Connect with us

ACRE

Recordista mundial em navegação solitária veio ao Acre a convite de um pastor, gostou, e revelou ao AcreNews que vai ficar por aqui mesmo

Aladir Murta já tem projeto de uma expedição no rio Acre

Publicado

em

O maior navegador solitário do mundo está no Acre e, pelo que disse à reportagem do AcreNews, está praticamente decidido a terminar sua vida por aqui. Aos 81 anos, mas esbanjando vigor, Aladir Murta, um praça aposentado do Exército Brasileiro, chegou ao Acre por intermédio de um ilustre acreano, o pastor Roberto Casas, conhecido como um dos três maiores ministradores do evangelho no Brasil. Eles se conheceram em um vôo, o convite foi feito e Aladir veio palestrar. Está na chácara do projeto missionário do pastor Casas, na estrada de Porto Acre, uma hospedagem temporária porque já trabalha com a possibilidade de arranjar por aqui uma moradia. “Adorei o Acre”, confessou, em uma conversa bem descontraída em frente ao Palácio Rio Branco. “Devo terminar minha vida por aqui”, informou.

Seu Aladir é recordista mundial de navegação solitária. Nos últimos 18 anos percorreu 120 mil quilômetros de rios no Brasil todo. Remou todo o rio São Francisco, parte do Solimões e Negro, apenas para citar os maiores. No Acre planeja uma grande expedição pelo rio Acre. Até o final do ano ele vai escolher um trecho do nosso rio para navegar com seu caiaque e todo o aparato que o acompanha. Aladir não rema atoa. Defensor do meio ambiente, seus projetos de expedições tem objetivo de chamar a atenção para as malvadezas que os homens fazem contra suas torrentes. Até lá ainda tem muita novidade.

Pastor Roberto Casas, um dos maiores conferencistas do Brasil, trouxe o navegador Aladir para o Acre

CONHEÇA A HISTÓRIA DO ALADIR CONTADA PELO JORNAL O ESTADO DE MINAS

Aladir Murta, a bordo de um pequeno caiaque, demonstrou boa forma ao remar em Lagoa Santa, na Grande BH (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)

Aos 63 anos, muita gente sonha ter uma aposentadoria sossegada, com casa própria e rotina tranquila. Nessa idade, com sete filhos criados, o mineiro Aladir Murta se desfez de imóveis e pertences para encontrar sua verdadeira vocação. Numa canoa de madeira, seguiu pelo Rio Araguaia, chegou à Ilha do Bananal e não parou mais. Brasil afora alcançou o Solimões, Negro, Amazonas, São Francisco, Velhas e tantos outros até atingir 60 mil quilômetros percorridos. Em 13 anos de expedições, ele completa 76 anos, sendo considerado o maior navegador solitário do mundo por revistas especializadas.

Nascido num encontro de rios em Itira, distrito de Araçuaí, e criado em Coronel Murta, cidades do Vale do Jequitinhonha, Aladir acaba de voltar às origens e concluir a travessia “mais difícil e bonita que existe”. Em três meses, remou em sua canoa – agora de fibra de vidro – por mais de 1 mil quilômetros no Rio Jequitinhonha, de Medanha, distrito de Diamantina, até a foz, em Belmonte, na Bahia. Emocionado depois do reencontro com o curso d’água de sua infância, Aladir veio a Santa Luzia, na região metropolitana, visitar a mãe, de 104 anos, e conversou com o Estado de Minas sobre as aventuras a bordo. A próxima investida será percorrer novamente o Velho Chico, da Serra da Canastra à foz.

Antes de ser navegador, Aladir foi cabo do Exército e lapidário de pedras preciosas, trabalhou também numa pequena indústria e cruzou o país numa moto. Mas importante para ele foi a história que começou a escrever em 14 de setembro de 2000. “Lia muito sobre o Rio Araguaia e tinha muita vontade de conhecê-lo. Lá, descobri que se navegasse um quilômetro, navegaria dois até chegar a 60 mil”, conta o navegador, que se tornou presidente da Associação de Proteção do Rio Araguaia e da Ilha do Bananal.

Canoa utilizada pelo navegador já o levou a várias regiões brasileiras, inclusive à Amazônia (foto: Aladir Murta/Reprodução)

Desde o início da aventura, Aladir não tem residência fixa e o celular vive fora de área. “Quem quiser me encontrar, é só ir a um rio”, diz. Na embarcação guarda tudo que precisa: barraca, colchão inflável, rede, duas panelas, duas varas de pescar, um fogareiro, um facão e alguns mantimentos em garrafas PET. Num outro compartimento, duas calças, duas bermudas e duas blusas. Os documentos vão num tambor, para não correr o risco de molhar – o suficiente para sobreviver entre as margens dos rios, onde histórias fantásticas e lendas se fundem.

Homem de fala lenta e palavras simples, Aladir parece até conversar num outro idioma quando começa a contar dos trajetos dos rios e nomes de tribos. No Araguaia, passou dias atracado, cuidando de uma onça ferida. Num outro episódio, próximo a Aripuanã, em Mato Grosso, ele viu um ritual de canibalismo. Também já se deparou com jacaré de sete metros na Amazônia e tomou uma capivara da boca de uma sucuri. “É nesse lugar que tem a cobra grande, de mais 20 metros”, conta. Mas essa seu Aladir não viu. “Só que eu vi quem viu a cobra”, diz o navegador, mostrando sabedoria.

Aladir já percorreu praticamente todos os rios do país, inclusive o das Velhas, da nascente à foz (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)

PELAS ÁGUAS

A remo, cruzou fronteiras com Peru, Colômbia e Paraguai, superou quedas d’água de 10 metros de altura, navegou o São Francisco e o Velhas três vezes cada um e, nessas viagens, passou por alguns apuros. Já naufragou, enfrentou tempestades, comeu peixe cru por uma semana, foi assaltado cinco vezes e, sem outra opção, teve que beber água do poluído Rio das Velhas. “Foi lá em Santana do Pirapama. Passei a mão como se estivesse limpando e tomei. Tem uns cinco anos e até hoje não tive nada, não”, assegura o navegador.

O casamento com a segunda mulher terminou assim que a aventura pelos rios começou, mas as águas lhe trouxeram também amores, como Fabiana, uma professora de Ipoeiras, no Tocantins. O romance é uma das passagens contadas no livro Além dos rios, biografia de Aladir Murta lançada em 2009. Por causa dessa aventura, ele se tornou ambientalista e, a cada cidade, dá palestras sobre o meio ambiente. Em cada município, também recolhe certificados comprovando que passou navegando pelos lugares. “Agora quero entrar com os papéis para conseguir o título de maior navegador solitário pelo Guiness”, diz.

E, segundo ele, a solidão é relativa. “Quando estou no rio converso com as plantas, com os animais. A minha navegação é solitária para essa sociedade que vive em um mundo cão, contaminado pelo vírus da destruição. Tem gente que me acha louco, pena que não são loucos como eu, porque seriam felizes como sou”, diz. Depois de 13 anos, Aladir confessa que os braços estão começando a dar sinais de cansaço, mas nem por isso ele vai abandonar a navegação. “Quando entro num rio, é como se eu fosse uma criança, e quando chego ao mar, é como se tivesse alcançando o céu.”

Rio Araguaia ao entardecer, em imagem feita pelo mineiro nascido no Vale do Jequitinhonha (foto: Aladir Murta/Reprodução)

SONHO

Ainda criança, sempre tive o desejo de ser grande como o mar e também ser simples como ele, que tem a humildade de ficar abaixo de todos os rios do mundo

SEM RUMO

Deixo acontecer. Vou visitar um rio e, quando assusto, já estou chegando ao outro. Não uso mapas nem nada, vou perguntando para os ribeirinhos. Brinco com a fúria da natureza, mas sempre respeitando os limites do rio

DEGRADAÇÃO

Nossos rios estão com uma vela na mão, todos poluídos. As autoridades estão demorando a agir. Elas têm que largar o papel e a mesa e começar a agir na prática

JEQUITINHONHA

É rio com paisagens mais bonitas. Mas, em vários pontos, a água é barro, o leito está todo assoreado e a vegetação destruída. Vi dragas maiores do que uma casa.

IRREGULARIDADES

Acho que depois de navegar tanto, tenho o direito de cobrar mais da área da fiscalização. Ela é fraca e arbitrária. O governo beneficia quem não tem um anzol na mão. O que vemos aí é mulher de vereador recebendo bolsa de auxílio ao pescador.

PEDIDO

Se um dia, por acaso, me encontrarem morto junto das águas, peço que não me tirem de lá, mas me enterrem na beira de um rio.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

ACRE

Edição especial do Projeto Cidadão será voltada ao atendimento de pessoas em situação de rua

Documentação, atendimento médico, odontológico, jurídico e previdenciário integram a edição do projeto “Acolher para Transformar”

Publicado

em

Por

Nos próximos dias 2 e 3 de junho será realizado o projeto “Acolher para Transformar”, no Fórum Barão de Rio Branco. O mutirão de atendimentos é uma edição especial do Projeto Cidadão, voltado às pessoas em situação de rua da capital acreana.

O acesso a documentação civil é uma forma de garantir direitos e promover cidadania, reduzindo a invisibilidade desse público. A primeira etapa desta atividade ocorreu até o dia 4 de maio, quando encerrava o prazo para expedição, regularização e transferência dos títulos de eleitor.

Quem está em situação de rua tem maior dificuldade em ter acesso a direitos constitucionais fundamentais. Assim, o direito a identificação civil é o caminho para acessar outras políticas públicas, como um atendimento de saúde, por exemplo. Deste modo, o Tribunal de Justiça do Acre tem priorizado o fomento de ações inclusivas, a fim de contribuir na superação de barreiras impostas por múltiplas vulnerabilidades sobrepostas.

Com a sensibilidade de quem está  há 46 servindo à Justiça, a decana da Corte, a desembargadora Eva Evangelista liderou a tessitura de uma rede de colaborativa. Foram realizadas rodadas de reuniões para articular a participação das instituições e sensibilização quanto à demanda.

O diálogo se iniciou com os representantes dos órgãos integrantes do Sistema de Justiça (Justiça Federal, Ministério Público Federal, Defensoria Pública da União, Ministério Público do Acre, Defensoria Pública do Acre), Estado e Município de Rio Branco, por meio de suas secretárias da área de assistência social (Secretaria de Estado de Assistência Social, Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres; Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos).

Andarilhos, mendigos, guardadores de carros e outros empregos precários compõem os rótulos dessas pessoas. Isto se soma a falta de uma habitação convencional regular, ou seja, dormem em praças, calçadas, prédios abandonados e até ao relento. A complexidade desse contexto social exige o aceite em adotar posturas frente ao preconceito, estigmas e marginalização. A pobreza e a heterogeneidade desse público justificam a necessidade dos direitos humanos, medidas para garantia da dignidade e construção de uma sociedade mais solidária.

Deste modo, o planejamento seguiu com nova reunião com SASDH,  Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP), Polícia Civil, Sesc-AC e Ordem dos Advogados Brasileiros, seccional Acre (OAB-AC).

Por fim, a mobilização contatou Álvaro Mendes, representante do Movimento Nacional de população de rua, Hudson Nunes, representante do Movimento Acreano das Pessoas em Situação de Rua (MAPSI) e a Elizangela Maffi, representante da Associação de Redução de Danos do Acre (Aredacre), organização sem fins lucrativos, voltada ao trabalho preventivo contra a disseminação de doenças de condições crônicas e infecções sexualmente transmissíveis.

A juíza-auxiliar da Presidência, Andrea Brito, enfatizou que a iniciativa contribui com o objetivo de garantir o acesso à Justiça, conforme previsto na  Resolução do CNJ n° 425/2021. “O nome do evento reflete então o lema dessa política institucional: acolher para transformar”, enfatizou a magistrada.

Continue lendo

ACRE

Senado coloca na pauta de votação MP que libera crédito para reconstruir a BR-364

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução

Entrou hoje (26) na pauta de votação do Plenário do Senado Federal, a Medida Provisória (MP) 1.097/2022 que destina R$ 418 milhões de reais para o Ministério da Infraestrutura. O dinheiro será usado para reconstruir as rodovias destruídas pela chuva.  O crédito extraordinário será empregado em 14 estados.

Segundo a MP, para a região Norte será liberado o valor de R$ 133 milhões que será injetado nos estados do Acre, Amazonas, Pará, Rondônia e Tocantins. Já para o Centro-Oeste, R$ 36 milhões; para o Sudeste, R$ 191 milhões; e para o Nordeste, R$ 58 milhões.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, o valor destinado ao norte vai servir para os serviços de reconstrução da BR-364, no Acre. Alguns trechos estão praticamente intrafegáveis e tal situação pautou inúmeras agendas da bancada federal, governo do estado e entidades sociais junto à autarquia.

Continue lendo

ACRE

Cidades do Acre sentiram a terra tremer após terremoto de 7,2 de magnitude no Peru

Publicado

em

Por

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução

Um tremor de terra de 7,2 de magnitude que teve seu epicentro no Peru foi sentido na Bolívia e no Brasil, na manhã de hoje (26). Moradores de cidades do Acre como Feijó, Santa Rosa do Purus, Tarauacá e Manoel Urbano reportaram o fenômeno.

Em consulta ao Monitor dos Abalos Sísmicos do Brasil, o território acreano chacoalhou exatamente às 7h02m (horário local). “55 abalos sísmicos foram reportados nas últimas 48 horas. Do total, 49 eventos foram classificados como de leve intensidade enquanto 5 receberam o status de moderados. Apenas um dos tremores foi classificado entre forte e muito forte. Dos 55 eventos, o de maior intensidade ocorreu às 07:02 do dia 26/05 e foi localizado no Peru, 13 km a oeste-noroeste de Azangaro, a 217 km de profundidade. O abalo foi calculado em 7.2 magnitudes”, informou o boletim.

No mapa do portal Apolo 11, destaque para o tremor no Peru que também foi sentido nos países vizinhos. “O poderoso abalo sísmico de magnitude 7.2 registrado no sudeste do Peru na manhã desta quinta-feira foi sentido no Brasil. Pessoas que estavam em vários prédios em Porto Velho (RO) e em Manaus (AM) relataram ter sentido o tremor por volta das 8h e alguns edifícios chegaram a ser esvaziados. Também houve relatos pelas redes sociais de moradores do Chile, Equador e Bolívia. O evento foi profundo e não há informações sobre vítimas no Peru”, acrescentou.

O portal Painel Global que destacou a magnitude dos tremores calculados em a 13 km a oeste-noroeste de Azangaro. “O violento abalo teve seu hipocentro localizado sob as coordenadas 14.86S e 70.30W, a 217 km de profundidade. Apesar da grande intensidade do abalo, a profundidade em que ocorreu o evento favorece a dissipação da energia antes de chegar à superfície”, informou a plataforma.

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Soluções Tecnológicas