Connect with us

ACRE

Ex-reitores divergem sobre a criação do Hospital Universitário da UFAC

Publicado

em

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução (Arquivo)

O projeto da construção de um Hospital na Universidade Federal do Acre (UFAC) tem movimentado as redes sociais nos últimos dias. O assunto vem sendo debatido pela classe educativa e até mesmo por alguns grupos políticos no estado. Não diferente, a ideia de criar o “HU” na maior instituição de ensino público do Acre não passou despercebido, também, pelos ex-reitores da instituição – Jonas Filho e Minoru Kinpara.

O professor e paleontólogo Jonas Filho, que foi reitor entre os anos de 2000 a 2008, tem várias críticas sobre a real necessidade de construir uma unidade de saúde na UFAC. Segundo ele, o projeto “tem sido um tema muito controverso no seio da comunidade acadêmica nacional e que tem dividido opiniões”.

Jonas Pereira de Souza Filho (2000-2008)

“No caso do HU da UFAC, tê-lo ou não, estou convencido, a discussão ainda carece por demais de debates internos no âmbito de seus órgãos deliberativos, por autoridades políticas, bem como pela sociedade civil organizada, nunca envolvida na questão. A ausência do amplo e democrático debate sobre a construção do Hospital Universitário da UFAC é o primeiro ponto de minhas críticas”, comentou Jonas em uma publicação no Facebook.

Na ocasião, ele citou possíveis erros considerados estratégicos supostamente cometidos pela atual reitora, Guida Aquino. “O primeiro está relacionado ao inoportuno momento em que a Reitora investiu em tão grandioso projeto. Exatamente no momento de liderança de um Governo Federal falacioso, negacionista, terraplanista e trambiqueiro. Um governo golpista, com políticas homicidas, totalmente descomprometido com ações em saúde pública e que, por princípio, ojeriza a educação, a saúde e seus servidores”, citou e acrescentou: “O segundo erro foi na escolha do parceiro político”.

Jonas acredita que o salutar é “tirar o cavalinho da chuva” e “trazer o projeto para debates. Esperar por dias melhores, apostando e contribuindo para a construção de um futuro governo que seja responsável e comprometido com nossa sociedade”.

Na contramão de Jonas, o professor de matemática Minoru Kinpara, que assumiu a gestão da UFAC entre 2012-2018 acredita que o Hospital Universitário ajudará no atendimento da população mais carente, sendo ainda uma opção para a sociedade.

Minoru Martins Kinpara (2012-2018)

“A luta pelo hospital público universitário da Ufac, para atender os alunos dos cursos da área de saúde e a população mais carente do Acre, começou em 2013 quando estávamos na Reitoria da Ufac. Saímos candidato ao Senado, defendendo essa bandeira e, pretendíamos trabalhar para conseguir os recursos necessários para a sua construção. Não obtivemos êxito na eleição, porém continuamos na luta pelo hospital, juntamente com a atual Reitora”, comentou.

Kinpara manifestou contentamento pelo envolvimento de parlamentares juntamente com a atual reitoria para implantar a unidade de saúde dentro da instituição. “E fico feliz em ver alguns dos nossos parlamentares, entendendo a importância do projeto e “abraçando a causa”. Essa batalha não deve ser só da Ufac e sim de toda a Sociedade Acreana. Sigamos firmes até a vitória!”, concluiu.

O PROJETO

No início deste mês, Guida Aquino e o governador Gladson Cameli (PP) estiveram em audiência com o Ministro da Educação do governo Bolsonaro, Milton Ribeiro, em Brasília. No projeto apresentado, o HU pretende ofertar 280 leitos comuns e 40 unidades de terapia intensiva. Além disso, o terá acomodação para 60 consultórios médicos e 11 salas para centro cirúrgico. A expectativa, quando inaugurado, é ofertar 245 mil consultas ambulatoriais e nove mil cirurgias por ano. O montante para construir e equipar o local chega da R$ 252 milhões.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ACRE

Danilo Lovisaro é nomeado procurador-geral para o biênio 2022-2024

O ato de nomeação foi assinado pelo governador do estado, Gladson Cameli, e foi publicado na edição do Diário Oficial do Estado desta segunda-feira (29)

Publicado

em

Por

O procurador de Justiça Danilo Lovisaro foi nomeado o novo procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC). Ele vai comandar a instituição durante o biênio 2022-2024, sucedendo a atual procuradora-geral, Kátia Rejane de Araújo Rodrigues.

Eleito em primeiro lugar na lista tríplice, com 32,65% dos votos dos membros do MP acreano, o procurador toma posse no cargo em janeiro do próximo ano, em cerimônia com data a ser marcada. A eleição da lista tríplice ocorreu na sexta-feira (26), com a participação de 80 membros, entre procuradores e promotores de Justiça.

Danilo Lovisaro é 2º titular da Procuradoria de Justiça Criminal, e nos dois mandatos da procuradora-geral, Kátia Rejane de Araújo Rodrigues, atuou como coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), além de ser membro titular do Conselho Superior da instituição.

Ingressou no MPAC em 1998, assumindo como promotor de Justiça em Brasileia. Exerceu a titularidade nas Promotorias do Tribunal do Júri, Promotoria Especializada do Controle Externo da Atividade Policial, 8ª Promotoria de Justiça Criminal e na Promotoria Especializada de Combate à Evasão Fiscal. Foi promotor-corregedor e assessor especial da Procuradoria-Geral de Justiça, bem como diretor da Fundação-Escola do MPAC e presidente do Colégio Nacional de Diretores de Escolas (CDEMP).

Danilo Lovisaro é formado em direito pela Universidade Braz Cubas. Possui cursos de especialização lato sensu em direito constitucional, direito tributário, direito penal e direito processual penal. Mestre em direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e doutor em direito pela Università degli Studi di Roma “Tor Vergata”. Também atua como professor efetivo da Universidade Federal do Acre (Ufac) desde 1994.

Continue lendo

ACRE

Acostumado com a fama, Sargento Nery restringe acesso dos seus conteúdos nas redes sociais

Publicado

em

Por

Da redação do AcreNews / Foto: Reprodução

Após a repercussão do caso Flávio Endres, o Sargento da Polícia Militar do Acre (PM-AC), Erisson Nery, bloqueou os acessos as suas principais redes sociais para ‘inibir os curiosos, a imprensa e principalmente os revoltados’ com a sua atitude durante uma confusão ocorrida no último sábado (27) em Epitaciolândia.

Acostumado com o paparico dos seguidores por conta da fama de ser militar e ter um relacionamento com duas mulheres, incluindo uma também sargento da PM, Erisson Nery tratou, nas últimas horas, de bloquear ou restringir o acesso aos seus conteúdos.

Nery é uma espécie de influenciador digital da região. Promove publicações de pequenos serviços a grandes empresas com foco na fronteira do Acre com a Bolívia. Um dos seus últimos stories, em rede social, foi justamente o antes da confusão que esteve envolvido num bar, na noite de sábado (27).

Ele mostra o ambiente do QGIV Gastrobar na transmissão do jogo ocorrido entre Flamengo e Palmeiras. A casa de show que é bastante conhecida no município seguiu normalmente o fluxo até o momento da confusão que ocasionou em agressão e tentativa de homicídio. Até o momento, a direção do bar não se manifestou sobre o assunto.

Durante todo o domingo, Erisson foi considerado “foragido” tendo em vista que não permaneceu no local do crime e nem se apresentou à polícia. Durante todo o dia, os próprios colegas de farda fizeram buscas pelo acusado, mas não o acharam. Nesta segunda-feira (29), no final da manhã, ele se apresentou na Delegacia de Polícia Civil. Chegou acompanhado de um advogado, num carro de fumê escuro e sem falar com a imprensa. Nery foi recebido com protestos.

Erisson e suas duas esposas, formaram o popular “três amores”. Os três participaram de inúmeras entrevistas para jornais conceituados no país. Nos últimos anos, repercutiam suas intimidades nas redes sociais. Era justamente nas plataformas Facebook e Instagram que possuíam milhares de seguidores. Nas últimas horas, as contas já apresentavam declínio de seguidores.

Continue lendo

ACRE

Publicado edital com 171 vagas para o ICMBIO: 14 são destinadas para o Acre

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução

Foi publicado na edição de hoje (29) do Diário Oficial da União (DOU) o edital ICMBIO 2021 para o preenchimento de vagas para o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). No total são 171 vagas distribuídas entre o Acre (AC), Amazonas (AM), Amapá (AP), Maranhão (MA) e Rondônia (RO).

Segundo o edital, o certame tem por objetivo formar um cadastro de reserva nos cargos de Técnico e Analista Ambiental. Para o Acre, são 14 vagas. O concurso público está a cargo do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe).

Podem participar da seleção, formados em nível superior em qualquer área, em cursos reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC). Os candidatos podem atuar como Analista Ambiental. O salário será de R$ 8.089,64, por jornada de trabalho de 40 horas semanais. Já as para Técnico Ambiental tem por exigência conclusão de curso de ensino médio. A remuneração será de R$ 3.605,34, por carga horária semanal de 40 horas.

A taxa de inscrição para Analista é de R$ 104,00 e de Técnico Ambiental é de R$ 72,80. As inscrições estarão abertas a partir das 10 horas do dia 03 de dezembro até às 18h do dia 23 de dezembro de 2021 pela internet, no endereço eletrônico www.cebraspe.org.br/concursos/icmbio_21.

As provas objetivas e a prova discursiva serão realizadas no dia 06 de fevereiro de 2022 nas cidades de Belém-PA, Macapá-AP, Manaus-AM, Porto Velho-RO, Rio Branco-AC e São Luís-MA, nos locais e horários divulgados em 31 de janeiro.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia