Connect with us

ESPORTE

Vaga na 2ª fase da Copa BR vai render R$ 675 mil para Galvez e Atlético-AC

Avatar

Publicado

em

Galvez e Atlético Acreano, além de outros 56 clubes estão inseridos no Grupo III na tabela de pagamento de cotas aos clubes participantes da Copa do Brasil-2021. Conforme a tabela de valores divulgada essa semana pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), cada clube desses recebe pela participação na primeira fase do torneio, R$ 560 mil. A classificação de uma dessas equipes para a fase seguinte renderá ao clube mais uma cota de R$ 675 mil.

Nesta edição de 2021, a Copa do Brasil vai pagar ao campeão aproximadamente R$ 73,6 milhões. No cronograma de valores ficou definido que a partir da terceira fase os valores são iguais para todos os participantes.

Conforme matéria vinculada pelo ge, os clubes participantes foram divididos em três grupos. O Grupo I reúne os 15 primeiros colocados do ranking nacional de clubes da CBF. O Grupo II tem os outros sete clubes da Série A do Brasileirão. Já o Grupo III é formado pelas outras 58 equipes.

Leia mais em NA MARCA DA CAL, clique AQUI!

Continuar lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ESPORTE

Time de vôlei onde joga acreano pode passar hoje para a primeira divisão nacional

Avatar

Publicado

em

Por

O jogo mais importante da temporada do JF Vôlei acontece nesta terça-feira (13), às 16h, no Ginásio do Riacho, em Contagem (MG). Após hiato de três temporadas, a equipe juiz-forana pode carimbar seu retorno à primeira divisão do vôlei nacional se vencer o Aeroclube pela partida de volta das semifinais da Superliga B. Isto porque no jogo de ida, o time comandado pelo técnico Marcos Henrique do Nascimento venceu o adversário potiguar, do levantador Marlon e companhia, no tie-break, em Natal (RN).

A partida será transmitida on-line e a Tribuna irá acompanhar o duelo com resultado divulgado logo após o término. Em caso de vitória do Aero, igualando o confronto, uma terceira partida acontece na quarta-feira (14), novamente às 16h e em Contagem, definindo qual equipe se junta ao Brasília Vôlei na decisão do torneio e na primeira divisão do vôlei na temporada 2021/2022. O time candango passou na semifinal pelo Anápolis (GO) no fim de semana.

Entre os destaques do embate do último sábado (10) está o líbero Dayan Barros. O atleta de 24 anos, que vive sua primeira temporada em Juiz de Fora, destacou o controle mental do grupo para os momentos decisivos do primeiro duelo, com a virada e vitória conquistadas após oscilação do grupo. “Foi uma grande partida, tinha uma ótima equipe do outro lado também e sabíamos que seria assim por se tratar de uma semifinal e ter muita coisa em jogo. Particularmente, eu sabia que o controle emocional seria um fator decisivo. Oscilamos, mas acho que no tie-break conseguimos controlar a ansiedade e graças a Deus saímos com a vitória”, analisou o defensor Dayan.O conteúdo continua após o anúncio

Depois de uma partida intensa sem o preparo ideal, já que o JF Vôlei passou quase um mês sem poder treinar pelas restrições no estado devido ao combate à Covid-19, o elenco descansou no domingo (11) e, nesta segunda, voltou aos estudos. “Foi uma partida muito desgastante, de cinco sets jogados, e em um ginásio muito quente também. Tivemos uma viagem muito cansativa retornando. Priorizamos o descanso num primeiro momento, mas hoje (segunda) já estudamos essa partida de sábado pra ajustar alguns detalhes, saber onde temos que melhorar. E com certeza será outro encontro muito acirrado. Acho que a série está aberta, o Aero tem uma equipe muito qualificada e acredito que vai ser um bom jogo. Precisamos estar preparados pra isso”, conta o líbero juiz-forano.PUBLICIDADE

Se o técnico Marcão optar por iniciar o jogo com o mesmo time que começou a partida no sábado, o JF Vôlei terá o oposto Paolinetti, o levantador Gustavo, os centrais Bruno e Pilan, além de Viller e Celestino nas pontas, com Dayan de líbero. Outra opção, usada durante a ida, é levar Celestino para a saída de rede e promover a entrada de Thiago na vaga de Paolinetti.

“Resultados não vieram ao acaso”

O JF Vôlei faz campanha histórica, independentemente do resultado das semifinais. Até o jogo de hoje, o elenco atual registra a melhor performance da história do clube no vôlei profissional, com dez vitórias em dez partidas realizadas na temporada da Superliga B. Questionado sobre a quais fatos Dayan credita este desempenho, o líbero destacou a força coletiva.

“Sem dúvidas (credito) ao grupo e, quando eu digo o grupo, falo no contexto geral, não só aos atletas. A comissão técnica tem trabalhado demais, passando tudo mastigado pra gente. Além da postura da equipe. Desde o começo do campeonato a gente se comprometeu a entrar em cada jogo como se fosse uma final. Esses resultados são reflexo disso, não vieram ao acaso. Temos trabalhado bastante por isso”, reforça.

JF Vôlei e Aero se enfrentaram duas vezes nesta Superliga B, todas em Natal. Em ambas o time juiz-forano se saiu vencedor – na primeira fase o triunfo veio ainda na 2ª rodada, por 3 sets a 1. O time local não atua em Juiz de Fora por negativa da UFJF quanto à utilização de seu ginásio, bem como a falta de um outro local para realizar as partidas e, mais recentemente, às restrições por conta da pandemia.

Continuar lendo

ESPORTE

O Arquivo do Façanha – Maurício Generoso: um campeão dentro e fora dos gramados para a eternidade

Avatar

Publicado

em

Por

Por Manoel Façanha

O “Arquivo do Façanha” traz, neste domingo, uma homenagem ao querido professor e ex-zagueiro Maurício Generoso, falecido aos 67 anos, em João Pessoa-PB, vítima do novo coronavírus. O leitor poderá conferir dezenas de imagens de sua trajetória como atleta, treinador e dirigente.


Mesmo ainda atônico com a perda do amigo Maurício Generoso, resolvi, primeiramente, realizar um mergulho na sua história de atleta para descobrir que o nosso personagem era considerado um zagueiro viril que, por uma década, vestiu as camisas do Atlético Acreano (Taça Cidade de Rio Branco-1974) e do Juventus. No entanto, foi no rubro-negro acreano (1975-1983) que ele faria história, ao conquistar títulos importantíssimos ao lado de zagueiros clássicos como Mustafa, Neórico, Paulão e Cleiber.

Ao todo, o Capitão, assim como era chamado entre os amigos da bola, conquistaria um tetracampeonato estadual na condição de titular da zaga juventina (1975/76/78 e 1980). O penta só não veio pelo fato do tapetão entrar em ação e tirar não somente o troféu das mãos dos juventinos, como também a faixa de campeão do peito dos seus atletas, após uma irregularidade na inscrição do zagueiro rubro-negro Neórico, isso em 1977.

O Juventus ainda neste período conquistaria outros dois títulos com Maurício Generoso fazendo parte do elenco (1981/1982), mas nesta época, ele perderia a condição de titular para o trio formado por Neórico, Paulão e César. Outra grande proeza na carreira do professor Maurício Generoso diz respeito a fazer parte do elenco que conquistou o título do Copão da Amazônia de 1981.

A Educação Física e o Handebol
Com a carreira futebolística deixada pra trás, Maurício Generoso resolveu buscar formação na área de Educação Física, na Universidade de Batatais, interior de São Paulo.

Qualificado, Maurício trabalhou décadas na rede de ensino municipal e estadual e ganhou notoriedade como treinador de Handebol, inclusive, apontado como um dos melhores do Estado.

Generoso, por diversas vezes, esteve entre os premiados do “Prêmio Destaque Esportivo Campos Pereira”, evento esse que era organizado pela Associação dos Cronistas Esportivos do Acre (Acea). Entre as dezenas de títulos conquistados na função de treinador de Handebol, principalmente no desporto educacional, onde foi o maior vencedor durante as edições dos Jogos Escolares, o mais expressivo, sem dúvida, viria, justamente, no local da sua última morada, a cidade de João Pessoa (“onde o sol nasce primeiro no continente americano”). Foi lá que ele conduziu a equipe de Handebol masculino do Acre ao vice-campeonato nas Olimpíadas Colegiais-2008, faixa etária de 15 a 17 anos.

Maurício Generoso no Maracutaia
Retomando um pouco lá atrás dessa história, quando Maurício Generoso estava no seu último ano como atleta de clube da elite do futebol acreano, ele resolveu disputar o tradicional Peladão da Funbesa. O clube escolhido foi o Volta Redonda, do então representante comercial Ivan Palheta, meu vizinho no bairro da Estação Experimental.

Mariceudo, Antônio da Loteca, Curió, Neco, Carioca, Carlinhos Pirarara, Nino, Zito, Zé Gordinho e tantos outros bons jogadores faziam parte do “Esquadrão Amarelo”, isso em 1983. Um verdadeiro Timaço! Nesta época, eu também vestia a camisa do Voltaço, mas do infantil, como contei na coluna passada. Então foi aí que conheci o professor Maurício Generoso. Lembro-me que a cada vitória do “Esquadrão Amarelo”, que era comandado pelo técnico Mustafa Anute, o churrasco, regado a cerveja e refrigerante, estava garantido, além do som ao vivo ocorrido na área da casa do Palheta, esse ex-atleta do Comercial de Sena Madureira, primo do Mariceudo e pai da professora Carla Aguiar (Escola ABC).

Depois disso, Generoso apareceu como preparador físico do Juventus na temporada de 1984. Na grande decisão, diante do Independência, então comandado pelo professor José Aparecido Pereira dos Santos, o Nino, o Juventus venceu por 1 a 0, gol do saudoso atacante Antônio Júlio, num domingo chuvoso e com arbitragem do carioca José Roberto Wright, no lendário e lotado Stadium José de Melo, onde entre os presentes estava esse escriba, com apenas 14 anos de idade e acompanhado da esposa do professor Nino, Dona Marilza.

O pé quente de Maurício também prosseguiu e durante a carreira ele trabalhou como preparador físico em diversos clubes locais, entre eles o Rio Branco (foi o preparador físico do clube na Copa Conmebol e também em outras oportunidades) e no vice-campeonato da Adesg na temporada de 1993. Sempre muito ativo, Maurício Generoso também trabalhou algum tempo em algumas equipes de futsal, ora como treinador e ora como preparador físico.

Na Fafs, o churrasco e o fusquinha do Nino
O tempo passou e voltei a encontrar o professor Maurício Generoso em edições de Jogos Escolares, mas primeiramente como participante e, logo depois, como jornalista esportivo e também tesoureiro da Federação Acreana de Futsal (Fafs) na gestão do saudoso professor José Aparecido Pereira dos Santos (Nino), isso em 1996.

A partir daí nossa amizade se fortaleceu e durante uma década e meia sempre trocávamos figurinhas a respeito da modalidade, isso não somente pelo fato da minha profissão de jornalista esportivo exigir uma proximidade ao cargo que ele exercia de diretor técnico da Fafs, mas também pela admiração mútua entre as partes.

Lembro-me que, quando o Nino era presidente da Federação Acreana de Futsal (Fafs), frequentávamos aqui e ali a Churrascaria do Oscar para nossas reuniões e lá trocávamos informações no sentido de buscar o melhor para a modalidade (cursos, patrocínios e competições).

E, muitas vezes, após nossas reuniões (confraternização, pois era sempre prazeroso o bate-papo) o Nino, que era meu vizinho, pegava o volante do seu velho fusquinha da cor cinza, para irmos deixar o professor Maurício Generoso no Universitário, último conjunto residencial da saída de Rio Branco. E o papo durante o percurso até a casa do Generoso voltava a fluir com o surgimento de várias ideias e algumas gozações de situações vivenciadas pela modalidade. Também digno de registro é que, nesta época, o desportista Auzemir Martins foi nomeado pelo Nino como relações públicas da Fafs.

Professor polivalente
Além disso tudo, o Maurício Generoso era do tipo de desportista que ajudava onde era chamado. Cafezar, Fundação Cultural, Fundação Garibaldi Brasil e tantos outros setores que buscavam de uma forma ou de outra a realização de atividades esportivas.

E, nesta pegada, fiz ele se envolver várias vezes na organização da Copa Bancária de Futsal, inclusive, ele coordenou muitas vezes os congressos técnicos, opinando a respeito do regulamento e elaborando as tabelas de jogos, isso sem falar das dezenas de vezes que deixou os afazeres familiares do sábado para marcar presença à beira da quadra.

O jeito sério, mas ao mesmo tempo brincalhão, ganhou à simpatia e o respeito dos atletas-bancários, assim como da diretoria sindical e seus funcionários. Lembro-me que, geralmente, um dia antes dele ir ao sindicato para tratar das competições, me ligava e dizia: “Manoel Façanha, manda a tia preparar aquela garrafa de café e a bandeja de bodó que amanhã estarei aí pra conversarmos”.

No outro dia, no horário combinado, lá estava o Maurício Generoso, alegre e comunicativo com todos que estavam ao seu redor. E se o leitor perguntar pelo café e a bandeja de bodó, eu respondo que eram as primeiras providências que a tia tomava quando chegava à cozinha do sindicato, e isso não era por outra coisa, mas sim, pelo carinho dispensado ao professor Maurício Generoso.


E fora isso tudo, o Maurício Generoso, quando dos tempos áureos de nosso futsal, sempre, quando eu solicitava, ele fazia anotações técnicas pontuais das partidas ocorridas e me entregava in loco ou me ligava no outro dia, como o combinado.

Muitas vezes, eu já com a paixão pela fotografia enraizada pelo corpo, ficava à beira da quadra registrando os lances com o objetivo de usá-los uma ou outra imagem na página de esportes do jornal O Rio Branco.

Fechada aquela pauta, o Maurício me entregava o relatório técnico dos jogos (gols e outras anotações para enriquecimento da matéria). Lembro-me ainda que, muitas vezes, principalmente as noites de sextas-feiras, eu cruzava a cidade para ir deixar o professor Maurício no Conjunto Universitário. Lá não resistia ao seu convite para tomarmos uma gelada e esticarmos a resenha, isso lá pelo início dos anos 2000. Também digno de registro é a contribuição do professor Maurício Generoso para pautas relacionadas aos Jogos Escolares e competições de handebol.

Nossas últimas conversas
Nossas últimas conversas ocorreram no mês de janeiro e março pelo whatsapp. A primeira, ocorrida dia 28 de janeiro, quando das férias do cronista esportivo Raimundo Fernandes, na cidade de João Pessoa-PB. Certo momento da noite, recebi uma mensagem e, posteriormente, uma foto, com o Fernandes, sua esposa Clice Carvalho, e o professor Maurício Generoso, dividindo uma mesa com uma gelada no centro, no Bar Barril 21.

Falei pra ele: “Tá bem acompanhado. Diga para o Fernandes que vou mandar essa imagem para o Paulo Roberto Araújo (cronista esportivo da Rádio Difusora Acreana)”. Logo depois ele respondeu: “Estamos sentindo sua falta meu amigo Manoel Façanha”. Então respondi: “No futuro vou por aí, mestre”. Ele disse: “Já estou no aguardo, você é meu amigo”.


Já nossa última conversa, ocorreu dia 14 de março, quando perguntei a respeito do seu estado de saúde, após contrair o novo coronavírus. Ele visualizou e respondeu: “Boa tarde, meu querido Manoel Façanha. Já estou bem graças a Deus. Obrigado pela sua preocupação!

Quem era Maurício Generoso
Maurício Generoso era natural da cidade de Brasiléia, professor aposentado da área de Educação Física, com histórias construídas nas escolas Diogo Feijó, Lindaura Leitão e Colégio Estadual Barão de Rio Branco (CEBRB). Generoso há quase dois anos residia na cidade de João Pessoa-PB. O último cargo de dirigente esportivo foi de vice-presidente da Federação Acreana de Handebol (Fach) na gestão da presidente Maria Rosaídes, a Bolha (2009-2021). Maurício era casado com Dona Socorro e deixou três filhos: Mauricinho, Maurílio e Messias.

Minhas lágrimas
Eu paro por aqui, as minhas lágrimas não me deixam mais escrever uma vírgula sobre a linda trajetória desse educador e ser humano amável que foi o mestre Maurício Generoso…

Continuar lendo

ESPORTE

Federação de Futebol pede apoio a Alisson Bestene para jogo da Copa BR Sub-20

Avatar

Publicado

em

Por

MANOEL FAÇANHA

Na busca da realização do confronto entre Galvez e Londrina-PR, agendado para o próximo dia 24 de abril, em Rio Branco-AC, a Federação Acreana de Futebol (FFAC), aproveitou a solenidade de entrega da ambulância do projeto Craques da Saúde, criado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para ajudar no combate a pandemia do novo coronavírus, para fazer um pedido ao secretário de saúde, médico Alisson Bestene, para que o mesmo levasse ao Comitê Estadual de Combate à Covid-19, o pedido de liberação da partida do próximo dia 24, válida pela primeira fase da Copa do Brasil Sub-20.

O secretário de saúde, antes de responder a reivindicação da entidade esportiva, agradeceu a CBF pelo o envio da unidade hospitalar e afirmou que será de grande importância para o transporte de pessoas com problemas de saúde. Quanto à reivindicação, Alisson Bestene explicou que vai levar a demanda para o Comitê Estadual de Combate à Covid-19, mas acredita que o órgão possa liberar a realização da partida, isso justificado pelo fato de ser um jogo único, com portões fechados, com os participantes seguindo rígido protocolo sanitário.

Questionado pelo blog do Chico Pontes a respeito da retomada da prática futebolística nas regionais acreanas, o médico, que é o gestor presidente do Comitê Estadual de Combate à Covid-19, respondeu que a expectativa da retomada das atividades possa ocorrer a partir de maio, quando o platô de infecções e óbitos pelo novo coronavírus esteja numa decrescente.

Continuar lendo

Trending

www.acrenews.com.br é uma publicação da Acrenews Comunicação

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Endereço: Área rural, 204, Setor Barro Vermelho - CEP 69.923-899

Os artigos assinados não expressam a opinião deste site.

contato@acrenews.com.br

Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados.