Connect with us

ACRE

O FORREST GUMP DO ACRE Vítima de depressão profunda após a morte da mãe, árbitro de futebol se reencontra com a vida correndo

Publicado

em

Por Evandro Cordeiro

Às 5 da manhã do dia 11 de outubro de 2017, véspera do Dia de Nossa Senhora, o árbitro de futebol e sonoplasta Demosthynes de Souza Miranda, então com 35 anos, sofreu aquele que terá sido o golpe mais duro de sua vida, ao ser acordado pelo telefone com a fatídica notícia segundo a qual sua mãe, dona Ruth de Souza, acabara de falecer, aos 64 anos, na casa de uma amiga, de infarto fulminante. Espírita, assim como o filho, ela “desencarnou sem avisar”, conforme ele relata hoje, três anos e pouco depois, bem mais aliviado e conformado que naquela sinistra madrugada. Atualmente, inclusive, Demosthynes está em outro patamar. Emagreceu dezenas de quilos e se transformou em um corredor de maratonas cujas passadas e resistência começam a chamar a atenção, até, da imprensa nacional, decorrência dos recordes batidos pelo próprio dentro do território do Acre. Até alcançar esse novo momento, no entanto, a vida lhe aplicou lições marcantes. “Vivi um inferno”, resume o período. Os detalhes desses infortúnios o corredor contou ao Acrenews em entrevista pelo telefone, para seguir protocolo sanitário imposto pela pandemia do coronavírus.

Demosthynes Miranda nasceu em Rio Branco em 1982, na maternidade Bárbara Heliodora. Na adolescência, muito apegado ao esporte, sonhou com a carreira de jogador de futebol, que realizou ao jogar no infanto-juvenil do Juventus e depois no Independência, entre outros clubes de menor expressão. Filho de um jogador de futebol, Waldir Miranda, que fez carreira em Manaus, atuando por clubes como Nacional e Fast, e no Acre em Independência e Juventus, Demosthynes conviveu com a bola por toda a adolescência, até ter que parar aos 16, 17 anos, para trabalhar. Virou sonoplasta, profissão que cultiva até hoje, dividindo entre arbitragens e as duas faculdades que tenta concluir há algum tempo: educação física e serviço social.

A vida pacata e a leveza da rotina sofreram um forte impacto em 2017, com a morte da mãe. “Naquele dia saquei que minha vida mudou. A partir dali notei que iniciava uma nova história. Foi tudo muito estranho”, lembra. Demosthynes passou a sofrer de depressão, sem ele mesmo saber. Seu comportamento estranho chamou a atenção de amigos e conhecido. Muita gente fugia dele, à época, alguns desconfiando que ele poderia estar na “vida errada”, transliterado para a realidade como uso de entorpecentes. Quando abriu os olhos, estava em depressão profunda, pesando o dobro do peso e se afundando diante daquilo tudo.

Menos de um ano depois da morte da mãe, ele caiu em si. “Após ser muito criticado, devido minhas condições físicas na arbitragem local não ser favorável, aceitei em mim que o momento era preciso mudar a página da minha vida”, conta. Além da ressaca moral pelo “desaparecimento” da genitora, ele tinha outro inimigo a combater, a doença do pai. Seu Waldir sofreu dois infartos, sobreviveu por algum tempo, mas não escapou. “Após sofrer os infartos, se agravou nele o Alzheimer, que seria irreversível”, conta sobre o novo drama. Foi outro recomeço. Aí foi que veio a brilhante ideia de correr para espantar tanta fase ruim. Vieram os convites de grupos e o nosso Forrest Gump, personagem de um filme da década de 1990 que supera a doença da infância e os dramas que a vida lhe impôs, começa a correr pelo Acre. Em 2020 ele conseguiu superar os mil quilômetros.

A superação, segundo Demosthynes, transformou sua vida por completo. Ele, inclusive, já se coloca como referência para outras pessoas submetidas a dramas equivalentes. “Estou dando um exemplo de força e fé. Sempre digo: nunca desista. O segredo do sucesso está no seu próprio caminho, aquele que você percorre diariamente”, aconselha.

CONVITES PARA MARATONAS E PROJETO OUSADO

O Demosthynes é casado e pai de três filhos. Precisava levantar a cabeça depois de perder a mãe e assistir o drama do pai, que, COM Alzheimer, não reconhece mais ninguém. Juntou a força de vontade de mudar com os convites e, tchan! Foi fatal. Mudou sua história. O grupo Anjos do Asfalto, além de outros amigos incentivaram ele a fazer maratonas. Mas precisava para isso perder grande quantidade de peso. Os 110 quilos adquiridos no período da depressão impediam a prática de esportes. “Tomei a decisão e parti”, conta.

Na atualidade, Demosthynes figura entre os poucos que correm maratona no Acre. “Os irmãos Ney e Ediney, responsáveis pelos Anjos do Asfalto, são idealizadores de um movimento de atletas de rua que existe no Acre e que pouca gente conhece. Eles já são ultramaratonistas. Tem umas meninas também do grupo que se destacam nas corridas”, conta o corredor. E comemora: “O que me deixa mais feliz é que outras pessoas aqui também estão conseguindo o objetivo de correr uma maratona ou uma ultra, em distâncias que variam entre 42.195 km a 50 km. Isso me deixa muito feliz”.

Demosthynes já corre uma média de 20 km por dia e 60 km de bicicleta por semana. Isso, somado às corridas que participou em 2020 deram a ele um acúmulo de mil quilômetros durante o ano.

PROJETO É CORRER ENTRE MÂNCIO LIMA E ASSIS BRASIL

A pandemia tem segurado muito a prática do esporte. Com os maratonistas não foi diferente, mas o sonoplasta e árbitro de futebol Demosthynes Miranda está planejando um futuro grande. Pelo menos para ser colocado em prática em 2022. A ideia, que ainda envolverá patrocínio, parceria com imprensa, inclusive a nacional, é correr entre os municípios de Mâncio Lima, no Oeste do Acre, região do Juruá, até Assis Brasil, ao Sul, na dívida do Brasil com o Peru.

O percurso entre os dois municípios, localizados nos estreamos do Acre, é de 960 km, aproximadamente. É esse trecho que o ex-depressivo Demosthynes, hoje com a autoestima nas nuvens, quer fazer na companhia de outros maratonistas. Ele está estudando todas as possibilidades para poder fazer o trecho. “É preciso estudar bem estudado para encarar um desafio desse”, diz.

DESAFIOS SUPERADOS EM 2020 E PARA SUPERAR EM 2021

Realizado

O primeiro desafio ultra foi realizado em uma corrida saindo da cidade de Bujari, com largada as 4 da manhã, passando por Rio Branco e chegando em Senador Guiomard às 11:40 mim, no aniversário do Estado do Acre em 2020.

A realizar

Os próximos desafios, para 2021, são: correr 59 km no aniversário do Estado; dia 7 de agosto uma maratona de 100 km e dia 28 de dezembro, 139 km no aniversário de Rio Branco.

Continuar lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ACRE

Morre “Gouveão”, antigo servidor da Assembléia Legislativa e tio do ex-capitão Carlão, da seleção de vôlei

Publicado

em

Por

Um dos profissionais mais queridos da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) morre neste primeiro dia de agosto. Informações preliminares dão conta de que seu Cleomar Gouveia foi vítima de um câncer pulmonar.

Seu Cleomar deixa três filhos: Sandro, Sandra e Junior. A família, através das redes sociais, vai se pronunciando aos poucos. “Um segundo pai para todos os sobrinhos: assim era tio Gouveia”, publicou a sobrinha Naluh Gouveia.

“Tio, como eu te amo! Tá passando um filme na minha cabeça”, lamentou Ethiene Gouveia.

Centenas de mensagens com homenagens para seu Cleomar invadem as redes sociais. O velório acontece neste domingo (1) no Morada da Paz; o enterro acontece na segunda-feira (2).

Com informações ContilNet.

Continuar lendo

ACRE

Governador participa de carreata com o Club do Fusca neste domingo

Publicado

em

Por

O governador do Acre, Gladson Cameli, foi um dos convidados para o evento Fotos: Odair Leal/Secom

Agência AC

Criado há sete décadas, o carro que nasceu com a missão de ser popular, mesmo deixando de ser fabricado mundialmente, ainda ganha destaque com seus colecionadores. Neste domingo, 1º, vários exemplares e até versões melhoradas do fusca ganharam a BR-317 e fizeram um verdadeiro desfile, em uma carreata que arrancava olhares por onde passava.

Neste domingo, 1º, vários exemplares e até versões melhoradas do fusca ganharam a BR-317 e fizeram um verdadeiro desfile, em uma carreata que arrancava olhares por onde passava Fotos: Odair Leal/Secom

O governador do Acre, Gladson Cameli, foi um dos convidados para o evento. Ele participou conduzindo a liderança do passeio, dirigindo um dos exemplares do veículo cedido pela organização do evento. O grupo foi até o município de Xapuri.

“Fico grato pelo convite e vejo como uma forma de estar presente, perto das pessoas, prestigiando, acompanhando e estimulando eventos como estes, que acabam se tornando opções de entretenimento, não só estes como outros grupos e eventos. Eu particularmente gosto e por isso faço questão de participar”, disse o governador.

Atualmente com mais de 60 adeptos, a Associação Fusca Club Acre existe desde 2009, sendo fundada oficialmente em 2014. Segundo o presidente da associação, Genival Sombra, os passeios ocorrem costumeiramente aos fins de semana, como forma de entretenimento, exposição e conquistar novos adeptos.

Atualmente com mais de 60 adeptos, a Associação Fusca Club Acre existe desde 2009, sendo fundada oficialmente em 2014 Fotos: Odair Leal/Secom

“Nos entramos em contato com a equipe do governador durante um evento que anunciava a reforma de um fusca da Polícia Militar e resolvemos convidá-lo. Hoje está presente conosco aqui e é uma honra recebê-lo. Precisamos de estímulos como este, tornar nosso grupo reconhecido e trazer novos adeptos”, destacou Genival.

Amante de fuscas desde criança, acompanhando o mesmo gosto do pai, Rui Barros, de 28 anos, adquiriu seu exemplar há 5 anos. Para ele foi uma conquista que pretende passar por gerações.

“Comprei meu fusca através de um anúncio na Internet. Ele era de um padre que morreu e ficou muito tempo guardado numa garagem, até que a família decidiu vender. Comprei, reformei, mudei o motor, tapeçaria, pintura e hoje está aí, em pleno funcionamento. Cuido com maior amor e pretendo repassar essa paixão também para os meus filhos”, finalizou.

Continuar lendo

ACRE

Amigos pedem ajuda para Mestre Juca, intubado em estado grave com Covid

Publicado

em

Por

José Carlos Gomes Guimarães, o popular Mestre Juca, se encontra há mais de 10 dias entubado na UTI do INTO de Rio Branco. Portanto, a família de Juca está precisando de ajuda para custear algumas despesas de seu tratamento. Segundo o historiador e ex-aluno de Juca, Enilson Amorim, o Mestre, que é 7º DAM de Taekwondo, é tido como o precursor deste esporte olímpico em terras acreanas, já no início dos anos 90. “Ele chegou a ministrar aulas gratuitas de Taekwondo para crianças que viviam em situação de vulnerabilidade social e eu sou prova viva deste fato, considerando que eu também fui um destes garotos que entraram neste projeto maravilhoso”, conclui emocionado um dos mais importantes escritores de temáticas amazônicas e membro da Academia Acreana de Letras – AAL, Enilson Amorim.

“Este é um momento muito doloroso para a família, considerando que o estado de saúde de meu cunhado José Carlos é gravíssimo.  E está precisando de nossa ajuda. Pode ser com orações e também ajuda financeira, considerando que a esposa dele está tendo muitos gastos. Para isso, estamos fazendo uma rifa. Para participar, basta depositar 10 reais via PIX 68992143866 em nome de José Evandro e a pessoa concorrerá através de um sorteio pela cartela da sorte, um creme hidratante da boticário e duas travessas da marca Tupperware. Agora, quem quiser fazer doação para o Mestre de forma anônima, podem estar enviando para o PIX de sua esposa Josicleia Martins 95002456200”, finalizou a cunhada do Mestre, Marlizete Silva.

Continuar lendo

Trending

www.acrenews.com.br é uma publicação da Acrenews Comunicação

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Endereço: Área rural, 204, Setor Barro Vermelho - CEP 69.923-899

Os artigos assinados não expressam a opinião deste site.

contato@acrenews.com.br

Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia