Connect with us

COLUNAS

O consórcio para derrubar o Gladson

Publicado

em

A antiga oposição, hoje no poder, pode estar desperdiçando a oportunidade ímpar de ficar, senão 20 anos, como a Frente Popular ficou, mas uns 12 anos, folgados, mandando em tudo, revezando governo, senado… Mas o que se desenha foge cada vez mais desse panorama. As razões para tão pessimista conjectura é que os acontecimentos ultrapassam as obviedades. Ao invés de unir, juntar, consolidar, solidificar, o time que ganhou em 2018 está se despedaçando, como bolo em fim de festa. Não precisa ser cientista político para enxergar essa realidade, porque a notícia se espalha como a praga em função da indiscrição dos atores.

O levante é típico de egos inflados e, por isso, o atropelo é geral.
A política se repete desde que os Gregos a criaram, por volta de seis séculos antes de Cristo. Um grupo cai enquanto o rival sobe. É normal o revezamento, mas antecipa-lo não é razoável e nunca foi corriqueiro ao longo da história.

Poucos governos caíram muito cedo. No Acre, a antiga oposição parece interessada em bater esse vergonhoso recorde. Conspira contra si mesma. Desde cedo se consórciou para derrubar seu próprio líder, o governador. Está incomdada, pelo visto, com o sorrisão dele, com a popularidade adquirida por meio de um esforço quase sobrenatural, porque não existem outras razões, pelo menos capazes de ser enxergadas a olho nu.

Ao estabelecer esse consórcio do mal para derrubar um aliado, cujo nome foi usado em 2018 para romper a capitania hereditária de uma família – nenhum outro tinha chance -, os conspiradores parecem nem se dar conta da armadilha contra si próprios. Não se sabe se de propósito ou inocentemente, mas estão acordando, ressuscitando, recolocando no jogo um inimigo tão bem abatido cujo ressurgimento era improvável, a esquerda acreana com seu orquestrador, o PT.

Antes da eleição para prefeito, em 2020, um dirigente da antiga Frente Popular admitiu a este repórter estar ciente da distância entre eles e uma outra vez no poder, dadas as circunstâncias. Além dos números de pesquisas, me disse o sujeito: “nossa maior liderança (Jorge Viana) não pode dar mais nem opinião. É só ele se manifestar nas redes sociais que vem às críticas pra cima dele em formas bem agressivas”. Menos de seis meses depois de ouvir isso, o mesmo dirigente tem outra visão, bem menos pessimista. A antiga oposição, segundo ele, tem recolocado a esquerda em situação de sentido bem antes do esperado. Já se fala até em candiatura ao governo, ao invés de uma parceria com o senador Sérgio Petecão, como se projetava há alguns meses.

Estou escrevendo aqui de Assis Brasil, onde aconteceu um macabro avant premiê em 2020 daquilo que pode suceder a nível de Estado em 2022. Por essas bandas, PSDB e PSD, que estavam no poder, sofreram da mesma vertigem, dado a seus egos inflados. O vice do prefeito Zum Barbosa, conhecido por aqui como Zé do Posto, do PSD, decidiu que era sua hora de virar prefeito.

Ninguém conseguiu demove-lo da estapafúrdia idéia. Resultado: disputou com o Zum e perderam os dois. Para quem eles perderam? Para o Professor Jerry, do PT, um concorrente que chegou a pensar até em desistir da disputa pela elementar razão da rejeição de seu partido. Caso não se renda aos seus caprichos e egos inflados, os “aliados” conspiradores do governador Gladson Cameli e seu consórcio vão ficar desempregados bem antes do tempo previsto.

Evandro Cordeiro é jornalista e colunista

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | DEM e PSL viram um partido só e a nova sigla poderá ser controlada no Acre pelo senador Márcio Bittar

Publicado

em

O DEM e o PSL agora são um só partido. A fusão se dará após votação unânime ocorrida na noite desta terça-feira, 21, em Brasília entre as executivas nacionais. Foram 41 votos favoráveis e nenhum contra a junção dos dois partidos gigantes. Vale um registro bem curioso: no Acre um partido (DEM) era controlado pelo deputado federal Alan Rick e o outro (PSL) pelo senador Márcio Bittar. Mas tem uma notícia mais atualizada: Bittar poderá se filiar e ser o presidente do novo partido.

Conversa com Flaviano

A coluna o senador Márcio Bittar, que está ainda no MDB, confirmou as informações, mas sugeriu cautela. Disse que desembarca no Acre nesta quinta-feira, 23, onde se encontrará com o presidente de seu partido, o deputado federal Flaviano Melo. Os dois terão uma conversa longa e fundamental em relação ao futuro, segundo Bittar. “Estou decidindo ainda”, declarou, pedindo essas 24h para poder anunciar oficialmente.

Alan fica ou sai

O deputado federal Alan Rick, que controlava o DEM no Acre, disse a coluna que a parte que toca a seu partido na nova sigla é significativa por razões óbvias: o número de parlamentares no Brasil e no Acre. E adiantou: vai conversar muito ainda com o senador Márcio Bittar.

Só assistiu

Estrela do PL no Acre, a ex-deputada Antônia Lúcia assistiu de longe a festança feira ontem pela deputada federal Mara Rocha, que chegou de mala e cuia no partido. Perguntei a “bispa” se ela fica com a chegada da concorrente ou se procura abrigo noutra sigla. Calada ela estava, calada ficou. Visualizou, mas não respondeu.

Calado

De bem com a popularidade, o governador Gladson Cameli, do Progressistas, assiste a movimentação nos bastidores em silêncio. Na hora “h” entra em campo. Dias desses me disse que tem a receita de como juntar as pessoas fundamentais ao seu redor.

Na dele

Escolhido para gerenciar as grandes obras da gestão Gladson Cameli que começam a sair do papel, o arquiteto Cirleudo Alencar foge dos holofotes. Se coloca na condição de tarefeiro do governador, ao ponto de nem discutir política.

Pedro feliz

Pedro Valério, presidente do PSL no Acre, diz estar contente com a fusão de seu partido com o DEM, sobretudo se o senador Márcio Bittar se filiar e decidir presidir a nova sigla.

Chapa pronta

Na cabeça de Pedro Valério a chapa de 2022 tá pronta: Bolsonaro presidente, Gladson governador e Márcia Bittar senadora.

Unidos

Sábado, 25, é aniversário de Sena Madureira. Desde hoje cedo a equipe do governo do Estado trabalha junto com a equipe do prefeito Mazinho Serafim (MDB) para organizar a festa. Ou seja: as disputas políticas foram deixadas para depois entre o prefeito e o governador.

Segue o líder

“Meus candidatos em 2022 serão os mesmos do governador Gladson Cameli, com ele na cabeça para governador”. Do prefeito de Bujari, João Padeiro (PDT).

Muito apoio

Os Milani garantem: a pré-candidatura da deputada federal Vanda Milani (PROS) ao Senado já tem apoio de nove prefeitos, com chance de subir para 12.

Peitado

Jenilson Leite (PSB), que anda fazendo campanha para governador, teria sido peitado para compor a chapa na cabeça da qual está o senador Sérgio Petecão (PSD), com ele de vice. Peitado apenas.

Queda

Caíram as curtidas e comentários sobre as postagens do ex-senador Jorge Viana, do PT, no Facebook.

Bom conselho

Com um ano e pouco para a eleição, na verdade ainda falta muita coisa a ser definida. Não é saudável subestimar nenhuma pré-candidatura. Conselho do professor Coelho, o 01 do senador Sérgio Petecão.

Continue lendo

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | Caso consiga baixar o valor da passagem de ônibus e tapar buracos, Bocalom vira o jogo

Publicado

em

O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (Progressistas), é teimoso, turrão, mas todos sabem: não se mete em coisa errada. A impopularidade dele nesses primeiros meses é exatamente pela teimosia. Mas como é natural da política, ele muda isso num estalar de dedos. Basta Bocalom confirmar a diminuição no valor da passagem de ônibus e tapar os buracos da cidade. Pronto. Não precisa querer inventar a roda. É só isso que a comunidade quer de um gestor da capital.

Fala, Bocalom

Tião Bocalom também não gosta de dar entrevista. Desde ontem adulo o velho Boca pra gente falar sobre essa questão da passagem. Nisso ele também precisa mudar. Se comunicar mais com a comunidade.

Os Liberais apoiam Mara

O Instituto Liberal do Acre se manifestou simpático a uma possível candidatura ao Governo da deputada federal Mara Rocha, que está saindo do PSDB e se mudando para o PL.

“Não faço segredo. Tenho simpatia pela candidatura da deputada federal Mara Rocha ao Governo do Estado.

Já dei até os motivos.

Mara Rocha tem demonstrado lealdade ao projeto de um Brasil liberal conservador.

Defendeu o voto auditável. Votou contra a prisão do Daniel Silveira. Tem se posicionado contra o Inquérito das fake news”, escreveu o advogado Valdir Perazzo, líder dos liberais.

Perseguição

Não é possível mais assistir GloboNews, BandNews e CNN. É o dia inteiro “denunciando” os crimes de Bolsonaro. Ontem eles flagraram o presidente mastigando e falando ao mesmo tempo, dando um mal exemplo para o mundo, segundo o repórter. É risível.

Dando corda

Pessoal dos comissionados danados forçando a capa para Jorge Viana disputar o Governo. Macaco velho, muquirana conhecido, Jorge não vai pegar corda de ninguém. Sabe que uma derrota em 2022 praticamente encerra a carreira dele na política.

Velha arrogância

Parte da esquerda que perdeu as eleições em 2018 e 2020, humilhantemente, não aprendeu a lição. Continua com a arrogância conhecida dos 20 anos em que estiveram no poder. Alguns já falam como se Lula já fosse presidente e Jorge Viana governador.

Novidade

Pode haver uma mudança drástica na configuração atual na disputa para o Senado. Um recuo com base nas eleições de 2026. Está sendo bem conversado.

Adeus da pequena

Eliane Sinhasique vai embora do Acre, ao menos por uma boa temporada. Já está inclusive alugando a bela casa que tem no Jardim Europa. O motivo de uma mudança tão brusca ela não diz nem a pau. Tem se resumido a gravar mensagens de vídeo fazendo, inclusive, citações bíblicas.

Prefere o anonimato

Cirleudo Alencar, como chefe da Seinfra, é o cara que vai materializar os sonhos do governador Gladson Cameli. Vai gerenciar as grandes obras. Mas ele foge desse. Não quer estar no olho do furacão.

Fim do prazo

Setembro está terminando e junto o prazo para prefeitos interessados em estar no mesmo partido ou mesmo palanque da reeleição do governador Gladson Cameli. Também ele já disse: se não vier nada, vai mudar em relação ao tratamento dele com as prefeituras.

Prefeito do cafezinho

O sujeito tava falando no café da manhã aqui em frente ao Pague Pouco hoje cedo que o ex-prefeito Marcos Alexandre, do PT, não fez nenhuma obra grande, não tapava nem os buracos da cidade, mas fazia duas coisas fundamentais: passava o dia tomando cafezinho com as pessoas da comunidade e a prefeitura dele era como a galinha quando bota ovo e sai cantando. Até o cafezinho virava publicidade.

Foi bom

Sem coligações previstas, é possível que as eleições em 2022 tenham, de fato, muitos concorrentes ao Governo e ao Senado. Isso é bom porque não sobrecarrega as candidaturas competitivas, que antigamente tinham que “comprar” essas menores. Nisso essa regra fez bem a política.

Só de público

Os Bittar deram uma inteligente recuada em relação a candidatura da Márcia Bittar ao Senado, de público. Nos bastidores foi ao contrário.

Recorde

A entrevista do final de semana com o deputado federal Flaviano Melo (MDB) bateu todos os recordes recentes de visualizações neste AcreNews. Nunca vi tanto interesse em um assunto. Flaviano ainda é muito forte.

Contenção

Prefeito Zequinha Lima, de Cruzeiro do Sul, deu uma fechada nos cofres. Suspendeu uma porção de despesas.

Só de mal

Antônio Aquino Lopes diz que nem ia mais disputar a presidência da Federação de Futebol, mas como apareceu um grupo falando em peitá-lo, decidiu que vai ganhar a última. A eleição é ano que vem ainda.

Boa explicação

Os caras brigam para ser vereador de Rio Branco. Quando chegam lá topam um salário de servidor público classe C, aí precisam usar subterfúgios para melhorar a renda. Explicação de rua que ouvi ontem para as viagens frequentes de parlamentares para fazer os tais cursos fora do Acre em troca de diárias.

Continue lendo

EVANDRO CORDEIRO

COLUNA DO EVANDRO | ‘O que não iremos é ser empecilho’, diz Jéssica Sales sobre reunião entre pretendentes ao Senado

Publicado

em

A deputada federal Jéssica Sales (MDB), uma das que puxou a reunião entre ela, a senadora Mailza Gomes (Progressistas) e o deputado federal Alan Rick (DEM), para uma tratativa cavalheira sobre como será definido o candidato a Senador do governador Gladson Cameli (Progressistas), acredita que o resultado do encontro será coisa boa. “O que não iremos é ser empecilhos”, afirmou, em relação a reeleição de Cameli.

Melhor na pesquisa

Jéssica Sales informou a coluna, ainda, que durante encontro entre os três “ficou claro que, o melhor na pesquisa será uma opção para o governador”. E que aceita que o “Deus escolher” para ela.

Aprendendo ainda

Na verdade, essa ambição saudável por uma cadeira no Senado entre os aliados do governador Gladson Cameli pode se transformar, a partir de um acordão, numa grande força para a reeleição dele e o fortalecimento de um grupo ainda inexperiente no poder. Basta lembrar que todos estavam há 20 anos assistindo o PT governar, com seu estilo interno antidemocrático, onde as coisas eram resolvidas no grito e a nanicada da aba do chapéu dos Viana se calava.

A indignação que precisa viralizar

O polícia penal Adriano Marques, que também é sindicalista e bacharel em Direito, expôs sua indignação em relação a frouxidão da lei penal. Disse ele:

“Chegamos ao ponto em que vemos nas ruas policiais fazendo manifestações públicas pedindo mudança nas leis. Ocorre o seguinte: antes, as polícias prendiam as pessoas e elas permaneciam presas. Hoje, o indivíduo comete um crime, vai preso e o delegado ou juiz é obrigado a liberar o suposto criminoso, porque assim a lei determina. Está aí a origem da sensação de impunidade. Temos altos índices de crimes com envolvimento de menores de idade. Eles são apreendidos, levados para a delegacia e ainda saem rindo da polícia. O que antes eles tinham coragem de dizer somente ao policial na rua, passaram a dizer ao delegado e agora já falam até para os juízes e promotores”.

Baluarte da imprensa

Zezinho Moraes é um desses baluartes da imprensa no interior do Acre. Ele trabalha no Alto Acre com suas emissoras de rádio as quais sempre colocou à disposição da então oposição a esquerda na época dos governos petistas. Ele me disse que esse posicionamento é puramente ideológico. “Sempre fui anti-esquerda”, garante.

Do conservador Valdir Perazzo

“Conversei com o jovem empresário do agronegócio Rodrigo Pires, que vem exercendo importante liderança como liberal conservador na sociedade acreana.

Rodrigo Pires se surpreende pelo fato do Estado do Acre não ter um único veículo de comunicação em que os conservadores se sintam representados.

Concordei com ele!

Já está na hora do Estado do Acre – com imensa vocação para o Agronegócio – aí se exercite uma contraditória no debate político, criando-se e viabilizando-se pluralidade de ideias políticas.

Impõe-se a necessidade de um veículo de comunicação que dê voz aos conservadores”.

Nota da coluna

A não ser que Valdir Perazzo e Rodrigo Pires tenham intenção de ver uma imprensa radical. Se não, bem-vindos ao Acrenews, cujo espaço aos conservadores não é aberto, é escancarado. As atitudes editoriais revelam quem somos.

PSL e DEM, Marcia e Alan

Perguntei ao Pedro Valério, presidente do PSL, o seguinte: Na fusão de PSL com DEM, como ficará isso no Acre, uma vez que o PSL tende a apoiar a candidatura da Márcia Bittar ao Senado, e o DEM tem o Alan Rick, que também pleiteia o Senado? Ele, na lata: “Deixa acontecer a fusão que a gente resolve. Agora estou trabalhando na formação da chapa”.

Novo Sanderson Moura

Como mudou muito seu estilo em 15 anos, deixando para trás seu estereótipo de sindicalista bravo, quando disputou o Sinteac, quando era do DCE na Ufac, se tornando em um apologeta de grandes oradores, como Cícero, reeditando por aqui a escola ateniense, e seguindo Osho, o advogado Sanderson Moura tem garantido que vai disputar o Senado. Só não se sabe se vai conseguir sob esse novo formato, bem mais zem. Quando era das ruas chegou a ser convidado para se submeter às urnas. Bora vê.

Chamando pra porrada

Quem anda pelas ruas de Rio Branco pedindo votos para Senador é o investigador mais famoso do Acre, o bacharel em Direito Leandro Costa. Brabinho, ele anda chamando Jorge Viana para um duelo. “Vou dar uma surra de votos nesse menino da floresta”, promete o abelhudo.

Os contras

Só a esquerda mais radical é contra a fala do senador Márcio Bittar (MDB) em reação aos artistas que ficam em luxuosos apartamentos em Copacabana dando pitaco sobre o que deve ou não ser feito aqui no Acre, em relação ao meio ambiente. Tô com Márcio. Assim como a esquerda local, esses agourentos não se importam com a melhoria de vida do homem do campo e o da cidade também, repetindo essa retórica falida.

Ainda sem rumo

As principais lideranças evangélicas do Acre ainda não definiram, de uma vez por todas, como vão se comportar nas eleições de 2022. Só decidiram que com a esquerda não caminham.

Seguidores empolgados

Se o próprio deputado Jenilson Leite (PSB) tem consciência de quão difícil seria uma eleição dele para governador, o mesmo não pode se dizer de seguidores seus nas redes sociais. É só alguém abrir uma pesquisa no Facebook que ele vence em todas contra Gladson, Petecão e até Jorge Viana.

A realidade é outra

Quando chega a campanha, hora de a onça beber água, aí é para quem tem topete, por exemplo, encarar uma candidatura a reeleição como a do Gladson, cuja gestão é aprovada pela população.

Bolsonaro

Um dono de instituto de pesquisa do Acre me disse essa semana que tantas pesquisas faça aqui no Acre, só dá Bolsonaro presidente. E me explicou: “É porque aqui não tem grandes interesses contra Bolsonaro, como tem lá no ‘Brasil’. Mas, na real, as pesquisas lá são iguais a daqui. Bolsonaro vai se reeleger folgado”.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia