Connect with us

ACRE

Rebanho do Acre aumenta em torno de 50% e abate acompanha recuperação econômica

Publicado

em

Agência AC / Foto: Marcos Vicentti

O governo do Acre, por meio do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf-AC), divulgou um relatório em que revela que o rebanho bovino acreano vem em uma linha constante de crescimento, que girou em torno de 50% na última década. Há também potencial de expansão para os próximos anos, fruto dos investimentos em novas tecnologias e em melhoramento genético do rebanho por parte dos pecuaristas.

O território acreano possui hoje, aproximadamente, 3,8 milhões de bovinos. Esse número de cabeças em 2010 chegava a 2,5 milhões.

Evolução do número de cabeças de gado no Acre em uma década. Fonte: Idaf-AC

O governador Gladson Cameli é um dos grandes incentivadores do desenvolvimento do agronegócio no Acre e tem feito, por meio do Idaf, grandes investimentos na Defesa Sanitária Agropecuária, possibilitando o reconhecimento do estado como Área Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação certificada pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE). Esse reconhecimento, entre outros fatores, causou uma valorização do rebanho acreano e com isso um aquecimento na economia local.

Segundo o diretor técnico do Idaf, Jessé Monteiro, há 14 anos o estado era reconhecido internacionalmente pela OIE como Zona Livre de Aftosa Com Vacinação, mas desde novembro de 2019, a aplicação da vacina contra a doença deixou de ser obrigatória após uma série de medidas adotadas pelo Estado, em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e iniciativa privada.

Para chegar a esse resultado, o governo do Acre contratou novos veterinários, técnicos, ofereceu treinamento para toda a equipe, adquiriu novos equipamentos e reformou todas as unidades do Idaf, em parceria com o Fundo de Desenvolvimento da Pecuária do Acre (Fundepec).

Com relação aos dados de abates de animais, o Idaf observou que o estado segue uma média relativamente constante ao longo dos últimos 4 anos, com uma leve queda no ano de 2020, um possível reflexo da pandemia da Covid-19. Se em 2019 o estado registrou 459.750 abates, em 2020 esse número foi para 404.217 animais abatidos.

Abate de animais teve queda em 2020 pela pandemia de Covid-19, mas números devem voltar ao patamar em 2021. Fonte: Idaf-AC

Até agosto, o Idaf registrou 269.231 abates de bovídeos. Com ainda um trimestre para fechar o ano, os técnicos do Instituto destacam que é em geral nos últimos três meses que o número de abates dispara, o que deve significar uma retomada ao patamar do número de 2019.

Segundo o presidente do Idaf, José Francisco Thum, “esse é um setor extremamente importante para a economia do Acre. Há novas conquistas que valorizam os animais, expandem o mercado e, após a crise causada pelo auge da pandemia de Covid-19, agora é o momento da retomada. O governo seguirá firme, adotando todas as medidas necessárias para a expansão, com geração de mais empregos e renda para o estado, sendo esse o principal objetivo da gestão do governador Gladson Cameli”.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ACRE

Unicef alerta: 69 crianças e adolescentes foram mortas de forma violenta no Acre

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: Agência Brasil

O ano de 2020 foi um dos mais violentos para crianças e adolescentes no Acre. É o que aponta um levantamento inédito da Unicef e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Juntas, as instituições analisaram as ocorrências de boletins em 27 estados e traçaram um panorama da violência letal e sexual contra menores. O estudo foi divulgado hoje (22).

De acordo com o documento, entre 2016 e 2020, 35 mil crianças e adolescentes foram mortos de forma violenta no Brasil – uma média de 7 mil por ano. Além disso, de 2017 a 2020, 180 mil sofreram violência sexual – uma média de 45 mil por ano. Em 2020, 69 crianças e adolescentes de 0 a 19 anos foram mortos de forma violenta no Acre.

“A violência se dá de forma diferente de acordo com a idade da vítima. Crianças morrem, com frequência, em decorrência da violência doméstica, perpetrada por um agressor conhecido. O mesmo vale para a violência sexual contra elas, cometida dentro de casa, por pessoas próximas. Já os adolescentes morrem, majoritariamente, fora de casa, vítimas da violência armada urbana e do racismo”, diz o documento.

A maioria das vítimas de mortes violentas é adolescente. “Das 35 mil mortes violentas de pessoas até 19 anos identificadas entre 2016 e 2020, mais de 31 mil tinham entre 15 e 19 anos. A violência letal, nos estados com dados disponíveis para a série histórica, teve um pico entre 2016 e 2017, e vem caindo, voltando aos patamares dos anos anteriores. Ao mesmo tempo, o número de crianças de até 4 anos vítimas de violência letal aumenta, o que traz um sinal de alerta”, acrescentou.

Para os meninos, a faixa etária dos 10 aos 14 anos marca a transição da violência doméstica para a prevalência da violência urbana. Quando os adolescentes chegam à faixa etária de 15 a 19 anos, essa transição no perfil da violência letal está consolidada. As mortes violentas têm alvo específico: mais de 90% das vítimas são meninos, e 80% são negros. Em 2020, no total dos 27 Estados, 5.282 crianças e adolescentes de 15 a 19 anos foram mortos de forma violenta no Brasil. No Acre, em 2020, foram 60.

Para o representante da UNICEF no Brasil, Florecen Bauer, “a violência contra a criança acontece, principalmente, em casa. A violência contra adolescentes acontece na rua, com foco em meninos negros. Embora sejam fenômenos complementares e simultâneos, é crucial entendê-los também em suas diferenças, para desenhar políticas públicas efetivas de prevenção e resposta às violências”.

Continue lendo

ACRE

Florestas do Acre vão ser monitoradas por drones: projeto oferta treinamento em Xapuri

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução

Uma capacitação promovida pela WWF-Brasil vai possibilitar o manuseio de drones para monitorar queimadas e desmatamento no Acre. A ação acontece entre os dias 25 e 28 de outubro. No último dia, as atividades vão ocorrer na Resex Chico Mendes, na região do Seringal Floresta.

Segundo a WWF-Brasil, o curso terá 20 participantes das associações AMOPREX, AMOPREAB, CPI, BPA-AC, MPAC, SEMA e SOS Amazônia. “As atividades são teóricas no sindicato dos trabalhadores e trabalhadoras rurais de Xapuri e práticas na área do aeródromo dentro da cidade de Xapuri”, informou em comunicado a instituição.

A ação de doação de drones bem como a capacitação para uso desses equipamentos ocorre em pelo menos seis estados. Por meio de uma articulação, as atividades se concentram no Acre, Amazonas, Rondônia, Pará, Maranhão e Mato Grosso. Ao todo nove órgãos de governos estaduais e municipais participam das atividades juntamente com 24 organizações da sociedade civil, dentre elas ONGs, associações extrativistas e indígenas.

“Desde agosto de 2019, cerca de 70 mil pessoas foram beneficiadas diretamente e 3,7 milhões foram beneficiadas indiretamente por nossos projetos na Amazônia”, completa a WWF-Brasil.

Continue lendo

ACRE

Rachadura em Avenida na parte alta de Rio Branco preocupa motoristas e pedestres

Publicado

em

Por

Uma rachadura que já atingiu a faixa para pedestres e ciclistas na Avenida Antônio da Rocha Viana, vem preocupando motoristas. A fenda, que antes aparecia somente na margem da avenida, avançou e desnivelou quase meia pista.

A rachadura apareceu, segundo moradores, já a cerca de três meses e vem avançando. O trecho em questão fica no bairro Vila Nova, na parte alta da cidade.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia