Connect with us

ACRE

Armando Araújo: conheça a história do pipoqueiro mais famoso das ruas de Rio Branco

Publicado

em

O ex-eletricista revelou ao AcreNews porque deixou de lado os fios e os alicates e passou a vender pipocas nas ruas da capital

Por Wanglézio Braga/ Foto: Wanglézio Braga

Quem transita pela calçada da Loja Marisa, no centro de Rio Branco, de longe sente o cheiro de pipoca no ar. À medida que você se aproxima do carrinho estacionado quase que na entrada do empreendimento, logo aguça o paladar para saborear a iguaria que não tem uma patente definida. Tem pipoca doce e salgada, essa última com ‘recheio’ de bacon. No comando do fogão e da pipoqueira, encontramos o simpático Armando Bastos de Araújo, 55 anos. O pipoqueiro, que soma 25 anos de profissão, é um dos mais respeitados empreendedores informais e dono de uma linda história de vida que compartilhou conosco. 

Durante a semana, o Acre News bateu um papo irreverente com o seu Armando. Enquanto fazia as suas pipocas, ele contou em detalhes das dificuldades que enfrentou para se manter no mercado, das estratégias e tendências para conquistar a clientela e deixou uma mensagem para quem sonha em empreender mesmo em épocas de dificuldades, de pandemia do novo Coronavírus.

Leia na íntegra:

ACRENEWS – Antes de trabalhar como pipoqueiro, o senhor fazia o quê?

ARMANDO – Por muitos anos, trabalhei como eletricista, com carteira assinada em uma empresa. Naquele tempo, eu fiquei doente, foi uma situação delicada até que passei por cirurgia de úlcera. Eu pegava muito no pesado, por não aguentar, pedi as contas do meu patrão, ele concordou e com o dinheiro da indenização, comprei o meu carrinho de pipoca que custou à época, R$ 1,500 reais.

ACRENEWS – E a sua família, concordava com essa mudança de profissão?

ARMANDO – De início, não! Eles falavam muito, pois eu nunca tinha trabalhado com pipoca. Eu dizia pra eles que esse tipo de venda, informal, era a única ideia que tinha para conseguir o alimento, pagar as contas. Depois, comprei o carrinho e fui pras ruas. O primeiro ano foi muito sofrido porque ninguém ensinava nada para ninguém, ainda mais neste ramo. Ninguém quer te ajudar, ninguém fala os macetes de preparar uma boa pipoca.

ACRENEWS – Após comprar o carrinho, o material, como foi aceitação/relação com os concorrentes?

ARMANDO – Minha nossa, muito complicado! Quando lembro, a vontade é de chorar. Eu não podia chegar nem perto de nenhum outro vendedor. Muitos ficavam com cara feia, outros até me expulsava da rua, um local público. Foi um ano todinho apanhando. Todo lugar que tinha outro vendedor, eles me mandavam sair fora, por pura ameaça. Tiveram momentos que pensei em pegar o carrinho e jogar dentro do Rio Acre, momentos de desistir de tudo.

ACRENEWS – Apesar disso, o senhor não desistiu! Aqui, nesta calçada, inclusive já montou ponto fixo. Mas, também não foi fácil!

ARMANDO – Não foi fácil porque a gerente não permitia estacionar o meu carrinho na calçada da loja. Passei três meses sendo convidado para se retirar. Vinha um fiscal e pedia para sair. Vinha outro fiscal e pedia para me retirar. Às vezes colocava na rua mesmo, na frente da loja, e o fiscal mandava sair. Foram alguns meses levando uma vida de gato e rato.

ACRENEWS – Quem se cansou primeiro: A loja ou o senhor?

ARMANDO – Foi uma história até engraçada. Eu fui convidado para servir pipoca numa festa de aniversário. Eu cobrei, na época, R$ 50 reais por noite. Aí, todo mundo falando muito bem da pipoca, da minha forma de tratar as crianças, os convidados. Quem me contratou foi o pai do aniversariante, pagou muito bem, soube reconhecer o meu trabalho. Não demorou muito, já na hora de cantar os parabéns, descobri que o aniversário era do filho da gerente da loja Marisa. Confesso que nem desconfiava, mesmo porque todo mundo da loja tava lá, mas como estava trabalhando não liguei uma coisa à outra. Essa mulher gostou das minhas pipocas e viu uma oportunidade de me ajudar.

ACRENEWS – Olha só, o senhor servindo na festa de uma pessoa que ‘quase não o deixava trabalhar’! E o que aconteceu depois?

ARMANDO – Na semana seguinte voltei aqui pra frente da loja e fui surpreendido pelo fiscal. Sem o deixar falar nada, eu disse: “Tá bom, eu vou já sair”. Mas, para a minha surpresa, a gerente da loja pediu para me chamar para conversar. Nós conversamos e ela me autorizou usar o espaço. Já estou aqui há pelo menos 20 anos. Servindo os meus clientes, os clientes da loja, os funcionários da loja, ou seja, há muito tempo temos carinho, respeito e muita amizade entre nós.

ACRENEWS – A venda da pipoca é a única renda da sua família?

ARMANDO – Sim, foi através desse carrinho que sustentei e sustento a minha família, comprei as minhas coisas, a minha casa, formei a minha filha. Minha filha é formada em RH. Eu tenho outros dois homens. No momento ela é a única formada e está bem empregada.

ACRENEWS – Desses 25 anos de praça, 20 anos neste ponto, podemos dizer que a pipoca caiu no gosto popular dos acreanos?

ARMANDO – Com toda certeza, os acreanos amam pipoca. Fazendo um rápido balanço, eu cheguei a vender, antes da pandemia, mais de 10 kg de milho, numa única tarde. Hoje é quase impossível vender 10 kg de pipoca porque faltam clientes, né? Mas por ano, posso calcular a venda de quase uma tonelada de pipoca. Atualmente, eu vendo 4 kg de milho diariamente. É muita coisa no final do mês. Daí, você concluiu que o acreano gosta de pipoca! Vendo para as crianças, jovens e adultos. Idosos também param, compram uma pipoquinha e saem daqui felizes.

ACRENEWS – Além dos ingredientes, o que faz dessa pipoca tão saborosa?

ARMANDO – O tempero e o carinho com que é preparada. Eu só uso produtos de qualidade. Não costumo, nunca gostei, usar produtos de segunda linha como milho, manteiga, bacon. Nesse caso da salgada, por exemplo, o bacon não deixa um gosto marcante, é preciso colocar um tempero para realçar o sabor. Eu não posso falar o que tem no tempero, é segredo. Eu estudei muito para chegar a esse sabor. O que posso dizer é que são cinco condimentos para formar um único tempero. Mas, o que temos muito aqui é amor. Isso eu posso revelar. Eu coloco amor nas minhas pipocas e faz uma diferença para quem come.

ACRENEWS – É verdade que o senhor tem fregueses de outros estados e até de países da Europa?

ARMANDO – Tem gente que passa aqui na calçada e diz que foi indicação de outras pessoas que provaram as minhas pipocas. Elas são de outros estados, até em outros países como Portugal, da França, da Bolívia, Peru. Eu tenho fregueses, amigos, que quando vem visitar Rio Branco faz questão de vir no carrinho, ou pessoas que indicam a minha pipoca para um viajante. A gente bate um papo enquanto eles comem pipoca, a gente fica amigo.

ACRENEWS – É estratégia o tratamento aos clientes?

ARMANDO – Meu pensamento de vida é assim: Pipoca com bons produtos, facilidade no pagamento e a forma como trato os meus clientes. Acredito até que 50% seja o material, essas coisas, e os outros 50% é como você oferece o teu serviço. Problemas, todos nós temos. Não podemos passar para os outros os nossos. A vida não é fácil. Se você tem algo que é o teu ganho de pão, que você não cativa às pessoas para gastar, você não vai conseguir muita coisa. Quem oferece cara feia, tem mais chances de não ter clientes do que você que sorrir, que chama o cliente de amigo, que brinca, que interage com ele. Todo mundo gosta e merece ser bem tratado.

ACRENEWS – E a pandemia, como afetou o empreendimento do senhor?

ARMANDO – A gente sempre tem que tá preparado, né? Eu tinha a minha reserva, passei uns quatro meses parado em casa. Sou de risco, tenho uma saúde fragilizada e não queria arriscar. Aí, quando vi que a pandemia caiu os números, logo pensei em retornar. Estou aqui, trabalhando com muito cuidado, abusando da higienização, é álcool, é máscara, é todo tempo limpando o carinho, é todo tempo evitando cumprimentar fisicamente as pessoas. Eu vivo com medo.

ACRENEWS – A tecnologia vem revolucionando os pequenos empreendimentos, os médios e grandes. Para o senhor, como foi o processo de adaptação das formas de pagamento?

ARMANDO – Trabalhamos com dinheiro em espécie, cartão de débito, crédito, transferência e o PIX. Se você não tiver essas facilidades, o cliente desiste da compra. A gente tem que acompanhar o mercado, as tecnologias. Foi-se o tempo de só receber em dinheiro, ninguém anda com dinheiro na carteira. O meu processo de adaptação foi complicado, mais depois até melhorou, ficou mais seguro, mais organizado. Eu uso desde a máquina de crédito até o PIX. Às vezes ganho até mais por causa das bonificações que dão.

ACRENEWS – Que recado, conselho o senhor oferece para quem tem medo de buscar uma nova profissão ou que simplesmente quer empreender, que precisa ousar no empreendimento?

ARMANDO – Não tenha medo! Qualquer tipo de negócio que fizer hoje, você terá muitos desafios. Mas é preciso tentar. Como vai saber se é lucrativo, se não for tentar? É preciso ter atitude, não ouvir os conselhos negativos, também não desistir com facilidade. Trate bem as pessoas, independente de quem seja. Esteja aberto às opiniões construtivas. Veja o meu caso. Ninguém usava o bacon na pipoca, nas ruas de Rio Branco, eu iniciei essa moda. Mas as primeiras preparações foram horríveis. O bacon saia muito duro, sem gosto. As pessoas diziam que estava horrível. Tive que estudar bastante, fazer os meus temperos na cozinha de casa. Eu consegui chegar a esse gosto graças às minhas pesquisas. Não foi uma tarefa fácil.

Além desse conselho, de oferecer o melhor, eu posso dizer que é preciso ter ousadia e coragem para inovar. Aproveitando a oportunidade do jornal, quero dizer que vou começar a entregar pipocas no sistema delivery, ou seja, quem quiser comer as minhas pipocas no conforto de sua casa, trabalho, principalmente o pessoal que vivem no centro, nas repartições e não podem sair, estaremos entregando. Isso é mais uma inovação. Estamos no processo de teste e se Deus permitir, vamos conseguir.

ACRENEWS – Sem dúvida, a sua história é inspiradora e interessante. Nós desejamos sucesso na jornada. Muito obrigado por compartilhar conosco!

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

ACRE

MPAC ingressa com ação para suspender repasse de R$ 7,9 milhões à empresa Ricco Transportes

Publicado

em

Por

O Ministério Público do Acre (MPAC), por por intermédio da 2ª Promotoria de Justiça Especializada de Defesa do Patrimônio Público, Fiscalização das Fundações e Entidades de Interesse Social, entrou com uma ação para suspender o repasse de R$ 7,9 milhões à empresa Ricco Transportes.

Aprovado na quinta, a Câmara manteve a opção da renovação automática de um novo repasse em novembro, que passará desta vez sem pelo crivo da Câmara até que a Prefeitura contrate novas concessionárias, por meio de processo licitatório para prestação dos serviços.

“Essa ação busca proteger a sociedade, já que não há garantia de que a empresa Rico continuará a prestar os serviços na Capital, a despeito do pagamento pela Prefeitura”, destacou a promotora de Justiça Laura Cristina Miranda.

Com a aprovação, a gestão Tião Bocalom vai somar mais de R$ 10,3 milhões repassados às empresas do transporte público da capital.

A proposta aprovada repassa um subsídio no valor de R$ 1,45 para cada passageiro transportado no sistema de transporte público de Rio Branco e teria duração até novembro deste ano, podendo ser prorrogado até que sejam contratadas novas concessionárias, por meio de processo licitatório para prestação dos serviços.

Conforme relatório orçamentário-financeiro anexado ao PL, a prefeitura prevê que mais de 1 milhão de passageiros sejam atendidos por mês, o que totaliza R$ 1,6 milhão em repasse à empresa, como forma de subsídio.

Continue lendo

ACRE

Simulação de cena com múltiplas vítimas encerra capacitação de profissionais da saúde e segurança pública do Estado

Publicado

em

Por

Um acidente aéreo, o tombamento de um ônibus, a explosão de uma ambulância, pessoas gritando, um verdadeiro caos. Este era o cenário do exercício prático – simulado de cena, da etapa final do curso Resposta a Incidente com Múltiplas Vítimas, realizado na manhã desta sexta-feira, 1° de julho, no estacionamento da Arena da Floresta. O terceiro dia de treinamento reuniu cerca de 200 profissionais de saúde e da segurança pública e privada do estado.

Simulação de cena com múltiplas vítimas envolve cerca de 200 profissionais. Foto: Odair Leal/Secom

Com o objetivo de fortalecer a atuação do setor de saúde, de forma articulada com os demais atores estratégicos na resposta a eventos envolvendo múltiplas vítimas, o Acre foi o quarto estado da federação a receber a capacitação. Um evento promovido pela Força Nacional do SUS, em parceria com o governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre).

Entre os participantes estavam as polícias Civil (PC) e Rodoviária Federal (PRF), o Corpo de Bombeiros, o Serviço de Atendimento de Urgência e Emergência (Samu), o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), as Forças Armadas e a Defesa Civil, além dos profissionais da saúde pública e privada das regionais Alto e Baixo Acre e Juruá.

Evento capacitou uma equipe multiprofissional no salvamento em incidentes com múltiplas vítimas. Foto: Odair Leal/Secom

“Solicitamos essa capacitação no ano passado e hoje, finalmente, está acontecendo. Temos equipes das três regionais. Fizemos o possível para trazê-los: hospedagem, transporte, tudo isso para capacitarmos cada vez mais nossos profissionais a fim de oferecer um atendimento melhor à nossa população. Ainda não havia ocorrido um evento dessa magnitude. Se não trabalharmos com união não teremos resposta”, declarou a secretária de saúde, Paula Mariano.

Capacitação e integração de equipes

De acordo com o diretor do Departamento de Atenção Hospitalar Domiciliar e de Urgência da Força Nacional do SUS, Brunno Carrijo, a capacitação atua na integração de todas as equipes envolvidas no processo de salvamento em incidentes com múltiplas vítimas.

“Na verdade, estamos tentando diminuir o tempo de resposta, qualificar o atendimento e salvar mais vítimas nessas ocasiões. O incidente com múltiplas vítimas acontece quando envolve mais de cinco pessoas e, automaticamente, são acionadas todas as agências como a PRF, Polícia Civil, Samu, Corpo de Bombeiros e isso é uma organização. Tivemos dois dias de teoria e agora estamos vivenciando na prática, com uma simulação realística” esclareceu o diretor.

Simulação de cena com múltiplas vítimas. Foto: Odair Leal/ Secom

Para o coordenador estadual do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência do (Samu) e um dos idealizadores do evento, Pedro Pascoal, uma capacitação nesse nível traria um desfecho diferente em incidentes como o do avião da Rico, no ano de 2002, onde apenas oito pessoas sobreviveram, por exemplo. “A ideia é capacitar nossa equipe para que esse cenário seja invertido e nós consigamos prover maior qualidade de assistência, com menor risco e dano à população”, inteirou.

Vinda diretamente do Hospital da Mulher e da Criança do Juruá, a enfermeira Eliana Farias afirmou que o conhecimento adquirido nos três dias de treinamento contribuiu para a percepção do quanto os profissionais da saúde necessitam de conhecimento e atualização em todas as áreas de atendimento.

“Estamos saindo daqui satisfeitos. Nossa expectativa é que consigamos implementar todo esse conhecimento no nosso dia a dia, para quando acontecer esses incidentes, com múltiplas vítimas no nosso estado, estejamos preparados, não só na capital, mas no interior. Em Cruzeiro do Sul tivemos um acidente de grande magnitude, um incêndio em uma embarcação com mais de 30 feridos e com o curso percebemos o quanto e como podemos salvar vidas”, avaliou.

Simulação de cena com múltiplas vítimas

Vítimas com fraturas expostas, desacordadas, necessitando de atendimentos complexos e até mesmo de resgate aéreo. Foi assim que os estudantes de Medicina da Universidade Federal do Acre (Ufac) representaram para que a simulação alcançasse o objetivo. “Estou aqui como vítima, para ajudar. Vai ser uma grande oportunidade de vivenciar a realidade que enfrentaremos depois de formados. Vendo os profissionais de saúde que estão aqui, como eles vão agir, e começar a se preparar desde já”, relatou a estudante Sabrina Medeiros.

Estudantes da Ufac participaram como “vítimas”. Foto: Odair Leal/Secom

A sargento Marcela Gonçalves, do Corpo de Bombeiros, atuou como porta-voz do incidente, informando o quantitativo de feridos e mortes. Foram 35 vítimas, cinco óbitos (quatro homens e uma mulher). Havia uma vítima desaparecida, mas foi encontrada com a ajuda de cães farejadores.

Continue lendo

ACRE

Governador autoriza concurso público para cargos de oficiais de saúde e combatentes da PM

Publicado

em

Por

O governo do Acre, autorizou na sexta-feira, 24, a realização de concurso público para os cargos de aluno oficial combatente e oficial de saúde da Polícia Militar do Estado (PMAC), por meio da Secreta de Planejamento e Gestão (Seplag).

Serão 50 vagas, sendo 30 para aluno oficial combatente e 20 para aluno oficial de saúde.

Essa é uma demonstração de que o governo tem compromisso com o Acre, e que pretende melhorar cada vez mais a vida dos cidadãos, por meio da criação de oportunidades de desenvolvimento.

[Agência Ac]

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Soluções Tecnológicas