Connect with us

CULTURA

Sotaques Sonoros é o novo trabalho do artista acreano Arthur Miúda

Avatar

Publicado

em

Por Eanes Henrique Enes

Arthur José de Souza Martins, também conhecido como “Miúda” é instrumentista, produtor musical e pesquisador.

O álbum contém releituras de canções de seu percurso de mais de dez anos na capital, Rio Branco. E traz em seu núcleo a junção de cinco trabalhos e formatos do artista em dez canções.

1 – Sereno da noite (Olívio Botelho de Andrade)

2 – Flora sonora (Beto Brasiliense, Felipe Jardim, Pia Vila)

3 – Viene Clareando (Atahualpa Yupanqui)

4 – Tudo blues (com interpretação e co-autoria de Pat Saturno)

5 – Beija-flor (Sebastião Mota de Melo)

6 – Seis ipês (Deivid de Menezes/Orejas)

7 – Kaya kaiêi (Mapinguari blues)

8 – Eu sou flor das águas (Alfredo Gregório de Melo)

9 – Presente de jah (Sílvio Margarido)

10 – Sessão aberta (Grupo de improvisação livre)

Arthur José Miúda nos conta que o projeto visa proporcionar o intercâmbio entre o popular e o contemporâneo, ao envolver musicistas de gerações e estilos distintos atuantes na capital acreana, com quem já teve a oportunidade de trabalhar em atuação como instrumentista, arranjador e produtor musical.

O álbum “Sotaques sonoros” foi produzido entre janeiro e março de 2021 na cidade de Rio Branco, Acre. Gravado, mixado e masterizado durante o mês de fevereiro e março no Studio Telúrico Linguagens Artísticas por Deivid de Menezes.

O Álbum revela o diálogo aberto entre os idiomas musicais que integram a trajetória do Músico. Tendo como fundamentação os processos intuitivos mediados pelo tocar em conjunto, com o livre diálogo entre os idiomas sonoros do Jazz ao Bolero, do Blues ao Forró, Soul a Cumbia, ressignificando assim de forma criativa as fronteiras musicais estabelecidas.

Inicialmente a idéia do álbum era gravar ao vivo, porém o artista teve que se readequar devido a pandemia. E uma das opções que surgiram foi gravar as guias de violão e contrabaixo, algumas sozinho e outras com Deivid de Menezes, que assina a produção. E no segundo momento, os músicos participantes ouviam as guias e criaram levando em conta a ideia base.

Atuante, desde o ano de 2004 no campo Cultural, fez parte das bandas:

– Lona Blues Boys, Na Tora, Far Star, Mamelucos, Caldo de Piaba, Duo

Judia, Orejas e Regional Paraiso e Combustão espontânea.

Em 16 anos, no decorrer de sua trajetória como baixista, participou em shows, apresentações, “Jam Sessions” com os seguintes artistas:

Antônio Pedro , Arismar do Espírito Santo , João Veras, Andrelino Caetano, Bima, Chico Chagas, Deivid de Menezes, Shaneihu Yawanamá, Clenilson Batista, Pat Saturno, Daniel Groove, Heloy de Castro , João Donato, Silvio Margarido, Pio Lobato, Jorge Cardoso, Pia Vila , Vinícius Dorin, Mapinguari Blues, Saulo Duarte, Zé Jarina, Robertinho Silva, Haley Arthur, João Araújo, Thiago do Espírito Santo.

Sotaques Sonoros foi aprovado no edital arte e patrimônio da lei Aldir Blanc, pela fundação Elias Mansour, no final do ano passado.

O álbum está disponível em seu canal no YouTube e no Spotify.

Foto: Reprodução

Sotaques Sonoros – Arthur Miúda:

Spotify link: Sotaques Sonoros.

YouTube link: Sotaques Sonoros.

Continuar lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CULTURA

Os Descordantes anunciam um novo single: “E Agora”

Avatar

Publicado

em

Por

Quase 4 anos após o último lançamento de inéditas com o álbum Quietude, Os Descordantes anunciam um novo single: “E Agora”. A banda, atualmente composta por Dito, Saulo e Heriko, anunciará oficialmente hoje (12), a data de lançamento da música no Instagram oficial do trio.

Um dia após uma Live beneficente, Dito, ao falar com o Acrenews, deu um contexto ao novo single:

“Gravamos essa faixa no final de 2017. A banda continua inativa, principalmente por conta da pandemia. A gente não pensa em gravar mais material inédito por enquanto. Essa faixa estava guardada e vamos lançar pra matarmos a saudade de nos reconhecermos quanto artistas, pra matar a saudade de quem gosta da banda e também porque a música tá bem bonita e merecia ver a luz do dia!”

A faixa será lançada no dia 11 de junho, data em que comemoram 4 anos de lançamento do seu último disco de inéditas, Quietude.

Saulo, Dito e Heriko – Os Descordantes

Continuar lendo

CULTURA

Delegado de polícia do Acre lança livro contando sua história por meio de live nesta quarta, 12

Avatar

Publicado

em

Por

O livro trata da trajetória do autor que foi estudar direito aos 45 anos e fazer concurso para o cargo de Delegado de Polícia Civil depois dos 50 anos, sendo que tomou posse no cargo aos 55 anos no Estado do Acre. Atualmente é Delegado na Primeira Delegacia de Rio Branco, no bairro Sobral. É mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas.

A mensagem do livro é: VOCÊ TAMBÉM PODE, SÓ DEPENDE DE VOCÊ.

DEPOIS DOS 45 – NA PRORROGAÇÃO narra a história de uma pessoa determinada e confiante de que a caminhada é segura e vai dar certo. Mostra a possibilidade de ser possível buscar os sonhos a qualquer momento, sendo à vontade o aspecto determinante.

O livro, nos limites de uma ficção, expõe a firmeza com que o autor percorreu a sua senda numa certeza ímpar de que estava da rota certa ao fazer a opção de estudar depois dos 45 anos. Contudo já quero deixar claro que o livro não é um conto, é uma história real de um homem de carne e osso, certamente com uma mente diferenciada. Um nordestino destemido, que nasceu no interior do Maranhão, passou pelo Piauí e atualmente vive no Acre.

Judson Barros logrou êxito em diversos concursos depois dos 45 anos. Dentre os cargos que ocupou, podemos citar o de analista do Ministério Público do Amapá, analista da Defensoria Pública da União e professor da Universidade Federal do Amapá, onde cursou mestrado em Direito Ambiental e Políticas Públicas. Tudo sem a necessidade de apadrinhamento, a troco de uma única receita: a confiança e a dedicação misturadas com a paciência.

Depois dos 50 anos resolveu ser Delegado de Polícia e conseguiu aprovação para o cargo no Acre e no Piauí. Esses Estados promoveram ações administrativas e judiciais, que beiram a irracionalidade, no sentido de não permitir que o autor efetivasse o seu intento. Assim, depois de aprovado nos concursos, foi obrigado a encarar uma insana demanda judicial contra esses Estados para garantir o seu direito.

Situações de tamanha discriminação não é compatível com o Estado Democrático de Direito, sobretudo porque se mostra sem respaldo constitucional. Mas o homem venceu de novo. E nesse ponto é importante que se observe a disposição de quem não retrocede porque um obstáculo foi armado a sua frente, pois a vontade de vencer está acima de eventuais perseguições descabidas.

O Estado não pode ser um ente discriminador sem propósito e sem base jurídica, antes deve promover a igualdade entre os cidadãos. O autor deixa claro que a etariofobia é tão violenta quanto o racismo e a homofobia.

É ao mesmo tempo uma história de superação e quebra de paradigmas. Num momento em que a grande maioria das pessoas entende não ser mais possível realizar as aspirações, Judson Barros resolveu cursar uma faculdade e reescrever a sua história de vida. O livro mostra como foi esse processo de reconstrução.

Importante aspecto do livro é mostrar para os leitores que o tempo e hora quem define é cada pessoa, nos limites de sua consciência. Que a questão da idade não tem qualquer importância. Que a hora de fazer é a hora que se resolve fazer. Ter 50, 60 ou 70 anos é de total irrelevância.

É um escrito que leva o leitor a reflexões, pois mostra a necessidade de mudanças de comportamento, de modo que se possa alcançar os objetivos planejados. Em um jogo, com preleção, primeiro tempo, intervalo, segundo tempo e prorrogação, o leitor irá entender como o autor, na sua experiência de vida, traçou e chegou aos seus objetivos.

Certamente que a história de Judson Barros pode servir como um norte, mas cada um terá o seu próprio modo de fazer e seguir na sua própria trilha.

O livro ainda mostra a sua relação familiar. O amor entre ele e seus filhos, Isis Valentina de Judson, Indira Maria e Judson Luís. Explica a valiosa importância da sua esposa Missy-Lany ao lhe dar apoio incondicional para que a caminhada se tornasse mais leve e possível. O imenso amor que conduziu a relação com a sua mãe Dica é outra faceta do autor que emociona.

Continuar lendo

CULTURA

Um dos papas da fotografia no Acre, Marcos Vicentti ministrará curso com vagas limitadas até final de maio

Avatar

Publicado

em

Por

O fotojornalista Marcos Vicentti, acreano do pé rachado cuja obra ganhou o mundo, vai aplicar ainda nesse mês de maio um curso para curiosos dessa arte. Com bagagem internacional, Vicentti ganhou boa parte dos prêmios disputados no estado.

O curso acontecerá nos dias 29 e 30 de maio, no horário de 8:30h às 12h e 14h às 17h. Com faixa etária a partir de 14 anos e carga horária de 16 horas. As vagas são limitadas a 10 participantes. E tem pré-requisito: ter uma câmera semiprofissional ou profissional.

Para mais informações, entre em contato pelo número (68) 98421-9899.

Continuar lendo

Trending

www.acrenews.com.br é uma publicação da Acrenews Comunicação

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Endereço: Área rural, 204, Setor Barro Vermelho - CEP 69.923-899

Os artigos assinados não expressam a opinião deste site.

contato@acrenews.com.br

Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Soluções Tecnológicas