Antônio Klemer, em acreanês clássico.

Muita gente foi cortada e aparada, outro tá ariado, que nem cachorro de seringueiro em caminhão de mudança.

Aliás, me contaram que Klemer está percorrendo varadouros e botando aratacas, atrás de recursos para publicar nova Edição do Manual de Sobrevivência na Terra Onde O Cupuaçu Abunda, um capitão de acreanices dialectológicas que a mundiça lambe os beiços pra possuir na cabeceira.

Quem quiser ajudar, avie!

Dilema

A Igreja Assembleia de Deus Rio Branco, presidida pelo pastor Luiz Gonzaga, está vivendo um dilema nessa eleição: suas duas fiéis mais fiéis, Jesuíta Arruda e Mailza Gomes, estão na disputa eleitoral em campos opostos. Jesuíta é candidata a deputada federal pelo PSD de Petecão, Mailza é vice de Gladson Cameli (PP). E agora, Senhor?

Romaria da bispa

Antônia Lúcia, candidata a deputada federal, e Jairo Carvalho, candidato a estadual, pelo Republicano, estão andando igreja por igreja na companhia do sogro de Jairo, Pedro Abreu, que é presidente da Convenção Estadual da Assembleia de Deus. Se vai dar certo, só Deus sabe.

Sem suplente

Candidato a Senador dos mais bem colocados nas pesquisas, Alan Rick (UB) ainda não tem seu primeiro suplente definido. Até terça-feira, 16, tem que ter essa figura para apresentar a sociedade.

Sai na frente

Ney Amorim, candidato a Senador pelo Podemos, deu um passo decisivo ao convidar e ouvir um sim da primeira-dama de Cruzeiro do Sul, Lurdinha Lima, para ser sua primeira suplente.

Forte demais

Pelas informações sobre os quais tive acesso nas últimas horas, vai ser difícil derrotar o governador Gladson Cameli (PP). Ele foi bom para servidor público e gerenciou a pandemia como nenhum governador no Brasil.

Finalmente

Márcio Pereira deu uma movimentada na secretaria de Turismo, borocoxo até ele assumir. Está preparando uma grande divulgação da Expojuruá, marcada para acontecer entre os primeiro e quatro de setembro na Arena Juruá, em Cruzeiro do Sul.

Afugenta candidato

Enganado por todos os candidatos que apoiou nas últimas cinco eleições, um famoso pastor do Calafate, presidente da maior igreja daquela região, estabeleceu uma proposta tão dura para futuros visitantes candidatos que, segundo ele mesmo, poucos pretensos devem ter coragem de, inclusive, iniciar uma conversa.

Briga no ninho tucano

Ainda não está resolvida a pendenga entre o deputado estadual Luiz Gonzaga e a direção de seu partido, o PSDB. O desfecho pode ser muito ruim para o parlamentar, uma vez que a executiva nacional se absteve da confusão.

Giro da PM

Miguel com o pai, Natanael, e o grupamento do Giro

O João Miguel, meu sobrinho neto, completou cinco anos nesta sexta-feira, 12, e fez um pedido inédito aos pais: que o tema da festa fosse o Giro da Polícia Militar do Acre. Foi atendido. O bolo e os demais adereços todos lembravam esse batalhão sobre motocicletas da PM. A maior surpresa para ele, no entanto, foi a presença de uma guarnição na hora da festa. Os militares chegaram em suas motos e o Miguel, claro, quase desaba de tanta alegria. Aos militares ele disse o seguinte, depois de servir o lanche: “Quero ser igual a vocês quando crescer”.

É a Polícia Militar do Acre, uma das mais honestas do Brasil, mais bem paga, chamando a atenção da turminha da primeira idade.

Continue lendo

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | “Depois da eleição vou continuar trabalhando muito e em parceria com o governador eleito”, é o pouco que diz Bocalom

Publicado

em

O prefeito Tião Bocalom (PP) está fugindo de polêmica. Está economizando palavras, principalmente sobre a disputa eleitoral. Informa estar mais interessado na própria gestão. Quanto a eleição só lamenta não ter oportunidade de votar na Senadora Mailza Gomes (PP), porque tem compromisso com o Senador Sérgio Petecão (PSD). “Tenho palavra”, lembra. Ainda fala alguma coisinha sobre o futuro, depois das eleições, quando quer seguir trabalhando, de preferência em parceria com o governador eleito. Reafirma que vai votar em Márcia Bittar (PL) para o Senado. Não quis falar sobre Jorge Viana, do PT, nem de nenhum outro candidato. “Estou bem aqui no meu canto, sem me indispor com ninguém”, disse a coluna.

Condenados publicamente

Algumas operações policiais dos últimos tempos, midiáticas, tem destruído muita gente publicamente, depois achadas inocentes. A última, aquela operação que prendeu um monte de servidor da Assembleia Legislativa. Nesta quarta-feira, 10, a Justiça inocentou a todos.

Democracia em risco?

O que uma disputa eleitoral não faz. Veja a esquerda fazendo todo um movimento, disse que em nome da democracia. Criaram até uma carta para ser assinada pelo povo. Nunca a democracia esteve tão a salva no Brasil. Perigo é o que pode estar pintando por aí com uma possível volta da esquerda.

Ameaça real

Como diz o vereador N Lima (PP), pior que a corrupção em governos de esquerda, é a ameaça à democracia que eles sempre foram. Sempre bom lembrar da fala de Lula na criação do Fórum de São Paulo, quando prometeu um dia estabelecer o socialismo no Brasil.

Nome forte da Baixada

A Baixada da Sobral será, como em toda eleição, disputada por metro quadrado, mas dessa vez terá um candidato bem caseiro, o Sérgio, irmão do Rufino, do supermercado, que abiscoitou 1,4 mil votos na eleição de 2018. Melhor ainda: ele trabalhará na baixada colado com um federal de peso, o José Adriano da Fieac. O aperto de mão entre eles (foto) foi dado esta manhã de quinta-feira, 11.

Maionese

Jorge Viana (PT) está dizendo por aí que o povo “clamou” a sua volta a política. Só precisa saber quem foi esse povo. Um ou outro cargo comissionado dos governos deles estão se apresentando. O resto sumiu no cipoal, como os nove leprosos que Jesus curou.

Dom Moacir

Ainda segundo Jorge Viana, Dom Moacir teria lhe pedido um dia para que ele não fosse indiferente com pessoas que sofrem. Um internauta gaiato abarcou: “O senhor tem uma aposentadoria gorda. Aliás, duas. Dívida com os pobres e estará atendendo a Dom Moacir”.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Soluções Tecnológicas