Connect with us

CULTURA

Sotaques Sonoros é o novo trabalho do artista acreano Arthur Miúda

Publicado

em

Por Eanes Henrique Enes

Arthur José de Souza Martins, também conhecido como “Miúda” é instrumentista, produtor musical e pesquisador.

O álbum contém releituras de canções de seu percurso de mais de dez anos na capital, Rio Branco. E traz em seu núcleo a junção de cinco trabalhos e formatos do artista em dez canções.

1 – Sereno da noite (Olívio Botelho de Andrade)

2 – Flora sonora (Beto Brasiliense, Felipe Jardim, Pia Vila)

3 – Viene Clareando (Atahualpa Yupanqui)

4 – Tudo blues (com interpretação e co-autoria de Pat Saturno)

5 – Beija-flor (Sebastião Mota de Melo)

6 – Seis ipês (Deivid de Menezes/Orejas)

7 – Kaya kaiêi (Mapinguari blues)

8 – Eu sou flor das águas (Alfredo Gregório de Melo)

9 – Presente de jah (Sílvio Margarido)

10 – Sessão aberta (Grupo de improvisação livre)

Arthur José Miúda nos conta que o projeto visa proporcionar o intercâmbio entre o popular e o contemporâneo, ao envolver musicistas de gerações e estilos distintos atuantes na capital acreana, com quem já teve a oportunidade de trabalhar em atuação como instrumentista, arranjador e produtor musical.

O álbum “Sotaques sonoros” foi produzido entre janeiro e março de 2021 na cidade de Rio Branco, Acre. Gravado, mixado e masterizado durante o mês de fevereiro e março no Studio Telúrico Linguagens Artísticas por Deivid de Menezes.

O Álbum revela o diálogo aberto entre os idiomas musicais que integram a trajetória do Músico. Tendo como fundamentação os processos intuitivos mediados pelo tocar em conjunto, com o livre diálogo entre os idiomas sonoros do Jazz ao Bolero, do Blues ao Forró, Soul a Cumbia, ressignificando assim de forma criativa as fronteiras musicais estabelecidas.

Inicialmente a idéia do álbum era gravar ao vivo, porém o artista teve que se readequar devido a pandemia. E uma das opções que surgiram foi gravar as guias de violão e contrabaixo, algumas sozinho e outras com Deivid de Menezes, que assina a produção. E no segundo momento, os músicos participantes ouviam as guias e criaram levando em conta a ideia base.

Atuante, desde o ano de 2004 no campo Cultural, fez parte das bandas:

– Lona Blues Boys, Na Tora, Far Star, Mamelucos, Caldo de Piaba, Duo

Judia, Orejas e Regional Paraiso e Combustão espontânea.

Em 16 anos, no decorrer de sua trajetória como baixista, participou em shows, apresentações, “Jam Sessions” com os seguintes artistas:

Antônio Pedro , Arismar do Espírito Santo , João Veras, Andrelino Caetano, Bima, Chico Chagas, Deivid de Menezes, Shaneihu Yawanamá, Clenilson Batista, Pat Saturno, Daniel Groove, Heloy de Castro , João Donato, Silvio Margarido, Pio Lobato, Jorge Cardoso, Pia Vila , Vinícius Dorin, Mapinguari Blues, Saulo Duarte, Zé Jarina, Robertinho Silva, Haley Arthur, João Araújo, Thiago do Espírito Santo.

Sotaques Sonoros foi aprovado no edital arte e patrimônio da lei Aldir Blanc, pela fundação Elias Mansour, no final do ano passado.

O álbum está disponível em seu canal no YouTube e no Spotify.

Foto: Reprodução

Sotaques Sonoros – Arthur Miúda:

Spotify link: Sotaques Sonoros.

YouTube link: Sotaques Sonoros.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CULTURA

Curso de fotografia que será ministrado pelo jornalista Marcos Vicentti está com as últimas vagas disponíveis

Publicado

em

Por

O fotojornalista Marcos Vicentti está oferecendo um curso de fotografia em Rio Branco, a modalidade híbrida, entre os dias 06 e 07 de agosto. Os pré-requisitos são: ser maior de 14 anos e possuir uma câmera digital amadora ou profissional ou um celular.

O curso tem carga horária de 20horas: 8 EAD, 8 de aulas práticas e 4 de monitoria. O investimento será de R$ 250,00.

As últimas vagas estão disponíveis e para aqueles que se interessarem pelo curso podem entrar em contato através do número: 68 99221 4836 ou do LINK.

Continue lendo

CULTURA

Sesc realiza feira literária em Cruzeiro do Sul, a partir desta quarta-feira, 27

Publicado

em

Por

Evento começa nesta quarta (27) e se estende até sexta-feira (29), no Teatro dos Nauas em Cruzeiro do Sul com horários das 8h às 18h para escolas e 19h as 22h público em geral, com entrada gratuita; escritores, quadrinistas e grupos de literatura estarão presentes.

O Município de Cruzeiro do Sul sedia uma feira literária educativa nesta semana. O evento tem entrada gratuita com escolas agendadas e público em geral e ocorrerá no espaço do teatro do Nauas.

Estarão presentes na feira escritores independentes, poetas, músicos, grupos de literatura, escritores, recreadores e contadores de histórias. A feira foi organizada a partir de uma curadoria compartilhada entre a equipe do Sesc e participantes de iniciativas coletivas.

BiblioSesc presente na feira

Publicações variadas viajam o país por meio do BiblioSesc. Uma unidade móvel que circulam com o objetivo de incentivar o hábito de leitura, atendendo principalmente a localidades com pouco acesso a livros e bibliotecas. O caminhão, adaptado com estantes, transportam um acervo de 3,5 mil volumes criteriosamente selecionados e constantemente renovados.

Nas estantes do veículo, o público encontra romances, clássicos, poesias, contos de fadas, histórias em quadrinhos, biografias, livros de culinária, dicionários, livros didáticos e até audiolivros. Além dessa oferta de livros, são realizadas ações para engajar os leitores, como clubes de leitura, bate-papos com autores, contação de histórias e atividades lúdicas, que reforçam o prazer de ler.

Programação completa no site www.sescacre.com.br

Continue lendo

CULTURA

Festival Atsá mostra a força da retomada cultural do povo Puyanawa

Publicado

em

Por

Texto: Nelson Liano / Fotos: Marcos Vicentti

Exclusivo para o AcreNews

A quarta versão do Festival Atsá, a primeira depois da pandemia, tem atraído muita gente de todo o Acre e também de outras partes do Brasil e do exterior. Atsá significa mandioca que está na base alimentar e produtiva do povo Puyanawa. Mas também representa o renascimento cultural dessa nação indígena que, durante muitos anos, foi explorada por fazendeiros e teve a sua espiritualidade distorcida pela influência de missionários evangélicos e católicos.

Durante o Festival Atsá, que iniciou no dia 18 e vai até sexta, dia 22, os Puyanawa mostram aos visitantes a riqueza dos seus cantos, das suas músicas, do seu artesanato e das suas pinturas corporais, além da espiritualidade tradicional baseada nas medicinas da floresta e na sabedoria recebida de herança dos seus antigos pajés.

O cacique Joel Puyanawa revela a motivação que mobiliza toda a sua aldeia, no Ramal do Barão, no município de Mâncio Lima, para realizar o Festival Atsá.

“Estamos resgatando as memórias dos nossos antepassados. Oferecemos aos visitantes comidas típicas do nosso povo, que estão relacionadas a todo o nosso conhecimento ancestral que, durante o festival, são repassados também aos nossos jovens. Assim, celebramos a nossa cultura e a nossa espiritualidade por meio dos cantos, das danças, das pinturas corporais e dos nossos rituais”, afirmou Joel.

Fortalecimento econômico da aldeia

O cacique destaca, ainda, que todo esse movimento de visitantes ajuda a fortalecer a economia da comunidade.

“A venda das nossas comidas e do nosso artesanato gera renda para as famílias da aldeia. A gente vê um aquecimento da economia local, que acaba ajudando também os moradores de Mâncio Lima”, refletiu o cacique.

Apoio institucional do Estado

Um outro aspecto revelado por Joel foi a ajuda do Estado na reforma da Arena onde acontece o Festival Atsá. Ele também ressaltou que o Estado apoiou a comunidade Puyanawa na mecanização das lavouras de mandioca, que deverá refletir na maior produção de farinha da história da aldeia.

“As parcerias são fundamentais para o desenvolvimento social e econômico do nosso povo. Temos recebido apoio das nossas demandas”, revelou Joel.

Para encerrar, o cacique disse que todo esse movimento cultural dos povos indígenas traz uma mensagem para toda a humanidade.

“Temos que celebrar a vida e a natureza. É essa alegria que faz a gente transmitir as nossas cantorias e danças, criando um clima de harmonia e entendimento com todas as pessoas que vivem neste planeta, que, mais do que nunca, precisa de paz e amor, nesse momento de tantas dificuldades”, finalizou o líder Puyanawa.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Soluções Tecnológicas