Connect with us

POLÍCIA

Policiais penais apreendem 30 pacotes de tabaco escondidos dentro de colchão deixado por visitante

Publicado

em

Ascom Sejusp

Mesmo com as visitas suspensas durante o período crítico da pandemia, todas as semanas as unidades prisionais do estado, continuam recebendo produtos e materiais a serem destinados ao uso pessoal dos reeducandos.

Nesta segunda-feira, 17, durante a inspeção desses materiais recém-chegados à unidade prisional, Evaristo de Moraes, localizada no município de Sena Madureira, os policiais penais acabaram apreendendo 30 pacotes de tabaco, escondidos no interior de um colchão. O material seria destinado a um reeducando que cumpre pena no bloco 07 da unidade.

O consumo ou entrada de cigarros ou material que induz ao fumo passou a ser proibido nas unidades desde o ano de 2019, quando o Conselho Gestor do Sistema Integrado de Segurança Pública (Consisp), baixou uma resolução, impedindo a entrada desses materiais em presídios.

Segundo estudo, 50% dos reeducandos que cumprem pena dentro das unidades, acabam desenvolvendo algum tipo de doença respiratória, mediante o consumo direto ou indireto do uso do tabaco, trazendo graves prejuízos à saúde do apenado, que já convive em um espaço fechado.

“Logo que recebemos o material que vem do meio externo, tudo é minuciosamente inspecionado, afim de evitar a passagem de objetos ilícitos para o interior da unidade. Neste caso, foi uma das maiores apreensões que já tivemos de tabaco na unidade e provavelmente seria comercializado lá dentro entre os presos de forma ilícita”, explicou o diretor Francisco de Assis.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POLÍCIA

Cadela Helô auxilia na apreensão de quase 1 kg de maconha no Preventório

Publicado

em

Por

Ascom/PMAC

Uma ação da equipe de Força Tática do Primeiro Batalhão de Polícia Militar (1° BPM), com apoio da Companhia de Policiamento com Cães (CPCães), apreendeu no final da tarde desta quinta-feira, 23, quase um quilo de maconha. A ação ocorreu no bairro Preventório, em Rio Branco. O destaque na ação foi a participação da cadela Helô.

A equipe Tática chegou ao local por meio de denúncia anônima. Durante a incursão a pé, os policiais encontraram vestígios de drogas e solicitaram apoio da CPCães.

Dois Policiais da CPCães foram ao local com a cadela Helô, especializada em faro de narcóticos. Em poucos minutos, a cadela localizou em dois locais distintos sacos plásticos enrolados com os entorpecentes.

A droga foi encaminhada à Delegacia Especializada em combate ao tráfico de drogas, para serem tomadas as demais providências cabíveis ao caso.

Continue lendo

ACRE

Em ação conjunta, PM, PC e Secretaria Municipal de Saúde visitam comunidade rural em Feijó

Publicado

em

Por

Ascom PMAC

As forças de segurança do Estado, representadas pela Polícia Militar e Polícia Civil, juntamente com a Secretaria Municipal de Saúde de Feijó, realizaram nesta quinta-feira, 23, uma atividade conjunta na Comunidade Paraíba, no Km 40 do Ramal Maravilha, em Feijó.

Na oportunidade as forças policiais desenvolveram ações de polícia comunitária, conversando, debatendo e interagindo com moradores da região, sobre temas relacionados a segurança pública. Os profissionais da Secretaria Municipal de Saúde, levaram atendimento básico, além de vacinação contra a COVID-19.

O 1° Tenente PM Mendonça, agradeceu a participação dos envolvidos na ação. “Agradeço a todos os envolvidos (Polícia Militar, Polícia Civil e Prefeitura de Feijó) pelo empenho em levar dignidade aos moradores e deixar claro que nós, Forças de Segurança, não estamos alheios aos problemas de nossa cidade e muito menos de nossa Zona Rural. Mais ações como essa virão e alcançaremos a todos, levando segurança para as pessoas de bem e combatendo com rigor a criminalidade”, finalizou.

Continue lendo

POLÍCIA

TJAC: banco não é responsável por ressarcir vítima de golpe aplicado pelo WhatsApp

Decisão da 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais da Comarca de Rio Branco verificou que o banco não contribuiu para o dano da autora, que foi vítima de estelionato, aplicado através do uso de contas falsas no WhatsApp

Publicado

em

Por

Por meio de decisão emitida para um caso específico, a 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais da Comarca de Rio Branco considerou que instituição bancária não é responsável por ressarcir vítima de golpe estelionatário, aplicado através de contas falsas no WhatsApp.

A autora da ação judicial tinha procurado a Justiça, pedindo que o banco que recebeu as transferências financeiras feitas por ela, induzida por golpe estelionatário, ressarcisse o valor perdido e ainda pagasse indenização por danos morais. Ela relatou que acreditava estar ajudando um conhecido em emergência, quando emprestou o dinheiro.

O processo foi julgado parcialmente procedente pelo 1º Grau. Mas, a empresa entrou com Recurso Inominado. A instituição argumentou não ter cometido nenhum erro, explicando que a situação aconteceu por culpa exclusiva de terceiros. Por isso, solicitou ao Judiciário a improcedência dos pedidos da consumidora.

Assim, os juízes e juízas de Direito, Rogéria Epaminondas, Cloves Augusto, Olívia Ribeiro e Lilian Deise, que participaram da avaliação desse caso, decidiram à unanimidade reformar a sentença e considerar improcedente os pedidos da consumidora. Os magistrados verificaram que não houve ação ou omissão da empresa que tenha contribuído para gerar o dano sofrido pela autora.

Voto da relatora

A relatoria do processo foi da juíza Rogéria. A magistrada esclareceu que as empresas e instituições são responsabilizadas quando suas ações ou omissões são causas para os danos. Entretanto, como analisou a juíza não ocorreu isso. “No presente caso, contudo, a instituição financeira ré foi apenas o meio pelo qual a autora transferiu os valores ao golpista, já que para enviar o dinheiro precisou acessar a sua conta”, escreveu.

Rogéria ainda acrescentou que “(…) não é possível considerar essa fraude um fortuito interno passível de ensejar a responsabilidade do banco, haja vista que inicialmente não houve nexo de causalidade entre qualquer ação ou omissão da instituição financeira e os prejuízos sofridos pela reclamante”.

Então, reafirmando que “o dano suportado pela autora foi decorrência direta do golpe de que foi vítima, ao ser induzida em erro para que o estelionato ocorresse”, a relatora votou por reformar a sentença e negar os pedidos da autora. (Recurso Inominado 0606957-84.2019.8.01.0070)

Continue lendo

Trending

O Portal AcreNews é uma publicação de AcreNews Comunicação e Publicidade

Editor-chefe: Evandro Cordeiro

Contato: siteacrenews@gmail.com

Área rural 204, Barro Vermelho - Rio Branco

CNPJ: 40.304.331/0001-30

Os artigos assinados não traduzem, necessariamente, a opinião deste jornal



Copyright © 2021 Acre News. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por STECON Engenharia e Tecnologia