Connect with us

COLUNAS

O consórcio para derrubar o Gladson

Publicado

em

• Evandro Cordeiro

A antiga oposição, hoje no poder, pode estar desperdiçando a oportunidade ímpar de ficar, senão 20 anos, como a Frente Popular ficou, mas uns 12 anos, folgados, mandando em tudo, revezando governo, senado… Mas o que se desenha foge cada vez mais desse panorama. As razões para tão pessimista conjectura é que os acontecimentos ultrapassam as obviedades. Ao invés de unir, juntar, consolidar, solidificar, o time que ganhou em 2018 está se despedaçando, como bolo em fim de festa. Não precisa ser cientista político para enxergar essa realidade, porque a notícia se espalha como a praga em função da indiscrição dos atores.

O levante é típico de egos inflados e, por isso, o atropelo é geral.
A política se repete desde que os Gregos a criaram, por volta de seis séculos antes de Cristo. Um grupo cai enquanto o rival sobe. É normal o revezamento, mas antecipa-lo não é razoável e nunca foi corriqueiro ao longo da história.

Poucos governos caíram muito cedo. No Acre, a antiga oposição parece interessada em bater esse vergonhoso recorde. Conspira contra si mesma. Desde cedo se consórciou para derrubar seu próprio líder, o governador. Está incomdada, pelo visto, com o sorrisão dele, com a popularidade adquirida por meio de um esforço quase sobrenatural, porque não existem outras razões, pelo menos capazes de ser enxergadas a olho nu.

Ao estabelecer esse consórcio do mal para derrubar um aliado, cujo nome foi usado em 2018 para romper a capitania hereditária de uma família – nenhum outro tinha chance -, os conspiradores parecem nem se dar conta da armadilha contra si próprios. Não se sabe se de propósito ou inocentemente, mas estão acordando, ressuscitando, recolocando no jogo um inimigo tão bem abatido cujo ressurgimento era improvável, a esquerda acreana com seu orquestrador, o PT.


Antes da eleição para prefeito, em 2020, um dirigente da antiga Frente Popular admitiu a este repórter estar ciente da distância entre eles e uma outra vez no poder, dadas as circunstâncias. Além dos números de pesquisas, me disse o sujeito: “nossa maior liderança (Jorge Viana) não pode dar mais nem opinião. É só ele se manifestar nas redes sociais que vem às críticas pra cima dele em formas bem agressivas”. Menos de seis meses depois de ouvir isso, o mesmo dirigente tem outra visão, bem menos pessimista. A antiga oposição, segundo ele, tem recolocado a esquerda em situação de sentido bem antes do esperado. Já se fala até em candiatura ao governo, ao invés de uma parceria com o senador Sérgio Petecão, como se projetava há alguns meses.


Estou escrevendo aqui de Assis Brasil, onde aconteceu um macabro avant premiê em 2020 daquilo que pode suceder a nível de Estado em 2022. Por essas bandas, PSDB e PSD, que estavam no poder, sofreram da mesma vertigem, dado a seus egos inflados. O vice do prefeito Zum Barbosa, conhecido por aqui como Zé do Posto, do PSD, decidiu que era sua hora de virar prefeito.

Ninguém conseguiu demove-lo da estapafúrdia idéia. Resultado: disputou com o Zum e perderam os dois. Para quem eles perderam? Para o Professor Jerry, do PT, um concorrente que chegou a pensar até em desistir da disputa pela elementar razão da rejeição de seu partido. Caso não se curem de seus caprichos e egos inflados, os “aliados” conspiradores do governador Gladson Cameli e seu consórcio vão ficar desempregados bem antes do tempo previsto.

• Evandro Cordeiro é jornalista e colunista

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PAULO MACHADO

Reforma na ideologia política do país é a longo prazo, escreve pastor Paulo Machado

Publicado

em

ARTIGO – PERSEVERANÇA NA SEMEADURA POLITICA


“Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não retires a tua mão, porque tu não sabes qual prosperará, se esta, se aquela, ou se ambas serão igualmente boas.” (Eclesiastes 11 : 6)

Quando falamos de reforma na ideologia politica em nosso país, reconhecemos que esse trabalho é de longo prazo. Afinal, nos últimos 40 anos o Brasil vem sendo aparelhado por ideologias de esquerda, comprometendo uma geração inteira com raízes nas décadas de 70/80, inicialmente nas universidades e nas artes, e em seguida por esses, o aparelhamento do estado em todas as esferas.
Como um câncer, essas idéias foram sendo disseminadas de tal modo que acabaram sendo admitidas como aceitável em nossa sociedade, cauterizando a mente daqueles que irracionalmente apaixonados pelo socialismo, veem como inimigos ferozes todos os que ansiarem por tradição e consciência moral fundamentada na cultura judaico/cristã.
O radicalismo vermelho inibiu e silenciou o povo de tal modo, que os padrões morais de nossa sociedade foram transtornados perdendo toda a essência da pureza humana, mergulhada na luxuria dos prazeres mundanos e na depravação egocêntrica dos desejos bestiais.
Na inversão de valores, atos como os de Gerdel, capitão cueca, lula e outros são inteiramente normais, sendo glamourizado pela vestimenta da “justiça” , em que os fins justificam os meios. O certo virou errado e o crime compensa. “Brasil, o paraíso do Crime”.
Usa-se o adágio “ O Gigante Acordou”.
Um fenômeno percorreu o país do Iapoque ao Chui.
Em 2018 encorajados por um homem, bronco no parecer de alguns, e com um refrão que ficou famoso pelo seu desafio “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8.32) o povo foi as urnas, e contra todas as expectativas midiáticas, aconteceu um “arrozague de cordas” no planalto.
O Grito que estava entalado na garganta de muitos brasileiros ecoou pelos céus do Brasil dando início a uma batalha feroz e sangrenta entre a luz e as trevas.
Longe de ser uma hipérbole, o gigantismo dessa batalha se percebeu em todos os níveis. Do combate à corrupção à saúde, os ratos se contorceram em suas ratoeiras, demonstrando que escaparam não por serem inocentes, mas porque a ratoeira está apodrecida.
“E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.” (João 3 : 19)

Ficou evidente quem são os agentes da grande quadrilha que saquearam o país, disfarçados de moralistas enganaram durante muito tempo. Quem diria… Alquimim e Lula …
Outrora inimigos mortais, hoje, trocando afagos diante dos olhos pasmos de uma plateia abismada e frustrada.

O primeiro Round está quase no fim. Nem STF, nem pandemia, nem CPI, nem Fake News, etc.,não puderam derrubar o pequeno David.

“16 Eis que eu criei o ferreiro, que assopra as brasas no fogo, e que produz a ferramenta para a sua obra; também criei o assolador, para destruir. Toda a ferramenta preparada contra ti não prosperará, e toda a língua que se levantar contra ti em juízo tu a condenarás; esta é a herança dos servos do SENHOR, e a sua justiça que de mim procede, diz o SENHOR.” (Is 54.16,17)

A obra não esta acabada. Há muito ainda que se fazer.
O trabalho de conscientização politica é demorado.
Expurgar a doutrinação de esquerda em nossa juventude não é tarefa que se faz em 04 anos.
A higienização do congresso terá nesse ano sua grande oportunidade de “limpar a eira”. As ervas daninhas precisam serem arrancadas para que a colheita futura seja próspera.
Já da para selecionar melhor que fica e quem sai.
O futuro depende nós.
Deus, Pátria e Família.
Pr. Paulo Machado

Continue lendo

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | No palanque onde tiver PT e puxadinhos, não contem com o prefeito Bocalom

Publicado

em

Além de ter feito declaração nesse sentido, quem conhece minimamente o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (Progressistas), sabe que ele não estará em palanque onde PT ou algum de seus partidos puxadinhos estiverem. Ele em relação a esquerda é óleo e água. Não se misturam sob nenhuma hipótese. Portanto, se houver segundo turno e o os partidos que Bocalom apoiará se meterem a apoiar a esquerda contra o governador Gladson Cameli, ou vice-versa, não contém com o Boca.

Não tem o aval

Nenhum militante do Governo Gladson atacará o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, com aval do Palácio. Será iniciativa próprio e poderá ter consequências. O governador já pediu para tratar o prefeito com respeito. Gladson acha que Bocalom tem direito de apoiar quem quiser para Governo, uma vez que não teve o seu apoio em 2020.

Convite

Presidente da Convenção Estadual da Assembléia de Deus tradicional, o pastor Pedro Abreu estaria sendo convencido a disputar as eleições para deputado federal. Se vai aceitar só Deus sabe.

É federal

Pelos bastidores do Palácio Rio Branco circula a informação segundo a qual Alisson Bestene deverá disputar as eleições para deputado federal. A escolha do vice, onde ele era cotado, estaria ganhando novos contornos. E vem surpresas por aí.

Transição?

Márcio Bittar, um dos senadores mais influentes do Acre em Brasília desde muito, parece já estar em plena transição com o ministro Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional. Ontem os dois estiveram juntos, à paisana, e Bittar, que deve substitui-lo, postou uma foto dos dois no gabinete.

Mudança no time

A equipe de engenheiros políticos trabalha ininterruptamente nas últimas horas junto ao governador Gladson Cameli na montagem da nova configuração do Governo. Deverá acontecer uma mudança bem significativa em toda a equipe. A justificativa é que a coisa correu solta demais nos últimos três anos.

Sem reposta

“Não me perguntem sobre a disposição política dela. Eu sou de um partido, ela é de outro”. Do secretário de Meio Ambiente do Estado, Israel Milani, sobre sua namorada, a prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem. Ele é do PRÓS, vai disputar para federal, e ela ainda está no PT.

Só é brabo

Ninguém nega que o Mazinho Serafim (MDB) tem sido um grande prefeito para Sena Madureira. Só é valente que só o diacho, um mangangá de oco, mas é trabalhador.

Visualizou, mas não respondeu

Liguei e mandei mensagem para o prefeito de Mâncio Lima, o Isaac Lima, perguntando se ele fica no PT e se vai apoiar a reeleição do governador Gladson Cameli, como prometeu. Ele visualizou a mensagem, mas ignorou. Não respondeu foi com nojo.

Teve convite

O ex-deputado João Correia foi convidado para ajudar o governo, mas não topou. Preferiu ficar na oposição. Teria sido convidado mais de uma vez, a rigor. E assim o MDB veio aos pedaços para a gestão.

Pergunta

Será que Flaviano Melo, Pádua Bruzugu, Aldemir Lopes, Mauri Sérgio, entre outras figuras, não representam o glorioso?

Fica a pergunta.

Com os evangélicos

O governador Gladson Cameli, pessoalmente, tem construído uma relação com lideranças evangélicas. Quase todos estão em franca relação com ele, mas é inegável a participação do deputado federal Alan Rick (DEM) nessa engenharia.

Eles voltam

É inútil fazer lista de vereador e deputado que vota em projetos que desagradam as massas. Na próxima eleição os mesmos se reelegem, as vezes até mais fácil. O eleitor virou um caso sério, como diria a música da Naiara Azevedo, “toma aqui os 50 reais”.

Militante de volta

Quem voltou a militar forte em favor da esquerda pelas redes sociais é o professor Cláudio Ezequiel. Todo dia ele dá pitacos detonando os governos Gladson e Bolsonaro. A rigor, ele deve deixar o PSOL e voltar para o PT, onde deverá disputar as eleições.

PP Mulher

Presidido pela Francinete Barros, o PP Mulher virou uma máquina política sem tamanho. Está organizado nos 22 municípios, mas muito organizado. Onde elas chegam tem festa.

Arroz e óleo do Acre

Vem aí arroz e óleo de soja produzido a partir de colheitas em terras acreanas. O AcreNews vai mostrar em breve o potencial do agronegócio, em franca ascendência.

Continue lendo

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | Pelo andar da carruagem, o governador vai acabar apoiando todos os pretendentes ao Senado ao seu redor

Publicado

em

A presidente do PP Mulher, Francinete Barros, disse à coluna que o partido não abrirá mão da reeleição de Mailza Gomes para o Senado e citou enes razões; Jéssica Sales, do MDB, espera apenas se recuperar a tempo do tratamento de câncer para voltar às ruas com sua pré-candidatura endossada pelos caciques do glorioso; Márcia Bittar, ainda sem partido, não para de andar pelo Acre nem nos domingos, com a benção do presidente Bolsonaro; e Alan Rick (DEM), melhor nas pesquisas, discursa como candidato ao Senado em todos os eventos do Governo, sem contar com a decidida deputada federal Vanda Milani (PROS), em cuja residência, no bairro Quinze, o frenético vai-e-vem de apoiadores é em torno de sua candidatura ao Senado. Então, ao governador, não restará outra alternativa, senão apoiar a todos. Ele não vai, certamente, entrar em bola dividida, mesmo que isso signifique perder a cadeira para um Jorge Viana da vida. Todos os pretendentes são de maior e sabem bem o que querem.

Saída do PT

A prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem, deve ser convidada a deixar o PT nos próximos 15 dias. À coluna, ela disse que está ciente de tudo e que não está preocupada sobre um novo partido. “Não sou candidata a nada, então não preciso me preocupar com partido”, afirmou.

Inflamada

Fernanda Hassem anda meio inflamada, mas vai guardar por enquanto seus desatinos. Tem algumas perguntas a fazer de público, mas as fará mais na frente.

Adiamento

Os números de pesquisas domésticas vão dando notícias nada alvissareiras para o PT e Jorge Viana, no que pese a pressão dos abstinentes de poder, vai adiando sua decisão sobre o que vai disputar. Em agosto disse que decidiria em setembro, em setembro passou para novembro, de novembro para janeiro e agora já fala em março. Ou seja: com os números que tem em mãos, JV sabe que derrotar Gladson só é possível no tapetão. Sonham com um pedido de afastamento de Cameli.

Só no tapetão

E não é apenas o PT que sonha com um pedido de afastamento de Gladson Cameli feito pela Justiça. Ex-aliados estão inclusive sofrendo de ansiedade, por causa dessa espera. É o único jeito de derrotá-lo.

Celebridade

Neste domingo, em Porto Acre, o governador Gladson Cameli parecia um astro de cinema, durante eventos de inaugurações e assinatura de convênios com a prefeitura. Passou maior parte do tempo posando para selfies com a criançada e até com adultos.

Muchou

Os jornalistas do “watergate” perderam a empolgação. A série de reportagens deles para derrubar o governo Gladson caiu de oito para quatro curtidas. E os quatro admiradores deles são pessoas que viraram contra o governo por não terem sido contemplados na gestão.

Chance

“Não tem como a gente perder a oportunidade de reeleger o Gladson. Já é, disparado, o governador que mais fez pelo nosso município”. Do prefeito de Porto Acre, Bené Damasceno.

Esperto

Tem um prefeito do interior que vai apoiar todos os candidatos a governador. O ex-vereador Chequeiro disse à coluna que todo candidato que chega no município ele faz a maior festa, do Petecão a Gladson.

Tirando proveito

Os adversários do governador Gladson Cameli estão aproveitando ainda a carona da operação Ptolomeu para pregar o caos. Pelo que escrevem nas redes sociais, o Estado é como se fosse uma casa de licenciosidade. Estão no seu papel. Se vai surtir efeito só o futuro dirá, porque por enquanto os números são bem rasteiros para essa turma.

Gozação

O diretor do Deracre, Petrônio Antunes, disse que o desespero dos adversários é tão grande que eles tentaram passar uma ideia maluca pra população de que houve um desvio de R$ 800 milhões no Acre. Isso é algo tão fantasioso quanto o reino de avelã, segundo Antunes. Tem que ser motivo de gozação.

Estilo coronel

O estilo raivoso de coronel do Nordeste de Ciro Gomes vai transformando ele no Cabide nacional. Não empolga mais ninguém com aquela retórica de Pedro Malazarte. O PDT daqui não emitiu uma nota sobre o lançamento da candidatura a presidente do “Tiringa” letrado.

Medidas antipáticas

Tião Bocalom está tomando todas as decisões antipáticas no início da gestão. Do meio para a frente é só paz. Era o que comemorava um assessor dele hoje cedo. Tomara.

Movimento dos vices

Tem foquinhos por toda a parte de movimentos em defesa de nomes para vice de Gladson Cameli. Um deles tem no centro das discussões o nome da vereadora Michelle Melo (PDT), muito atuante em Rio Branco, mas ainda muito nova na política.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Soluções Tecnológicas